Construção - Reforma - Manutenção

Construção - Reforma - Manutenção
Clientes encantados é a nossa meta!

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Pelo conjunto da obra, Robert Redford pode ser considerado um "fora de série



O californiano Redford, um dos mais importantes e carismáticos astros de Hollywood, trilhou o mesmo caminho de importantes figuras como Clark Gable, Cary Grant, e abrindo espaço para figuras como Brad Pitt - que atuou sob a tutela de Redford em "Nada é Para Sempre" - e George Clooney"

A reforma é um passo para a morte". Por isso, Robert Redford continua a representar e a realizar. Celebra esta quinta-feira 80 anos de uma vida repleta de êxitos.

“Perseguição Impiedosa”, “Os Três Dias do Condor”, “A Golpada”, “Os Homens do Presidente” e “África Minha” são alguns dos sucessos que levaram Robert Redford a tornar-se um rosto conhecido para muitos amantes do cinema.

O “fora de série” – como lhe chama o presidente da Academia Portuguesa de Cinema (APC), Paulo Trancoso – celebra esta quinta-feira 80 anos de uma vida dedicada ao cinema, que se iniciou em 1960.

Em 1965 recebeu o Globo de Ouro de melhor ator revelação, com “O Estranho Mundo de Daisy Clover”. O êxito do norte-americano não ficou pela representação. Foi como realizador que se consagrou ao receber o Oscar e o Globo de Ouro com “Gente Vulgar” (1980).

Estas foram as grandes conquistas de Redford no estrelato do cinema, mas poderiam ter sido mais. Em 1973 foi nomeado para o Oscar de melhor ator com “A Golpada”. Enquanto realizador, esteve nomeado para os Globos de Ouro em 1992, com “Duas Vidas e o Rio”, 1994 (“Quiz Show – A Verdade dos Bastidores”) e 1998 em “O Encantador de Cavalos”. Em 2002, recebeu um Oscar Honorário, fruto do trabalho desenvolvido no mundo do cinema.

Em 2014, numa entrevista à jornalista norueguesa Kjersti Flaa, adiantou que no início ficou surpreendido e satisfeito pela fama alcançada, mas o preço da mesma começou a colidir com a sua profissão. “Na altura eu considerava-me um ator e estava preocupado com o meu desempenho. A partir de certo momento eu comecei a achar que tinha demasiada atenção e já era um exagero”, disse.

O criador de Sundance
Em 1978, Robert Redford fundou o Sundance Institute, com o objetivo de ajudar novos cineastas. É no seguimento da fundação do instituto que surge o maior festival americano de filmes independentes, Sundance.

“A criação do festival, com o objetivo de tentar mostrar os filmes independentes, é interessante e marcante. Com este festival, o Robert Redford tentou mostrar um novo cinema”, diz o presidente da Academia Portuguesa de Cinema.

Em 2014, quando questionado sobre a possibilidade de se reformar, Robert Redford respondeu: isso “é um passo para a morte”. “Nós estamos sempre a aprender coisas novas, há coisas novas para fazer, e enquanto se pode acho que se deve continuar. A reforma nunca me vem à cabeça, é um retorno perigoso”, disse. Redford reformar-se-á caso seja “forçado a fazê-lo”.

Como prova da sua intenção em manter-se no ativo, o ator não tem estado parado. Em 2013 foi a única personagem em “Até ao Fim” e em 2014 foi Alexander Pierce em “Capitão América: O Soldado de Inverno”.

Admitiu que não foi fácil fazer “Até ao Fim”: “Foi um teste para mim como ator, mas também fisicamente. Eu sabia que podia não conseguir, mas tentei. Fui gravando e fazendo, até que percebi que podia fazer sozinho.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!