sexta-feira, 13 de maio de 2016

MPB4 celebra 50 anos no palco com trabalho de músicas inéditas


MPB4 50 anos – o sonho, a vida, a roda viva, o novo álbum composto por 13 canções, é o novo trabalho do MPB4 que será apresentado em SP e presta homenagem a Magro Waghbi

Tem início na noite desta sexta-feira (13) no palco do Sesc Vila Mariana em São Paulo um maratona de três dias de celebração ao legado do MPB4 que, com atraso de um ano, celebra meio século de trajetória irrepreensível. A festividade será ainda mais especial para os fãs. Afinal, além de cantar velhos clássicos, o grupo coloca à prova o repertório de um novo álbum, recém lançado pelo Selo Sesc, composto de 13 canções inéditas e intitulado MPB4 50 anos – o sonho, a vida, a roda viva.

Formado em 1965, por Antônio José Waghabi Filho (o saudoso Magro, morto em 2012, aos 68 anos, em decorrência de câncer), Aquiles Rique Reis, Ruy Alexandre Faria e Milton “Miltinho” Lima dos Santos, o MPB4 é desde que foi apresentado por Elis Regina no programa O Fino da Bossa, naquele mesmo ano, o mais importante grupo vocal masculino de música popular do País.

Herdeiros de uma tradição que vem desde os anos 1930, escrita por grupos como Anjos do Inferno, Namorados da Lua, Os Namorados e Os Cariocas, o MPB4 surgiu em momento transitório para nossa música. Diretamente influenciado pelas vocalizações da bossa moderna de artistas como Os Cariocas e Tamba Trio o grupo, caracterizado pela excelência harmônica e os arranjos de Magro, teve, no entanto, de deixar de lado a temática idílica e romântica das letras das composições de ancestrais estéticos como João Gilberto e Tom Jobim, para aderir à canção de protesto, em uma movimentação que envolveu artistas como Edu Lobo, Marcos Valle e Nara Leão e foi deflagrada pela urgência de combater a ditadura imposta com o golpe civil militar de 1964.

50 anos de chão


MPB4 50 anos – o sonho, a vida, a roda viva, o novo álbum, é composto por 13 canções, de autores como Paulo César Pinheiro, João Bosco, Vitor Ramil, Guinga, Mario Adnet e a dupla Kleiton e Kledir. Na apresentação do projeto o diretor regional do Sesc São Paulo, Danilo Santos Miranda, enaltece a novidade. “O disco é uma vitrine de ritmos, com sonoridades diversas que somente as quatro vozes do MPB4 poderiam nos apresentar. Não é sempre que podemos comemorar os 50 anos de um grupo que faz parte da nossa memória afetiva e musical. Ainda mais quando esta comemoração aponta para novos caminhos.”

Além dos fundadores, Aquiles e Miltinho, o MPB4 atualmente é formado por Dalmo Medeiros, substituto de Ruy, que deixou o grupo em 2004, e Paulo Malaguti “Pauleira”, que ocupa o lugar do maestro Magro.

Reedições

O MPB4 também acaba ter sua discografia reverenciada com a reedição em CD de três grandes álbuns: Dez Anos Depois (1975), Canto dos Homens (1976) e Vira Virou (1980). Vendidos conjuntamente em um box intitulado Três Tons de MPB4, os relançamentos integram série da gravadora Universal que já reeditou em versões remasterizadas e arte gráfica original de álbuns de, entre outros, Fagner, Jorge Mautner e Erasmo Carlos.

A cada nova série da coleção, a Universal convida especialistas para a apresentação dos trabalhos. Desta vez, a tarefa coube ao jornalista, pesquisador e produtor musical paulistano Thiago Marques Luiz, que já desenvolveu projetos para, entre outros, Cauby Peixoto, Ângela Maria, Jane Duboc, Cida Moreira, Célia e Cláudia.

SERVIÇO:

Show MPB4

Sesc Vila Mariana

Rua Pelotas, 141

Sexta-feira e sábado, às 21h. Domingo, às 18h.

Três Tons de MPB4 – Gravadora Universal

MPB4 50 anos – o sonho, a vida, a roda viva – Selo Sesc

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!