domingo, 12 de fevereiro de 2017

“Quelé, a voz da cor": biografia de Clementina de Jesus é uma obra escrita a quatro mãos


Resultado de imagem para CLEMENTINA DE JESUS - LIVRO


Clementina de Jesus, a guardiã e herdeira da cultura musical afro-brasileira, dona de uma voz potente e marcante, tem sua trajetória resgatada no livro "Quelé, a voz da cor”
Em sua longa carreira, Clementina gravou 12 discos de sucesso nos tempos da bossa nova e o do iê-iê-iê. Esteve em programas de TV, rádios, fez show pelo país e fora dele. 

Na França, cantou no Festival de Cannes e, no Senegal, teve de voltar ao palco quatro vezes, muito aplaudida.A história dessa lenda da música brasileira está resumida na "Quelé, a voz da cor” trabalho biográfico que resulta do trabalho incansável e minucioso de quatro autores: Felipe Castro, Janaína Marquesini, Luana Costa e Raquel Munhoz. 

Uma obra surgida como trabalho de conclusão do quarteto no curso de Jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo e que, além da nota máxima pela banca avaliadora, valeu a eles premiações como uma da própria universidade e duas da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares de Comunicação. A pesquisa se estendeu e durou seis anos até virar livro.

Resultado de imagem para CLEMENTINA DE JESUS - LIVRO

O reconhecimento dos primeiros leitores não foi sem razão. Através do livro, a trajetória de Clementina de Jesus vai muito além da história que invariavelmente se repete nas fontes tradicionais: da empregada doméstica que se transformou em cantora aos 64 anos de idade e gravou sucessos como “Marinheiro só” (do repertório tradicional). 

A obra também passa a limpo o ano de nascimento da cantora – 1901 e não 1902 (como informa a maioria das fontes) – e nos leva ao início do século XX na cidade de Valença (RJ), onde começa a saga da menina Quelé, filha dos escravos libertos Amélia Laura e Paulo Baptista dos Santos. A história nos leva ao Rio de Janeiro, onde a pequena vai morar aos sete anos e terá as primeiras experiências como cantora (no pastoril de João Cartolinha) e sambista – primeiro na escola de samba Unidos do Riachuelo e, depois, na Portela.

Resultado de imagem para CLEMENTINA DE JESUS - LIVRO

E sabe-se que foi numa festa de São João em 1938 que Clementina cruzou os primeiros olhares com o ferroviário (depois estivador) Albino Pé Grande, com quem se casa e por quem se converte ao verde-e-rosa da Estação Primeira de Mangueira. E que era no Grajaú que ela ganhava a vida como doméstica até encontrar, na antiga Taberna da Glória, o personagem decisivo para o início de sua vida artística, o poeta e produtor Hermínio Bello de Carvalho, que fará de Quelé a figura central do samba que se revigora em meados dos anos 60, através de espetáculos como o emblemático “Rosa de ouro” (1965), produção de Hermínio que apresenta também os jovens Paulinho da Viola e Elton Medeiros.

Sua morte, aos 86 anos, pobre como a maioria de seu povo, nos faz voltar à realidade. Felizmente, permanecem sua arte e memórias como as que estão contadas em “Quelé, a voz da cor: biografia de Clementina de Jesus”. Livro que, na contramão de um famoso ditado africano (“Toda vez que morre um velho, é uma biblioteca que vai embora”), mantém viva e afiada a “voz de navalha” que não nos deixa esquecer de nossas raízes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!