domingo, 18 de outubro de 2015

Para mostrar uma época bestial da humanidade, vários museus da Europa mostram instrumentos de tortura


Torture Museum

O horror da prática de tortura é relembrado em diversos museus espalhados pelo mundo (principalmente na Europa) como a alertar o a sociedade contemporânea sobre uma época que o homem racionava como uma autêntica besta

Os Museus da Tortura e execução são lugares mórbidos e sombrios, que mostram a crueldade de uma época cuja justiça é questionada. Entre os executados destacavam-se ladrões, adúlteros e principalmente acusados de bruxarias.

Um dos mais expressivos exemplos é O Torture Museum, localizado em Amsterdam e dedicado à exibição de mais de 100 instrumentos usados para tortura, principalmente durante a era medieval. Ele possui imagens, desenhos e instrumentos reais de tortura que já foram usados pela humanidade. É grande o número de pessoas que se interessam pelos valores e costumes em voga na Idade Média e cada um avalia se vale a pena o investimento para entrar no Torture Museum. Abaixo, algumas avaliações sobre a visita ao museu.

Como Chegar

O Torture Museum fica na Singel 449 em Amsterdam. Se você está no centro da cidade, pegue os bondes (trams) 1, 2 ou 5 e desça na parada Koningsplein ou ainda os bondes (trams) 4, 9, 16, 24 ou 25 e desça na parada Munt. Se você está na região da Leidseplein, dá tranquilamente para ir andando e leva cerca de 10 minutos para chegar até o local.

Como Visitar

O Torture Museum é um museu que não possui guia e a duração da visita depende do tempo que você quiser ler todas as informações disponíveis. Você entra e percorre um caminho pré-determinado, lendo as informações, vendo as figuras e os instrumentos de tortura. Um percurso básico pode ser feito em 30 minutos, um tempo relativamente longo pelo tamanho que o museu possui.

O ingresso pode ser comprado diretamente na bilheteria local e, normalmente, não se enfrenta fila para entrar no museu.

Roteiro de visita


O Torture Museum não possui uma sequência lógica para visitação: você vai andando pelo caminho e observando os instrumentos de tortura e as informações sobre cada um deles. Relacionamos abaixo os instrumentos mais famosos de tortura que estão expostos:
Cadeira Inquisitória Cadeira Inquisitória: a cadeira inquisitória era instrumento essencial em interrogatórios na Europa Central. O réu sentava-se nu e era amarrado apenas pelos punhos. As costas, os braços, as pernas e os pés da vítima eram penetrados pelos espinhos colocados no assento que eram apertados com cintos de couro para pressionar cada vez mais a vitima. O peso do corpo da vítima fazia o próprio trabalho de tortura, sendo que os espinhos penetravam em todo o seu corpo.


Essa peça foi usada na Alemanha até o seculo XIX, na Itália e na Espanha até o final de 1700 e na França e outros países europeus, de acordo com pesquisas realizadas, até o final de 1800.
O Despertador Despertador: o despertador foi um dos instrumentos de tortura mais cruéis já inventados. Era uma espécie de cavalete de madeira com um vértice pontiagudo onde os condenados eram suspensos até certa altura e depois lançados sobre o despertador.

 
Virgem de NurembergVirgem de Nuremberg: a Virgem de Nuremberg consiste em um instrumento de tortura oco com o tamanho e forma de uma mulher. As lâminas eram dispostas de uma maneira que as partes letais do condenado não eram afetadas, deixando com que ele morresse lentamente.
 Guilhotina: a guilhotina foi inventada pelo médico Joseph-Ignace Guillotin (homenagem macabra) e consistia em uma grande armação reta na qual uma lâmina pesada era suspensa. Durante a Revolução Francesa, uma assembléia sancionou uma lei pela qual todas as pessoas condenadas à morte teriam a cabeça cortada. A partir do ano seguinte, a guilhotina passou a ser usada como instrumento para aplicação de pena de morte.

Mesmo apresentando uma temática obscura, e talvez a intenção seja exatamente essa, muitos acreditam que o museu poderia ser mais iluminado e ter mais informações disponíveis sobre cada um dos objetos mostrados. Além disso, os funcionários que vendem os bilhetes não costumam ser educados e não tampouco fornecem informações precisas sobre o museu e peças expostas. 

Se você é daquelas pessoas que não costumam se impressionar facilmente, vale a pena visitar durante a noite já que ele fica aberto até às 23h, não atrapalhando os seus planos de visita nas atrações diurnas da cidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!