domingo, 11 de novembro de 2018

Em seu novo livro 'Viver Entre Línguas', escritora e ensaísta Sylvia Molloy discute língua e identidade


Resultado de imagem para Viver Entre Línguas - Sylvia Molloy

 Viver entre línguas é uma coleção de textos breves que podem ser lidos como ensaios ou peças de ficção autobiográfica 

Neles, uma mulher narra memórias e anedotas de sua vida enquanto reflete sobre língua, linguagem, plurilinguismo. Relatos sobre Jules Supervielle, Guillermo Hudson, George Steiner e Elias Canetti são intercalados com episódios de sua infância, atravessados por diferentes idiomas.

Na obra, Sylvia Molloy – argentina radicada há décadas em Nova Iorque e uma das maiores críticas literárias da América Latina – conta que, quando pequena, falava espanhol com a mãe, inglês com o pai e uma mistura de ambos com a irmã, quando ninguém as ouvia. Então veio o francês, como uma espécie de recuperação da língua que sua mãe herdara – e perdera – de seus pais. Cada idioma passou a ocupar espaços diferentes, colorindo-se de afetividades diversas. Vieram os anos de estudos na França, depois a mudança para os Estados Unidos. "Por que falo de bilinguismo, do meu bilinguismo, a partir de um idioma só, e por que escolhi fazê-lo a partir do espanhol?", pergunta-se a narradora. "Em que língua acorda o bilíngue?", "Em que língua sou?".


Trajetória da autora
Resultado de imagem para Viver Entre Línguas - Sylvia Molloy

Sylvia Molloy nasceu em Buenos Aires e vive nos Estados Unidos há mais de 40 anos. Doutora em Literatura Comparada pela Sorbonne, lecionou nas universidades de Princeton e Yale e atualmente é professora emérita da cátedra Albert Schweitzer em Humanidades na Universidade de Nova Iorque, onde dirigiu o programa de escrita criativa em espanhol. 


É autora dos ensaios Las letras de Borges (1979), Acto de presencia (1996) – publicado no Brasil como Vale o escrito: a escrita autobiográfica na América Hispânica (Argos, 2004), Poses de fin de siglo - Desbordes del género en la modernidad (2012) e Citas de lectura(2017), e coeditora dos livros Women's Writing in Latin America (1991), Hispanisms and Homosexualities (1998) e Poéticas de la distancia (2006). Publicou ainda o livro de contos Varia imaginación (2003) e os romances El común olvido (2002), Em breve cárcere (Iluminuras, 1995) e Desarticulações (2010), adaptado como monólogo teatral no Brasil e publicado pela revista Serrote.


Sobre a Coleção Nosostras


Pronome feminino na primeira pessoa do plural. Desinência de gênero própria da língua espanhola. Uma coleção de textos escritos por autoras latino-americanas, mulheres brasileiras e hispanofalantes de hoje e de ontem, daqui, dali e de lá. Uma coleção a favor da alteridade e da sororidade, este substantivo ainda não-dicionarizado. Nós e outras, nós e elas, nós nelas e elas em nós. 

NOS.OTRAS pretende aproximar-nos, cruzando fronteiras temporais, geográficas, idiomáticas e narrativas. A proposta é pelo diálogo plural, dar voz e visibilidade a projetos literários heterogêneos que nem sempre encontram espaço editorial. Publicaremos sobretudo não-ficção – ensaios, biografias, crônicas, textos epistolares –, mas prosas de gênero híbrido, fronteiriças à ficção, também são bienvenidas. Porque nosotras somos múltiplas. Curadoria e coordenação editorial: Mariana Sanchez e Maíra Nassif.


Ficha
Viver entre línguas

Sylvia Molloy
Tradução de Julia Tomasini e Mariana Sanchez
Coleção Nosotras

68 p.| 2018 | 13 x 19 cm
ISBN: 978-85-66786-xx-x

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!