segunda-feira, 13 de junho de 2016

Leilão de aquarelas de Manara retratando Brigitte Bardot chega perto dos 600 mil euros em leilão



592.702 euros (666.748 dólares), foi quanto alcançou um leilão de 25 aquarelas do italiano Milo Manara, mestre dos quadrinhos eróticos, representando Brigitte Bardot quando era jovem, segundo informação dos organizadores, divulgada no último domingo (12)

Entre os 25 quadros, o mais caro (34.100 euros) representa a atriz francesa nua de perfil, sentada, com os joelhos encostados no rosto, informou a casa de leilões parisiense Millon. Esta venda foi realizada em paralelo entre Bruxelas e Paris.

Já se vão quase quatro décadas da última vez que Bardot, 81 anos, autorizou um artista a pintá-la quando o escultor Aslan a havia recriado em um busto como Marianne, figura que representa a República francesa que adorna várias prefeituras e prédios oficiais.

Bardot & Manara

A ideia de juntar Bardot a Manara, famoso pelos desenhos de lânguidas e esguias mulheres, partiu da galeria franco-belga Huberty & Breyne, especializada na exposição e venda de originais de banda desenhada. Um dos seus representantes garantiu que é a primeira vez, desde 1968, que Bardot autoriza um artista a fazer e a comercializar retratos seus. 
Ao todo, foram vendidas ontem, em Bruxelas, 25 aquarelas, entre as quais a heroína de ‘E Deus Criou a Mulher’ (1956), de Roger Vadim, e O Desprezo (1963), de Jean-Luc Godard, fez questão de juntar a assinatura e uma “marca” visual da sua personalidade: o desenho de uma margarida de sete pétalas.
"Desenhador"
Passando longe da unanimidade, alguns detratores de Manara e Bardot torcem o nariz paras estas revelações afinal, a obra do veneziano (que colaborou com Federico Fellini e Hugo Pratt) é detestada nos meios mais exigentes e “modernistas” da banda desenhada (acusam Manara de machista, misógino, oco, em suma, de ser um desenhador que contribui para o aviltamento da arte) e BB há muito que perdeu o respeito da intelligentsia política e artística.

Sem entrar no mérito da questão, devemos assinalar que Le Bardot com a sua trajetória no cinema, marcou a cultura visual dos anos 60 e 70. Palavras de Manara: “Para muitos da minha idade, creio que Brigitte Bardot foi um mito. Antes dela, a mulher ideal era encarnada pela Marilyn Monroe. Bardot veio propor um novo modelo de mulher, livre, selvagem, orgulhosa. [Jean-Claude] Forest [um dos maiores nomes do mundo das artes, inspirou-se nela para criar a Barbarella [que seria, ironicamente, interpretada por Jane Fonda no filme homônimo de Roger Vadim]."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!