sábado, 5 de novembro de 2016

Há cerca de duas décadas, umas das principais opções dos turistas que visitam Aracajú é o passeio pelo Cânion do Rio Xingó



Bem antes da aventura nos catamarãs do Cânion do Xingó, na divisa entre os municípios de Canindé do São Francisco SE e Piranhas Al, se tornarem famosos através da novela “Velho Chico”, a atração já fazia parte do trade turístico daquela região

O Cânion do Xingó surgiu após o represamento das águas do Rio São Francisco para a construção da Usina Hidrelétrica do Xingó (inaugurada em 1994), na divisa entre Alagoas e Sergipe. Até 2007, só havia a opção dos catamarãs partindo de Piranhas, mas no ano seguinte foi inaugurado uma outra rota, partindo de Paulo Afonso BA, passando por várias atrações do complexo hidroelétrico da CHESF seguindo pelos cânions do Rio São Francisco.

Para os que fazem o passeio pela primeira vez, a expectativa é alta pois se está prestes a conhecer algo totalmente inusitado em pleno Alto Sertão do Sergipe. Há menos de 20 anos, esta região — hoje alagada — era coberta pela caatinga e o rio que circundava Canindé, praticamente seco!

Com o represamento das águas, o leito do São Francisco subiu quase 100 metros e o topo das montanhas acabaram formando o… Cânion do Xingó.


Após uns 30 minutos de navegação pelo São Francisco (rio 100% nacional) começam a aparecer os primeiros cânions como a Pedra do Gavião, o Morro dos Macacos e a Pedra do Japonês. Mas o impacto mesmo vem com a aproximação do catamarã ao Paraíso do Talhado. Até a música do barco muda, saindo o forrozão entrando no seu lugar uma trilha sonora estilo Vangelis no filme “1492 – A Conquista do Paraíso”. A intenção é tocar e encantar os passageiros.


O Cânion do Xingó é formado por um vale profundo. São mais de 60 quilômetros de extensão e a água do rio pode chegar a 190 metros de profundidade! A parada para banho acontece no Porto de Brogodó. O pessoal pega o macarrão flutuante e se esbalda nas águas verdinhas e mornas do Rio São Francisco. Quem não quiser entrar na água do rio, pode tomar banho em uma rede que forma uma piscina no próprio barco, ou pode ficar por ali, na sombra da barraca do porto, tomando água de coco!

Rota do Cangaço


Diz-se na região que, ir a Piranhas e não fazer a Rota do Cangaço corresponde a “ir a Roma e não ver o Papa...” e, para fazer esse “Caminho de Santiago do Sertão”, exige uma boa dose de preparo físico. Saindo do Cangaço Eco Parque, segue-se para fazer a trilha, que tem o total de 3,5Km (ida e volta). É cansativa, com subidas e descidas, trechos com muitas pedras e um sol para cada pessoa (calor muito!), portanto, imprescindível ir de tênis, boné, e levar água, pelo menos 3 garrafas de 0,5 litro por cabeça. Mas vale cada metro. É possível observar a caatinga, o rio e, após 1.750 km de caminhada (ida), chega-se à Grota de Angicos, que fica na Fazenda Angicos, em Poço Redondo-SE. Lá, o guia explica um pouco sobre a história do Cangaço e fala sobre a trajetória e morte de Lampião, Maria Bonita e seu bando, bem como a maneira como eles foram emboscados e assinados.


São várias as opções no passeio do Cânion do Xingó, mas a Rota do Cangaço é uma atração única e que realmente toca o visitante, notadamente se ele conhece pelo menos uma parte da saga de Virgulino Ferreira, o Lampião!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!