Construção - Reforma - Manutenção

Construção - Reforma - Manutenção
Clientes encantados é a nossa meta!

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Histórias que resumem as minhas andanças pelo interior da Bahia

Depois de 32 anos trabalhando na mesma empresa e ter passado por uma dúzia de praças diferentes, sobram histórias para contar. Umas tristes, outras prosaicas, outras tantas hilárias, mas todas bastante interessantes


A partir de hoje, publicaremos algumas delas aqui no Artecultural alguns desses casos, todos eles absolutamente verídicos, ainda que alguns deles pareçam inverossímeis.

Dona Beija Ou Dona Lunga?

O ano é 2007 e a cidade é a belíssima Paulo Afonso. A personagem de hoje, a qual vamos chamar de Dona Beija, é proprietária de uma loja de autopeças e bastante conhecida na cidade pela pouca paciência.

Sábado, por volta das 16:30 h, todas as casas do ramo fechadas, mas Dona Beija lá está na porta da loja em sua confortável cadeira de balanço. Chega um freguês, - cliente é coisa para bancos e lojas chiques, lá era freguês mesmo, - e indaga: “Dona Beija, tem pastilhas de freio do Corsa 1995?” Ela levanta, pega o material solicitado e põe no balcão. “Quanto é?” R$ 45,00. “Oxe Dona Beija, lá em Didi é R$ 35,00...”. Ela recolhe as peças, guarda na prateleira e diz: “Então vá comprar lá...”, voltando impassível para a sua cadeira de balanço.

“Dona Beija, mas lá já fechou e meu carro ta oficina aguardando as pastilhas, vou pagar os R$ 45,00...” 'Nem por R$ 100,00 eu lhe vendo mais; espere Didi abrir a loja na segunda-feira'. E não adiantou choro nem esperneio, pois o freguês teve que consertar o carro no próximo dia útil.

Em outra oportunidade, chega outro freguês e pergunta para a atendente: “Tem a borracha do para brisa da Parati 1984?” a menina dá uma olhada rápida na prateleira e responde negativamente. Dona Beija deixa o freguês sair, levanta-se, vai até um outro compartimento da loja, apanha a peça e diz para a funcionária: “Aqui está a peça que o freguês pediu. Ela é sua, no final do mês descontarei do seu salário, para você aprender a procurar direito...”

Essa é a Dona Beija, ainda lúcida e no batente atendendo os seus fregueses na Capital da Energia!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!