domingo, 7 de abril de 2019

Espetáculo Ovo, do Cirque du Soleil, tem brasileiros no elenco


Resultado de imagem para o ovo circo de soleil

O espetáculo Ovo está em turnê pelo Brasil e estreou, em Brasília na última sexta-feira. A autoria, direção e coreografia de Deborah Colker guiam o tom brasileiro da obra

Além do título em português, o show guarda outros traços tupiniquins, como as músicas, embaladas por ritmos regionais tais quais o samba, carimbó, maracatu e funk. Tudo realizado ao vivo por músicos brazucas. No entanto, o protagonismo brasileiro vai além, esteja ele diante dos holofotes ou não.

Ladybug
Ovo conta a história de uma colônia de insetos. Eles estão em harmonia até a chegada de um forasteiro ao local. Não bastasse o jeitão atabalhoado do novato, ele — uma mosca — se apaixona pela Ladybug, interpretada pela capixaba Neiva Nascimento. A atriz é a primeira brasileira a ocupar o posto de personagem principal no Cirque e, além de envolver o pretendente, ela também encanta o público com suas tiradas bem-humoradas e postura empoderada.

Resultado de imagem para o ovo circo de soleil - brasileiros

Filha de artistas, Neiva deu os primeiros passos no circo quando ainda era criança. É formada pela Escola Nacional de Circo e já esteve em algumas caravanas. Ela está em Ovo há cinco anos e se apresentou em 14 países. Um sonho que demorou uma década para se realizar. “Eu fazia um trabalho social em uma ONG, até que o Cirque chegou para realizar audições em 2004. Foi lá que eles me conheceram, mas não passei. Porém, em 2014, 10 anos depois, eles me ligaram para esse papel”, recorda.

“Quando entro no palco, eu entro me entregando. Passando toda a energia que nós brasileiros temos de sobra. Os próprios estrangeiros, meus colegas, ficam parados me olhando e querendo saber da onde vem tudo isso. A força vem da gente mesmo, temos problemas, mas eles não dominam a gente. Brasileiro sempre tenta mostrar que está feliz”, se orgulha Neiva, em sua primeira apresentação em casa. “É diferente de todos os lugares que eu já estive”, revela.

Líder nos bastidores
Imagem relacionada

Já imaginou estar à frente de todo o treinamento físico e técnico dos artistas? É preciso considerar que são habilidades distintas como acrobacias, equilibrismo e contorcionismo. Soma-se a isso que o grupo é formado por 50 pessoas de 25 países. A faixa etária também é variada. Parece complicado, né? A tarefa requer, além do conhecimento técnico dos números, habilidades sociais para manter o grupo em paz. O responsável por essa engenharia humana é o paulistano Emerson Neves.

“Eu comecei no Cirque em 2006. Fui atleta de saltos ornamentais, fiz treinamento para um show e fui artista do espetáculo Saltimbanco. Depois, passei a ser treinador, tive uma experiência fora daqui e retornei para o Ovo há três anos. Minha vontade era continuar como artista, mas a idade e as lesões chegam. Como estive no palco e nessa rotina, com a experiência de ter vivenciado isso, eu acho que esse é o diferencial que eu tenho”, explica.

Em regra, os espetáculos ficam entre 10 e 12 semanas na estrada. Então, alguns problemas de relacionamento são naturais. “Eu tenho uma sensibilidade maior para ver essas coisas. Tem uns mais extrovertidos, outros são mais quietos. No meu começo como artista foi difícil, nem sempre a gente leva uma piadinha numa boa. Mas com o tempo você entende a diferença de cultura. Nem sempre todo mundo se entende. É preciso ter muito jogo de cintura”.

Serviço:

Ovo - Cirque du Soleil

Ginásio Nilson Nelson (SRPN). De 5 a 13 de abril. Os preços das entradas inteiras variam de R$ 260 a R$ 900. Confira os horários e valores detalhados no site do Correio.


Fonte: Correio Braziliense

A Cassiopeiae e a relação com o filme “A Espera de um Milagre”


15
O longa, escolhido como um dos 5 filmes para se ver antes de morrer, segundo a rádio Capital FM em Londres, se desenvolve com o personagem Paul, já velho, contando à Elaine a história do "milagre"


Em uma das cenas do filme, quando Paul (Tom Hanks) e Brutal levam John para fora, o gigante olha para as estrelas e fala "Olhe Chefe, é a Cassie, a senhora na cadeira de balanço." Esta é uma referência à constelação Cassiopéia. Na mitologia grega a rainha Cassiopéia é constantemente caracterizada por estar sentada numa cadeira de balanço ou numa cadeira comum.

Alpha e Gamma

Também conhecida como Tamaquaré pelos brasileiros, a Cassiopeia é uma constelação em formato de W, localizada no hemisfério celestial norte. Essa constelação possui cerca de trinta estrelas que são visíveis a olho nu, além de outras, e as cinco principais, que formam o desenho da letra W.

A Alpha Cassiopeiae (ou Shedir) é a estrela mais brilhante de toda constelação e possui cor avermelhada. Já a Gamma Cassiopeiae é outra estrela bastante importante, que está no centro do desenho W, ou seja, no meio das estrelas principais, e é a terceira com mais luz. O W, ou M, também é formado pela Beta Cassiopeiae, Delta Cassiopeiae e Epsilon Cassiopeiae. 
Imagem relacionada
Em locais de latitudes médio setentrionais, ou seja, do hemisfério norte, ela pode ser observada em qualquer período do ano, mas sua visualização possui mais destaque durante o inverno. Esta constelação tem como característica grupos estelares abertos.

A Cassiopeia fica próxima às constelações Cepheus, Andrômeda, Perseus e Camelopardalis. O nome desta constelação tem origem grega, de Kassiópeia. Já a forma que o nome é escrito hoje vem do latim.

Mitologia Grega
Resultado de imagem para cassiopeia lendas

De acordo com a mitologia grega, esta constelação tem a ver com a rainha da Etiópia, a Cassiopeia, esposa de Cefeu e mãe de Andrômeda. O W formado pelas estrelas de Cassiopeia mostra a imagem da rainha, sentada em seu trono ou em uma cadeira de balanço, penteando os cabelos – isso porque ela era conhecida por sua beleza e sua vaidade.

Uma vez, a rainha chegou à conclusão de que era a mais bela dentre todas as nereidas, o que desagradou a todas as outras. Desagradou, inclusive, Anfitrite, que registrou sua queixa ao deus dos mares, que também era seu marido, Poseidon. Em represália à atitude da rainha da Etiópia, Poseidon exigiu que Andrômeda, a filha da rainha, fosse sacrificada ao monstro marinho Cetus. Caso sua exigência não fosse cumprida, toda a Etiópia seria inundada.

Andrômeda foi, então, oferecida para o sacrifício. Mas, no último segundo, ela foi salva por Perseu, que se apaixonou por ela e matou a criatura marinha. Como castigo final, Cassiopeia foi colocada no céu em posições desconfortáveis (por isso que o W forma a rainha sentada de cabeça para baixo), para que ela permanecesse em posição de humilhação.