segunda-feira, 1 de agosto de 2016

O Diabo Mora Aqui | Filme de terror nacional surpreende e arranca ovação de público e crítica



Quatro jovens decidem passar uma noite em um casarão colonial e acabam envolvidos em uma luta entre forças ancestrais. Eles terão que lutar por suas vidas em uma guerra em que não importa quem vença, eles perdem

Antes de nós, a Catalunha e o México tiveram a oportunidade de serem visitados pelo terror brasileiro O Diabo Mora Aqui, uma modesta produção de R$ 200 mil rodada no interior de São Paulo, que aportou em terras tupiniquins e surpreendeu público e crítica.

Esse thriller nacional que pinga sangue sobre o destino de dois casais jovens em um casarão colonial, traz as figuras do Barão do Mel e um defunto saído da terra sedento de morte, que garantem tensão ao longa-metragem dirigido por Dante Vescio e Rodrigo Gasparini. Mesmo sem tradição no gênero, o filme e, sobretudo a fotografia de Kauê Zilli, vêm arrebanhando elogios de fãs e crítica.

"No Brasil, ou o gênero de terror caminha para algo com cara de 'filme de arte', no qual o medo é abandonado em nome de um estilo, ou ele caminha para algo trash", diz Vescio. "Tentamos fazer algo diferente, entre essas duas vertentes, focado no horror, a partir das referências que temos", finalizou. "A proposta era tentar fazer na tela, no Brasil, aquilo que a gente gosta de ver em matéria de terror", explicou Gasparini.

Ecos do passado escravocrata brasileiro alimentam a porção fantasmagórica de O Diabo Mora Aqui, centrando-se nos rituais para a libertação de um bebê morto ao nascer e no ódio ancestral de um escravo (Sidney Santiago) vítima de humilhações nas mãos do senhor do casarão, encarnado com pelo catarinense Ivo Muller, ator que vem surpreendendo plateias no exterior desde sua aparição em Tabu(2012), do português Miguel Gomes. 

Ao longo de 79 minutos de viradas contínuas, o público que está vendo o filme desde meados do ano passado se depara com uma nova abordagem brasileira para o gênero, mais próxima das referências de nosso folclore regional e das crenças que povoam o imaginário popular.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!