Construção - Reforma - Manutenção

Construção - Reforma - Manutenção
Clientes encantados é a nossa meta!

sábado, 13 de fevereiro de 2016

'A garota dinamarquesa' retrata a saga de uma personagem transexual em plena década de 20



Desde a divulgação da primeira foto de Eddie Redmayne travestido em sua personagem de A Garota Dinamarquesa, os cinéfilos fervorosamente apontavam uma nova indicação para o jovem vencedor do Oscar passado (por A Teoria de Tudo)

Alguns ainda apontavam que o ator recebeu o prêmio pelo filme errado, de forma precoce. Não deixa de ser um fenômeno o fato de como uma foto pode nos dizer tanto sobre um filme. Uma simples imagem.

Em A Garota Dinamarquesa, Eddie Redmayne interpreta alguém que não se vê no corpo de um homem. Ok, ele é Einar Wegener, um pintor dinamarquês, casado, de relativo sucesso. Mas quer assumir sua identidade feminina. E o novo filme do mesmo Hopper reforça o tempo inteiro que esse cara... quer ser uma menina.

Cá, assim como lá, a nova produção do diretor britânico sofre do mesmo problema, o "monotema", como se não houvesse outras nuances na condição humana. Então, basta que Einar se depare com uma peça do vestuário feminino para que o cineasta dedique uma boa parte das duas horas de projeção para focar, no detalhe, o toque dos dedos do personagem no tecido delicado. É um caminho óbvio que diminui o impacto da obra.

Por outro lado, o trabalho do ator – do andar feminino à fala que dispensa a apelação do falsete – confere ao filme a sutileza que falta no roteiro de Lucinda Coxon e na direção. Em um curto espaço de tempo, Redmayne interpretou papéis marcantes, para o bem (A Teoria de Tudo, que lhe rendeu o Oscar) ou para o mal (O Destino de Júpiter, que quase lhe tirou a estatueta). Mas os varre para o fundo da memória do espectador com essa performance estonteante.

Casado com a também pintora Gerda (Alicia Vikander, em um registro apenas protocolar), Einar Mogens Wegener foi a primeira pessoa a se submeter a uma cirurgia de mudança de gênero no mundo e se tornou (se permitiu a ser) Lili Elbe. Isso na década de 1920.

Nuances de Hooper

Com duas notas, maestro, é possível perceber o tom do que vem por aí. Os primeiros acordes do piano melódico que introduz os créditos de abertura do filme já indicam que vem aí um melodrama daqueles. Como de costume na filmografia de Hooper, a trilha é mais do que excessiva, como se o espectador não tivesse as ferramentas para decidir sozinho em que momento deve rir ou chorar. E, no fim das contas, não têm mesmo. Hooper subestima a inteligência de seu público.

Tem o clichê do passeio com o cachorrinho no parque para mostrar que o casal é feliz junto, no início do filme; tem cena de choro na chuva, lá pela metade, para indicar que nem tudo vai bem no reino da Dinamarca. Cada plano é bonito demais, com certeza, mas verossímil de menos. Um cinema asséptico.

No entanto, ainda em comparação (tratam-se duas cinebiografias “oscarizáveis” comandadas pelo mesmo diretor),The Danish Girl (no original) é um trabalho um pouco mais arriscado do que The King Speech. Isso pela falta de pudor nas cenas de nudez, afinal, estamos falando de um time "a-list" na Hollywood de hoje em dia. E com Eddie Redmayne.
Referência: adoro cinema

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!