sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Com seus 85 mil quilômetros quadrados englobando cerca de 80 municípios o Vale do Jequitinhonha é uma ótima opção turistica



Está a fim de sair do binômio sol & mar? Que tal um turismo diferente? Estamos falando do Vale do Jequitinhonha, uma das doze regiões do estado de Minas Gerais, conhecido por muitas de suas belezas naturais e também por seu um ponto para estudantes e admiradores da beleza do cerrado

O Vale do Jequitinhonha (uma área de 85 mil quilômetros quadrados que engloba cerca de 80 municípios em torno do rio) produz um dos mais elaborados artesanatos do país, feito de cerâmica. Lá no Vale do Jequitinhonha você encontrará atividades tranquilas, como passear pelas praças, conhecer alguns pontos turísticos, entender mais sobre a história de Minas Gerais e até conhecer pessoas de bem e receptivas. 
Quando considerada a divisão pelas 5 grandes regiões, esta se encontra no Sudeste, limitando-se com a Bahia, já na região nordeste.

O vale é uma mesorregião que agrega cerca de 600 mil pessoas e tem como um dos seus destaques a gastronomia, ressaltando-se comidas típicas como o angu, o frango com quiabo e o frango com pequi. O destino é mais indicado para pessoas que adoram regiões mais calmas. Se você está saindo de férias e adoraria esquecer um pouco a vida corrida e o estresse do dia a dia, viaje até o Vale do Jequitinhonha.

Pontos turísticos de Diamantina até a chegada ao Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, o roteiro inclui transporte a partir de Belo Horizonte, hospedagem em receptivos familiares de artesãs, alimentação orgânica e típica, oficinas de tratamento do barro, modelagem, oleio, pintura e queima. A região, que inicialmente pertenceu à Bahia (até o final do século XVIII), foi incorporada ao estado de Minas Gerais, após a descoberta de diamantes no tijuco (região de Diamantina).


Onde se hospedar
Na hora de hospedar, certamente você encontrará lugares aconchegantes, com camas e colchões bastante confortáveis, TV, rádio e até sinal de internet. Contudo, as pousadas geralmente não são finas e elegantes. São voltadas a simplicidade e ao conforto, mas não deixam de ser lindas. O café da manhã é repleto de delícias mineiras e a programação para a noite é cheia de música ao vivo, com artistas da própria região. O destino é mais indicado para pessoas que adoram regiões mais calmas. o ecoturismo tem um potencial muito grande na região. O forte são esportes de aventura como escalada, tracking (caminhadas por trilhas) e o passeio off-road.

Apesar de ser bastante parecido com o sertão, o Vale do Jequitinhonha tem muitos traços da cultura goiana. O uso de ingredientes como o carne de sol, manteiga de garrafa e até a farinha de mandioca são comuns. Há muitos anos atrás, a história conta que a região era habitada somente por índios e esses viviam entre as matas da floresta. O Vale do Jequitinhonha é cercado por toda a cultura indígena nordestina e tem traços muito parecidos com o sertão brasileiro.

Outro desafio é preparar a estrutura necessária para receber os visitantes, a estratégia do turismo solidário atuaria na capacitação dos moradores para atender com qualidade, oferecendo um café da manhã, almoço, hospedagem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!