sexta-feira, 1 de abril de 2016

De 31.03 a 03.04: mostra exibe filmes recentes e premiados da República Dominicana



A relação entre a República Dominicana e o cinema é antiga: foi iniciada em agosto de 1900, na cidade de Puerto Plata, com a primeira exibição cinematográfica dos irmãos Lumière na América Latina
Desde então, o país caribenho vem produzindo excelentes títulos, com presença marcante em festivais internacionais.

NOVO CINEMA DOMINICANO inclui 11 títulos, entre ficções e documentários de curtas e longas-metragens, produzidos a partir de 2014. São filmes como a comédia de humor negro La Gunguna (2015), um sucesso estrondoso de público e crítica na República Dominicana, recordista de indicações ao Prêmio La Silla, outorgado pela Associação Dominicana de Profissionais da Indústria do Cinema, com 23 indicações.
E o documentário Você e Eu, sobre a relação de poder e solidão entre uma patroa e uma empregada, que conquistou prêmios como o Especial do Júri em Cartagena de Índias e o de melhor longa documentário do Nuevo Cine Latinoamericano de La Habana.Agora, o brasiliense terá oportunidade de ver, em primeira mão no Brasil, uma seleção de filmes recentes e premiados, alguns deles constando na lista dos melhores de todos os tempos no país. 
Trata-se da mostra NOVO CINEMA DOMINICANO, uma realização da Embaixada da República Dominicana no Brasil e da Direção Geral do Cinema Dominicano, que acontece no Cine Brasília, de 31 de março a 3 de abril – exibições também no Instituto Cervantes, na tarde e noite do sábado, 2 de abril. O melhor: entrada franca.

A mostra será inaugurada na quinta-feira, dia 31, com Dólares de Areia, escolhido para representar o país no Oscar 2016 e premiado como Melhor filme no Festival do Cairo. O filme é protagonizado por Geraldine Chaplin, que recebeu três premiações como melhor atriz por seu desempenho, nos festivais de Chicago, Havana e Nashville. Mas há ainda o juvenil Algum Lugar, indicado como melhor filme pelo público dos festivais de Miami e San Diego, que mostra um retrato contemporâneo da sociedade dominicana através da história de três adolescentes que percorrem o país; a comédia De Pez em Cuando, considerada uma obra-prima de Francisco Valdez, premiada em festivais tão diversos quanto Costa Rica e Romênia; e o pungente documentário Branco, que marca a estreia do cineasta Melvin Durán, premiado como melhor filme no Festival de Cine Documental de República Dominicano y el Caribe, e que apresenta a vida de seis pessoas albinas habitantes de Constanza, a cidade mais alta do país.

CINEMA DOMINICANO – A produção cinematográfica da República Dominicana foi intensificada a partir de 2000, com a criação de mecanismos de incentivo. Hoje, é um dos instrumentos mais férteis de divulgação do país e importante veículo de construção da identidade cultural do povo dominicano. O cinema da ilha – que integra o arquipélago das Grandes Antilhas, no Caribe -, é caracterizado por ser independente e tratar com frequência de temas sociais. Embora o país tenha pouco mais 48.400 quilômetros quadrados e 10 milhões de habitantes, o ambiente cinematográfico conta com oito grandes festivais. São eventos como o Cine Global Dominicano, a Mostra Internacional de Cine de Santo Domingo, o Festival Internacional de Cine de Fine Arts e o Festival Internacional de Cine Independente de Santiago.
PROGRAMAÇÃO
CINE BRASÍLIA

31/03 (Quinta-Feira) – Abertura
20h30 – Dólares de Areia (Dólares de Arena), de Laura Amelia Gusmán e Israel Cárdenas
(Drama/República Dominicana/México/Argentina/85min/2014) ( Sessão aberta ao público)

01/04 (Sexta-Feira)
19h – Você e Eu (Tu y Yo), de Natalia Cabral (doc/comédia/drama/R. Dominicana/85min/2014)
Curtas: Tetos Quebrados (Techos Rotos) (17min), de Yanillys Péres, e Colheita(Cosecha) (6’50”), de Wendy Espinal
21h – Branco (Blanco), de Melvin Durán (Doc/Biografia/R. Dominicana/62min/2014)
Curta: Tetos Quebrados (Techos Rotos) (17min), de Yanillys Peres

02/04 (Sábado)
17h20 – Sob as Tendas (Bajo las Carpas), de Johanné Gómez (Doc/R. Dominicana/52min/2014)
Curta: Colheita (Cosecha) (6’50”), de Wendy Espinal
19h00 – De Pez en Cuando, de Francisco Valdez (comédia/R. dominicana/80min/2014)
Curta: Rollout (10min), de Andrés Farías

03/04 (Domingo)
17h20 – Algum Lugar (Algún Lugar), de Guillermo Zouain (aventura/drama/72’/2015)
Curta: Sexta Santa (Viernes Santo) (16min), de Carlos Reyes
19h00 – La Gunguna, de Ernesto Alemany (ação/comédia/crime/87min/2015)
Curta: Sexta Santa (Viernes Santo) (16min), de Carlos Reyes
INSTITUTO CERVANTES

02/04 (Sábado)
16h30 – Curtas: Tetos Quebrados (Techos Rotos) (17min), de Yanillys Peres, eColheita (Cosecha) (6’50), de Wendy Espinal

17h – Branco (Blanco), de Melvin Durán (Doc/Biografia/R. Dominicana/62min/2014)

18h – De Pez en Cuando, de Francisco Valdez (comédia/R. dominicana/80min/2014)

20h – Dólares de Areia (Dólares de Arena), de Laura Amelia Gusmán e Israel Cárdenas
(Drama/República Dominicana/México/Argentina/85min/2014)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!