sexta-feira, 17 de junho de 2016

Arrependido de polêmicas passadas, Ed Motta lança "Perpetual Gateways", seu novo trabalho e o primeiro gravado fora do Brasil



Ed Motta acaba de lançar aquele que talvez seja seu projeto mais ambicioso: "Perpetual Gateways", um álbum gravado em Los Angeles, com músicos de jazz americanos, é o primeiro álbum do cantor gravado fora do Brasil e combina jazz, soul e rock progressivo

O 12º disco de Ed Motta, Perpetual Gateways, é também o preferido do carioca. Gravado em Los Angeles, ao lado de músicos norte-americanos, o álbum vai do jazz ao soul, passando pelo rock progressivo, com o habitual talento do músico brasileiro.

Primeiro trabalho de Ed Motta após a polêmica em que se envolveu meses atrás, quando criticou o comportamento e o gosto do público brasileiro para música,Perpetual Gateways é também o primeiro disco do cantor gravado fora do Brasil. As 10 faixas são compostas por ele e cantadas em inglês, num clima, diz ele, "menos solar" que o de AOR, de 2013.

Em entrevista por telefone, o músico se diz arrependido pelas declarações fortes, algumas delas agessivas (escrevi muita besteira, me comportei mal"), mas garante que as pazes com o público conterrâneo já foram feitas.

Amante de música como expressão artística, Ed Motta mostra um respeito quase sacro à forma como as composições aparecem em seu trabalho – até por isso, diz que não consegue pensarem um disco com antecedência, deixa as músicas ditarem o ritmo do trabalho. Em Perpetual Gateways, afirma que foi influenciado muito mais por discos que ouviu e livros que leu do que por cidades em que viveu ou acontecimentos externos:

– Para mim, a música é uma o de a um mundo abstrato, um mundo ideal, de paz completa. A maior paz que eu encontro é na música. E eu sempre obedeço ao que as músicas que eu tenho no momento apresentam. Eu moro no Rio, já morei em Nova York e Berlim, mas convivo com pouquíssimas pessoas. Fico em casa, toco, escuto música, vejo filmes, leio, vou a restaurantes, lojas de disco, livraria se meio que acabou. Tenho pouquíssimos amigos, saio muito poucas vezes, então não tenho a influência da vida real na minha música. Minha música parte da audição de discos.

Referencia: zhclicrbs

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!