domingo, 24 de abril de 2016

Imagens raras do cinejornal Canal 100 vão ser exibidas em documentário da ESPN



Para quem quer conhecer a história do século XX, para quem busca desvendar o segredo dos deuses e das lendas do homem contemporâneo, o cinema é uma das mais importante das fontes de informação e, nesse contexto, sobressai-se a importância dos cinejornais, com destaque para o CANAL 100 que, a partir dos anos 50, criou a legenda do gênero no Brasil

O criador Carlos Niemeyer, começou a fazer cinema nos anos 50, produzindo com Jean Manzon alguns documentários sobre o Rio de Janeiro. Em 1958 fundou sua própria produtora que mais tarde se especializou em cinejornal, surgia o Canal 100 que de 1959 a 1986 produziu um cinejornal por semana, formando um importante acervo cinematográfico dos acontecimentos jornalísticos da época. (aproximadamente setenta mil minutos de imagens).

O nome Canal 100 foi uma analogia à televisão que até recentemente se identificava pelo número do Canal. Canal 13(TV Rio), Canal 6 (TV Tupi), Canal 4 (TV Globo), etc. Canal 100 era na visão de Carlos Niemeyer um número inatingível pela Televisão. Desde 1959 as lentes do CANAL 100 tentam inovar; Seja na simples criação das vinhetas, ou na "mis en scene" da montagem, e principalmente nas filmagens, onde sobressaiu, Francisco Torturra, o melhor cinegrafista de futebol da história dos cinejornais. Tudo sob a supervisão de Carlos Niemeyer.

Trilha sonora

Na parte musical, foram compostas trilhas para cada vinheta do jornal, uma delas com partituras do maestro Tom Jobim. No futebol, após diversas tentativas, descobriu-se o samba de Luis Bandeira, "Na cadencia do Samba" que virou hino e trilha sonora do futebol brasileiro. Criador de um estilo próprio, foi no futebol que a marca do nosso jornal se tornou mais famosa. O perfeito casamento entre o maior esporte do mundo e a síntese de todas as artes, o cinema.

Como dizia Nelson Rodrigues: "Foi a equipe do CANAL 100 que inventou uma nova distância entre o torcedor e o craque, entre o torcedor e o jogo, grandes mitos do nosso futebol, em dimensão miguelangesca, em plena cólera do gol. Suas coxas plásticas, elásticas enchendo a tela. Tudo o que o futebol brasileiro possa ter de lírico, dramático, patético, delirante…" Mas, apesar de todo o sucesso, os tempos mudaram e em 1985 o ministério da Cultura do Governo Figueiredo, apoiado pelos lobistas do cinema americano, inviabilizou a produção, proibindo a propaganda comercial em cine-jornal. Era o fim do futebol do Canal 100 e de um estilo brasileiro de fazer cinema.

Resgate

O acervo do Canal 100 será exibido na ESPN Brasil após o SportsCenter 3.ª edição, na ESPN, a partir das 19h e no ESPN+, a partir das 13h30 do dia seguinte. Vinte ídolos do esporte foram ouvidos para comentar as imagens, gente como Rivellino, Carlos Alberto Torres, Jairzinho, Tostão, Falcão e Zico. Pelé ganhou uma homenagem especial: Reviva a Espera do Milésimo, filme que conta a espera pelo milésimo gol do jogador. Tem ainda Reviva o Fla Flu Épico, sobre a partida de 1963, que reuniu o maior público da história do futebol no Brasil (177 mil pagantes), e Reviva as Feras do Saldanha, sobre o time montado pelo ex-jogador, técnico e jornalista João Saldanha para a Copa de 1970.

Também estão em cena os pilotos Wilson e Emerson Fittipaldi, por meio de imagens antigas e depoimentos sobre circuitos de rua realizados no Rio e em São Paulo. Os documentários foram idealizados por Alexandre Niemeyer, filho do criador do Canal 100, Carlos Niemeyer, e desenvolvidos pela empresa Ovo em Pé. E poderão ser apresentados nos cinemas, precedendo os filmes em cartaz.

Cinemateca Brasileira


O acervo disponível na casa está armazenado em 4 câmaras climatizadas. São 44 mil títulos em rolos de filme, 28 mil títulos em vídeo e 220 mil fotos e mais materiais de áudio, documentos, livros, folhetos etc. Tudo isso está acessível ao público em geral. A Cinemateca conta com o acervo da Atlântida, da Vera Cruz, do Canal 100, os programas jornalísticos da TV Tupi e o os cinejornais brasileiros nas décadas de 1940 e 1950, entre outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!