quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

"A essência do ser humano não é cavar abismos e sim construir pontes"





Uma questão filosófica e de reflexão pessoal: na nossa existência, nos construímos mais pontes ou cavamos mais abismos? Diante dos percalços da vida, somos confrontados inúmeras vezes com abismos que assustam na maioria das vezes e, para suplantá-los, é necessários que desenvolvamos a capacidade de construir pontes


Inicialmente, reconhecer que somos falhos e erramos uns com os outros. Precisamos ser vigilantes para não sermos pedra de tropeço para o próximo. Porém, o fato de errarmos uns com os outros não anula o fato de que somos seres humanos e. dessa forma, sujeito às falhas inerentes a essa condição.
Pela própria essência dos ser humano, somos construtores de pontes, não cavadores de abismos. Somos ministros da reconciliação, não promotores de contendas. Somos pacificadores, não geradores de intrigas. A missão do ser humano é de aproximação das pessoas e não de afastamento delas, mas para que isso aconteça na prática, precisamos tomar algumas medidas.

Em seguida, reconhecer que o caminho da compreensão e do perdão é a única forma de construir pontes em vez de cavar abismos. Demonstra-se maturidade espiritual quando reconhece-se o erro e tem disposição para repará-lo. Ferir uns aos outros ou guardar mágoas produz doença emocional e desavença relacional. É tempo de construirmos pontes em vez de cavarmos abismos em nossos relacionamentos dentro da nossa família e da sociedade na qual vivemos.

Ponte nos relacionamentos

Os relacionamentos adoecem na família, na sociedade e no trabalho. Pessoas que andaram juntas e comungaram dos mesmos sentimentos e ideais, afastam-se. Cônjuges que fizeram votos de amor no altar, ferem um ao outro com palavras duras. Amigos que celebravam juntos as venturas da vida, distanciam-se. Parentes que degustavam as finas iguarias no banquete da fraternidade, recuam amargurados. Colegas que lutavam juntos e irmanados em busca de um objetivo, apartam-se por motivos fúteis e acabam por cavar abismos ao invés de construir pontes.

Como podemos restaurar esses relacionamentos quebrados? Como podemos despojar-nos da mágoa que nos atormenta? Como podemos buscar o caminho do perdão e construir pontes em vez de cavarmos abismos?

É o que todos nós devemos meditar e refletir sobre o que estamos fazendo nas nossas vidas. Não nascemos para cavar abismos e sim para construir sólidas e duradouras pontes!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!