terça-feira, 17 de novembro de 2015

Luiz Pié se supera com 'Memória Afetiva', produzido por ninguém menos que Roberto Menescal e Milton Nascimento



 O cenário: Poá, Grande São Paulo, 1995. O milagre: chega ao orfanato em uma caixa de papelão. Uma família dos Estados Unidos enviava para o menino Pelezinho – 8 anos, sem pai nem mãe desde os 3, morador da casa Áustria do complexo Aldeias SOS – uma vitrola e 26 LPs. Ele, os oito irmãos do destino e a mãe social que viviam na mesma moradia estranharam, mas o garoto saiu dali para ganhar o Brasil

Nenhuma novidade: Luiz Pié é mais uma das grandes revelações feitas pelo "mestre" Roberto Menescal que teve sob sua batuta nomes como a pernambucana de Garanhuns, Andrea Amorim, grande sucesso que mereceu até um CD com o seu mestre, "Alma de Bossa Nova".

Luiz Fernando Gonçalves Martins, hoje mais conhecido como Luiz Pié foi uma criança que morou em Poá, em São Paulo. Hoje, com 26 anos, seu sonho se torna realidade, cantor de MPB ganha o mundo com sua bela voz. Já percorreu Indonésia, Cingapura e França fazendo show, sem contar o sucesso que faz aqui no Brasil.

A sua história começou com oito anos na Aldeias Infantis e foi até os dezessete. Segundo ele, foram nove anos dos quais ele viveu muitos momentos de infância feliz, jogou futebol com os amigos, escutou música na praça e também teve oportunidade de ter mães sociais que ele lembra com muito carinho e saudade. Além do amor maternal, ele também teve a amizade de oito irmãos, que até hoje mantém contato. “É uma história linda, tenho orgulho de ter sido da Aldeias!” afirma Luiz.

Pié ainda não pisou em palcos estrelados como o Carnegie Hall, o Blue Note ou no Bourbon Street, mas esse guerreiro merece estar em todas elas - e no mundo todo. Poderia ser por vários trabalhos, mas pode ser por sua interpretação em "Emílio não morreu", no encerramento do Circuito Carioca de Bossa Nova, em uma justa homenagem ao cantor Emilio Santiago, que também foi uma das revelações de Roberto Menescal.

Luiz Pié estudou música popular e teve uma passagem pela bossa nova para criar um jeito novo e diferenciado de cantar. Com influências diversas da bossa ao samba, passando pela MPB, Pié garimpou pérolas de novos e antigos compositores. Com sua voz de timbre privilegiado e seu estilo jovem e carismático de cantar, cria novas roupagens para antigos sucessos e interpretação vigorosas para a musicas inéditas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!