Construção - Reforma - Manutenção

Construção - Reforma - Manutenção
Clientes encantados é a nossa meta!

domingo, 20 de agosto de 2017

“ANTES DURANTE DEPOIS” É O NOVO TRABALHO DO ‘PAVILHÃO 9’



O Pavilhão 9 chega com seu sétimo disco de estúdio, “Antes Durante e Depois”, que já está disponível nas principais plataformas digitais, trazendo um trabalho que lembra alguns bons momentos dos 25 anos de história do grupo

A banda volta com uma formação diferente neste novo disco, agora o Pavilhão 9 conta com Leco Canali (que vem do Tolerância Zero), o baixista Heitor Gomes (que passou pelo Charlie Brown Jr.), o guitarrista Rafael Bombeck (que também acompanha Rhossi em sua carreira solo), além dos dois cantores de frente.

A produção de “Antes Durante e Depois” foi do próprio Pavilhão 9 em parceria com Daniel Krotoszynski e ainda contou com os samples do DJ MF. Abaixo escutem as 10 músicas do novo álbum do Pavilhão 9!

¼ de século
Disco saiu no ano em que o grupo paulistano completa 25 anos de carreira / Foto: Roberto Salgado/Divulgação

“Antes Durante Depois” chega num ano emblemático para o Pavilhão, que está completando um quarto de século. Nesses 25 anos de trajetória, muitas coisas aconteceram – e todas elas estão representadas de alguma forma no novo registro, produzido pela banda e por Daniel Krotoszynski.

A partir de 2014, Rhossi sentiu que precisava tomar as rédeas do Pavilhão e reformular a lógica interna do grupo. Membros antigos foram cuidar de seus projetos individuais e uma nova brigada assumiu os instrumentos. Hoje, a banda conta com o batera Leco Canali (que vem do Tolerância Zero), o baixista Heitor Gomes (que passou pelo Charlie Brown Jr.), o guitarrista Rafael Bombeck (que também acompanha Rhossi em sua carreira solo), além dos dois cantores de frente. A gravação do disco ainda foi reforçada pelas pick-ups do DJ MF.

A capa que embala “Antes Durante Depois” conta com ilustração de Leandro Dexter, que desenhou Rhossi usando a máscara que virou símbolo do Pavilhão 9. Apesar de hoje só usá-la para efeito cênico nos shows, o MC reconhece que ela agregou muito à mística do grupo. “A máscara representa o rosto dos oprimidos”, diz. E ela ajuda bastante a manter a presença do Pavilhão forte no imaginário das pessoas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!