segunda-feira, 6 de julho de 2015

Prestes a completar quatro décadas, “Os Intocáveis” ainda é lembrado como um grande filme, com atuações brilhantes de Sean Connery e Robert de Niro

Final de noite do domingo e eu em busca de uma opção que não fossem as incontáveis resenhas de futebol que povoam os canais fechados, foi quando estava começando “Os Intocáveis”, filme de Brian de Palma, rodado em 1987

A história se passa na Chicago dos anos 30, onde o jovem agente federal Eliot Ness (Kevin Costner) tenta acabar com o reinado de terror e corrupção instaurado pelo gângster Al Capone (Robert De Niro). Para isso, ele recruta um pequeno time de corajosos e incorruptíveis homens e conta com a ajuda do experiente policial Jim Malone (Sean Connery).

Ver esse filme quase três décadas depois da estréia, me fez vibrar com algumas cenas memoráveis, entre as quais a sequência onde um carrinho desse uma escadaria com um bebê dentro e, quando está prestes a se espatifar no final da escada, eis que o personagem de Andy Garcia, - na trama, um exímio atirador, - deita-se no chão, escora o carrinho de bebê com um pé ao tempo em que mira na testa de um dos bandidos e faz um tiro mais que certeiro. Mesmo já tendo visto a cena mais de uma dezena de vezes, fiquei admirado como se fosse a primeira.

Lembrando o Velho Oeste

Em mais uma tomada curiosa do filme, dentro de um urbaníssimo cenário, surge um agente da lei em uma época em que já haviam desaparecido o Velho Oeste e todos os seus bandidos e seus agentes da lei. A seqüência de Eliot Ness e seus três companheiros intocáveis montados a cavalo começa com uma panorâmica de um despenhadeiro, os vultos dos cavaleiros recortados contra o céu, numa cena que evoca de imediato outro grande mestre do cinema, John Ford, e seus clássicos westerns que tanto sucesso fizeram mundo afora.

Uma curiosidade sobre “Os Intocáveis”: para viver o personagem Al Capone, - conhecido pelos quilos a mais que acumulava, - o ator Robert de Niro teve que engordar mais de 10 quilos e ficar com a silhueta rechonchuda de um dos maiores criminosos da história americana.

Como a premiar o melhor ator do filme e um dos mais respeitados da história do cinema, Sean Connery levou o Oscar e o Globo de Ouro como melhor ator coadjuvante. “Os Intocáveis” foi um sucesso de indicações ao Oscar no ano seguinte e ainda ganhou o Bafta como melhor trilha sonora e o prêmio César na categoria de melhor filme estrangeiro.

Euriques Carneiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!