quinta-feira, 5 de maio de 2016

Marcando a parceria de Ney Matogrosso com Helena Ignêz, o filme “Ralé” estreia nesta quinta-feira, 05



Transgredir sempre foi a praia de Ney Matogrosso. No início dos anos 70, em plena ditadura militar com todas as suas mordaças, o camaleônico cantor liderou o grupo Secos & Molhados, apresentando-se rebolativo, com o corpo seminu e pintado, quebrando todos os paradigmas da época


Com “Ralé”, Nei faz uma verdadeira apologia à transgressão e mostra que continua o mesmo, mesmo após os 70 anos. Na correria para divulgar o seu novo trabalho, “Atento aos Sinais”, por todo o Brasil, Ney Matogrosso está na estrada há 44 anos e emenda com a estreia do filme “Ralé", que marca sua terceira parceria com a diretora (guerreira) Helena Ignez.

Depois de Luz nas Trevas, a diretora e atriz Helena Ignêz continua a referenciar o cinema marginal em Ralé. A produção funciona como uma homenagem, mas também uma atualização aos novos tempos e linguagens: enquanto resgata a famosa Sônia Silk, cria personagens inéditas como a Exibicionista, com a qual Sônia tem claro parentesco. Ralé é uma viagem no tempo, uma maneira de dizer que o cinema marginal nunca acabou, apenas se reinventou, encontrando outras brechas no sistema.

A cena inicial é uma verdadeira pérola, a melhor de toda a projeção. Uma artista (Djin Sganzerla) pega um rolo de fita isolante preta e começa a aplicá-la diretamente nas bordas da imagem, modificando o enquadramento, criando um novo formato para a tela. A cena não tem pressa em censurá-la: a atriz controla a direção e o tempo do gesto. Este é o personagem-autor por excelência, uma bela metáfora do cinema feito com pouquíssimos recursos, e um símbolo da preocupação metalinguística inerente a este tipo de projeto. 

Anarquismo libertário

Por isso mesmo, o roteiro está repleto de pessoas que contribuíram ao cenário artístico marginal nas últimas décadas: Ney Matogrosso, José Celso Martinez Correa, Mario Bortolotto, além da própria Helena Ignêz. São figuras de exceção, que defendem uma arte anárquica e libertária, amante dos corpos livres, da sexualidade plural, do uso de drogas e outras experiências de contato com a natureza. Em esquetes livremente interconectadas, mulheres reivindicam o direito sobre seus corpos, casais gays se casam, viajantes numa chácara tomam chá ayahuasca.

Na maior parte da projeção, enquanto assume seus excessos narrativos e estéticos, Ralé flui de modo coeso. Trata-se de um filme politizado em sua essência, ainda mais importante às vésperas de um golpe contra a democracia no país. É um símbolo poderoso ter os veteranos das artes ao lado da nova safra de atores e cantores (Djan Sganzerla, Simone Spoladore, Ariclenes Barroso, Dan Nakagawa), como se estivessem passando o bastão para a continuidade na resistência face à homogeneização do cinema comercial.

O filme se perde um pouco rumo quando busca explicar demais suas referências e intenções, tanto nas citações explícitas à obra homônima de Máximo Gorki quanto nos diálogos em que se brinda às ideias libertárias, já suficientemente exploradas pela imagem. Mas o discurso parece tão importante a Helena Ignêz que a diretora deve ter julgado necessário sublinhar a mensagem, como uma bandeira política.

De qualquer maneira, Ralé proporciona uma experiência ousada, uma visão progressista sobre o cinema, a arte e a sociedade de modo geral. É um cinema marginal com orgulho, sem intenção juvenil de chocar, apenas representar um ideal harmônico e alternativo ao sistema vigente.

Referência: Adoro Cinema

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!