terça-feira, 27 de setembro de 2016

“Amazonas, Amazonas” reconstitui os passos do cineasta baiano Glauber Rocha na Amazônia em meados dos anos 60


Resultado de imagem para glauber rocha cinema


Com previsão de lançamento em 2018,O Livro-reportagem produzido pelo jornalista amazonense Rosiel Mendonça, mostra as andanças do cineasta reconstituídos a partir do documentário “Amazonas, Amazonas”

Um registro inédito da passagem do baiano Glauber Rocha pela Amazônia está retratado no livro-reportagem produzido pelo jornalista amazonense Rosiel Mendonça, com previsão de lançamento em 2018. A obra apresenta os passos do cineasta reconstituídos a partir do documentário “Amazonas, Amazonas”, gravado por Rocha, na Amazônia, entre dezembro de 1965 e janeiro de 1966.

O projeto, intitulado “Amazônya de Glauber Rocha”, foi contemplado pelo Edital Prêmio Manaus de Conexões Culturais 2015, da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), e traz registros inéditos do período em que o cineasta esteve na região.

Segundo o autor, para fazer sua pesquisa, recorreu a diversas fontes como livros, jornais da época, acervos pessoais de Glauber (disponíveis na Cinemateca Brasileira em São Paulo e na Biblioteca Arthur Reis em Manaus), entrevistas com amigos de Glauber Rocha e com pessoas que conviveram com ele em Manaus, entre elas Luiz Maximino de Miranda Corrêa, José Gaspar e Fernando Duarte.
Resultado de imagem para amazonia, amazonia - Rosiel mendonça

“A ideia é reunir o trabalho num livro-reportagem que dê conta do contexto histórico no qual o filme foi realizado, situando essa produção na trajetória pessoal e artística do cineasta”, explicou ressaltando que quanto à linguagem, procurou fazer uma aproximação com o jornalismo literário, com a escrita mais criativa, porém, atenta aos fatos.

O baiano Glauber Rocha foi cineasta, ator e escritor, um dos mais importantes do cinema novo, movimento iniciado na década de 60. “Deus e o Diabo na Terra do Sol” (1963), “Terra em Transe” (1967) e “O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro” (1969), estão entre os três filmes que marcam a carreira do cineasta que morreu aos 42 anos de idade, no Rio de Janeiro.

Rosiel Mendonça é jornalista formado pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam), com especialização em Gestão Cultural e, atua como repórter desde 2012. Já trabalhou com pesquisas ainda na faculdade e atualmente faz mestrado em Sociedade e Cultura na Amazônia, também pela Ufam, com um projeto derivado da pesquisa de “Amazônya de Glauber Rocha”.

“Considero ‘Amazônya de Glauber Rocha’ como a primeira parte dessa obra, ainda inconclusa. A publicação do material consolidado vai acontecer apenas quando eu concluir o mestrado na Ufam, provavelmente em 2018”, finalizou.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!