Construção - Reforma - Manutenção

Construção - Reforma - Manutenção
Clientes encantados é a nossa meta!

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Irena Sendler: o anjo polonês que salvou 2500 crianças da sanha assassina nazista





Grande parte das pessoas nunca ouviu falar de Irena Sendler, uma polonesa que trabalhava como assistente social e salvou 2500 crianças judias do regime nazista, quando trabalhava como encanadora e as escondia no fundo de sua caixa de ferramentas, ou em sacos de lixo

Durante a segunda guerra, Irena conseguiu permissão para entrar no Gueto de Varsóvia sob o pretexto de fazer a limpeza em esgotos. Na saída, ela escondia crianças em sua caixa de ferramentas e sacos lixo, levando-as para lares temporários e escondendo sua origem judia. Para lembrar-se do nome real das crianças, Irena anotava os dados em um pedaço de papel e colocava em uma jarra, que foi enterrada no quintal.

Uma das memórias mais vivas para a heroína era o choro das crianças e dos pais ao serem separados. Perguntada sobre o motivo de submeter-se ao risco, ela contou que sempre lembrava do conselho do pai, que perdera aos 7 anos de idade: “Se você se deparar com uma pessoa se afogando, tente resgatá-la, ainda que não esteja certa de saber nadar. Faça alguma coisa, não assista o outro morrer sem tentar ajudar”.
Unida ao Zegota, um grupo de resistência ao Nazismo, ela recebia deles os nomes das casas para onde podia levar as crianças resgatadas.

Em um dado momento Irena foi descoberta, presa, torturada e ainda pernas e braços quebrados. Apanhava quase todos os dias, mas nunca entregou os nomes dos envolvidos. Ela disse encontrar força na coragem dos pais das crianças que ajudou, no choro da separação, no sacrifício. Depois de 3 meses na prisão, foi sentenciada à morte. No dia da execução, um guarda a deixou escapar. Ele havia recebido dinheiro da resistência para salvar a vida de Irena.

Quando a guerra terminou, Irena desenterrou a jarra com os 2500 nomes e saiu em busca de reunir as famílias. Infelizmente a maior parte estava órfã.

Até bem pouco tempo essa história era desconhecida, até que em 1999 um grupo de alunos norte-americanos resolveu pesquisar a vida de Irena para um trabalho de conclusão de curso. Chegaram ao nome da heroína através de uma nota no jornal, e em seguida descobriram que Irena estava viva, em Varsóvia.

Em 2007 essa grande mulher foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz mas, ironicamente, quem ganhou foi o Al Gore, por seu power-point sobre mudanças climáticas...

Irena morreu em 12 de maio de 2008, mas seu trabalho ganhou continuidade em uma organização que se chama Life in a Jar (vida em uma jarra).

Que seu nome permaneça em nossa memória como um canto de esperança. O mundo diz em uníssono: “Obrigada, Irena Sendler!”

2 comentários:

  1. Simplesmente fantástica essa história, não conhecia essa história.
    Obrigado e parabéns ao Arte Cultural.

    ResponderExcluir
  2. Apesar de ter descendência polonesa, não aprendi o idioma em casa. Por isso tenho me dedicado a prender pela internet. Porém decidi que meu filho vai crescer sabendo e contratei pra ele aulas de polonês por skype. Apensar de as aulas serem pra criança, como são online, sento e aprendo junto com ele. Para quem tiver interesse, contratamos da escola Preply https://preply.com/pt/skype/professores-polones-para-criancas.

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!