Construção - Reforma - Manutenção

Construção - Reforma - Manutenção
Clientes encantados é a nossa meta!

sábado, 20 de maio de 2017

Henderson | Ilha desabitada do Pacífico Sul é o lugar com mais lixo no mundo


Resultado de imagem para Ilha Henderson- Pacífico - cheia de lixo


Os 37 quilômetros quadrados de Henderson acumulam 18 toneladas de resíduos que chegam flutuando recebendo lixo jogado de navios e vindo da costa oeste da América do Sul

Até onde vai a irracionalidade humana? Um dos locais mais belos do planeta, a Ilha Henderson, no Pacífico, transformou-se em um dos maiores lixões do planeta

A denúncia está na mídia e vem ganhando destaque nas últimas semanas, chamando à atenção para a remota e desabitada, ilha no Pacífico que tem a maior concentração de lixo plástico do mundo.

E nós habitantes desse mês planeta, o que podemos fazer por isso? Evitar tanto quanto possível o descarte indevido deste material, o maior inimigo do planeta, principalmente dos oceanos.

Sites de notícias e programas de TV informam que a Ilha Henderson, parte do arquipélago de Pitcairn, um território do Reino Unido, tem um número de pedaços de plástico em suas praias estimado em 37,7 milhões. O motivo? Henderson fica no caminho de uma corrente marinha, e acaba recebendo lixo jogado de navios e vindo da costa oeste da América do Sul.

Giro do Pacífico Sul

Imagem relacionada

A Ilha Henderson faz parte do arquipélago britânico de Pitcairn e lá são realizados estudos científicos a cada cinco ou dez anos. Está localizada perto do chamado Giro do Pacífico Sul, um redemoinho gigante onde se acumulam detritos transportados pelas correntes marinhas provenientes de navios ou da América do Sul.

Os cientistas estimam que existam cerca de 38 milhões de pedaços de plástico na Ilha Henderson, cujo tamanho é semelhante ao da cidade espanhola de Corunha. No entanto, a quantidade de lixo pode ser ainda maior, como explicou a principal autora do estudo, Jennifer Lavers, do Instituto de Estudos Marinhos e Antárticos da Universidade da Tasmânia.

A equipe de cientistas só explorou até uma profundidade de dez centímetros de areia, nas áreas de falésias o acesso foi menor, e muitos pedaços de plástico eram pequenos demais para serem contados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!