Construção - Reforma - Manutenção

Construção - Reforma - Manutenção
Clientes encantados é a nossa meta!

domingo, 28 de fevereiro de 2016

Huni Kuin: os caminhos da jiboia | Em lugar de armas, monstros e inimigos armados, o novo jogo terá índios, flechas, bichos e elementos visíveis da Floresta Amazônica



Há tempos o vídeo game vem conquistando seu lugar entre as linguagens artísticas e, no Brasil, o setor cresce rapidamente, representando o quinto maior mercado consumidor do mundo

Os jogos eletrônicos vêm demonstrando também grande potencial de comunicação e de transformação social. Exemplo disso é o jogo Huni Kuin: os caminhos da jibóia, criado em conjunto por pesquisadores paulistanos e por Kaxinawás do Baixo Rio Jordão, no Acre, o game conta a história de jovens indígenas em sua jornada espiritual para se tornarem “gente verdadeira”, enfrentando desafios e adquirindo conhecimentos e habilidades.

A partir de abril, fãs de vídeo game poderão conhecer um jogo bem diferente dos convencionais e genuinamente brasileiro. Em vez de armas de fogo, serão índios e flechas. No lugar dos monstros e inimigos armados, jibóias, antas, pacas e outros elementos visíveis e invisíveis da Floresta Amazônica.

O projeto foi elaborado por antropólogos, programadores visuais e integrantes do povo Kaxinawá - ou huni kuin, como eles se autodenominam, e que significa “pessoa verdadeira”. O som de tiros e músicas eletrônicas, comuns na maioria dos jogos, é substituído pelos da mata e dos cantos dos povos da floresta.

Os heróis do game 'Huni Kuin: os Caminhos da Jiboia' tem como protagonistas dois irmãos gêmeos: um caçador e uma artesã. Concebidos pela jiboia Yube em sonhos, eles herdam poderes especiais. Se conseguirem vencer todos os obstáculos, o jovem se tornará pajé e a moça, mestra dos desenhos. O jogador ainda tem a oportunidade de ouvir o idioma hatxã kuin.

Estréia em comunidades indígenas


O Caminho da Jiboia será lançado primeiro nas comunidades indígenas que participaram do projeto, na primeira semana de abril. O lançamento mundial ocorrerá logo depois pela internet, quando poderá ser baixado gratuitamente.

A equipe de produção sonha com a adaptação do jogo para o celular no futuro. “Estamos sem recursos, mas estamos buscando com os parceiros acadêmicos”, adiantou. Ele não descartou a ferramenta do Crowdfunding, como recurso.

Segundo o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010, o país tem mais de 7,5 mil integrantes dos Kaxinawá. Destes, mais de 3 mil estão no Acre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!