Construção - Reforma - Manutenção

Construção - Reforma - Manutenção
Clientes encantados é a nossa meta!

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Um marco das relações internacionais, a reunificação da Alemanha comemora 25 anos



A Alemanha unificada organizou uma série de eventos no último sábado, em cidades como Berlim e Frankfurt, onde chefes de Estado e de governo se reuniram para comemorar os 25 anos da reunificação da Alemanha, no seguimento da queda do muro de Berlim e do desmoronamento do mundo comunista do Leste Europeu

Foi a 3 de outubro de 1990, que as duas Alemanhas, separadas por dois regimes políticos opostos, o mundo comunista e o mundo livre, se reunificaram, com a queda do Muro de Berlim.A Alemanha comemorou no último sábado, 3 de outubro, os seus 25 anos de reunificação, logo a seguir à queda do Muro de Berlim, que separava a ex-RDA comunista da RFA, estado de direito democrático e de economia de mercado. Vinte e cinco anos depois a Alemanha unificada, é a grande potência europeia, com mais de 81 milhões de habitantes e uma economia pujante.

Esta unificação é recordada, nos dias de hoje, como um momento de "lágrimas de alegria e tem-se a impressão que tudo é possível", declarou o Presidente da república da Alemanha, Joachim Gauck, em Frankfurt do Meno, capital financeira, que recebeu as cerimônias oficiais destes 25 anos.

A maioria dos alemães considera que a reunificação que aconteceu, menos de 1 ano depois da queda do Muro de Berlim, em 1989, foi um sucesso, mesmo se continua a haver certas diferenças, mesmo ao nível de mentalidades.

Por exemplo, na antiga RDA comunista, ainda há um bom número de alemães, que não interiorizou os mecanismos de vivência num Estado de direito com instituições livres e democráticas, tanto mais que o desemprego continua a ser mais elevado do que na parte ocidental do país, habituada a viver na liberdade.

Por outro lado, nos Estados federados (os chamados Länder) da parte oriental da antiga RDA, os alemães, são menos generosos, do que os alemães do lado ocidental, no acolhimento dos refugiados, que têm chegado à Alemanha, idos das zonas de guerra da Síria, Iraque ou da Líbia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!