domingo, 28 de junho de 2015

Turismo náutico por ilhas da costa é opção de passeio na Bahia pouco exploradas até pelos nativos

As águas calmas da Baía de Todos os Santos, aliadas às belezas naturais e o patrimônio histórico, cultural e arquitetônico da região, fazem da Bahia um dos destinos mais prazerosos para a prática de turismo náutico

As águas mornas da maior baía tropical do Atlântico e os ventos constantes se estendem por mais de mil quilômetros quadrados, na Bahia. A zona turística abrange Salvador e 17 municípios do Recôncavo e região metropolitana e recebe milhares de visitantes por ano.
Embora ainda pouco explorada, até mesmo pelos moradores, a Baía de Todos os Santos conta com 56 ilhas, dentre as quais se destacam Itaparica, ilha de Maré, ilha dos Frades, Salinas da Margarida e ilha de Cajaíba, além da própria cidade de Salvador, que tem o seu lado sul completamente cercado pelo mar.

As águas mornas da maior baía tropical do Atlântico e os ventos constantes representam um importante atrativo e se estendem por mais de mil quilômetros quadrados. Entre os visitantes, destaque para os europeus, que esquecem a distância e os longos dias de viagem, e chegam aos mares baianos a bordo de embarcações modernas e também de pequenos veleiros.

Regatas

A maioria dos turistas náuticos que visita o estado chega através das regatas que têm como ponto de partida as cidades européias e como linha de chegada a região. Entre as principais competições que tiveram a capital baiana como destino final estão as regatas internacionais Transat 6.5, Jaques Vabre e Cape to Bahia.

Entre os eventos de caráter nacional e regional estão as regatas Aratu/Maragojipe e João das Botas. Essa última reúne apenas embarcações como os saveiros de pelo menos 200 anos de idade (numa arte característica do recôncavo baiano passada de pai para filho).

Quem chega à Bahia em barco próprio tem diversas opções de visitação. No entanto, as marinas mais bem estruturadas para a acomodação das embarcações estão situadas em Salvador e em Itaparica.

Na capital baiana, os principais pontos de atracação são o Terminal Náutico, no bairro do Comércio, a Bahia Marina, na Avenida Contorno e a Marina da Penha, na Península de Itapagipe. No total, são 1462 vagas secas e 1099 vagas molhadas para a acomodação dos barcos. Além das marinas, há nove atracadouros e 12 terminais hidroviários.

Para quem não tem embarcação, um passeio de escuna custa em média R$ 35. Para garantir a viagem, é preciso fazer a reserva no Terminal Náutico, que fica em frente ao Elevador Lacerda e ao Mercado Modelo. O passeio inclui uma viagem pela principal enseada da baía de Todos os Santos e duas paradas: a ilha dos Frades e a Ponta de Nossa Senhora.

Cartões-postais do estado


Presente nas obras e terra natal do escritor baiano João Ubaldo Ribeiro, a ilha de Itaparica é um dos cartões-postais da Bahia. Dividida entre o município que leva o seu nome e a cidade de Vera Cruz, Itaparica reúne belas praias e riqueza cultural.

O mar, que alterna tons de verde e azul, a areia alva e as áreas de Mata Atlântica oferecem opções de mergulhos, caminhadas, cavalgadas, passeios de bicicleta, aventuras em caiaques e grandes piscinas naturais de águas calmas.

Mesmo com 40 km de praias, dentre elas Ponta de Areia, Cacha Pregos e Mar Grande, Itaparica, que ainda conserva as características bucólicas presentes nas páginas de João Ubaldo, possui também a vocação para o turismo cultural, com construções de variadas épocas.

Itaparica é também o único município que dispõe de água mineral com propriedades medicinais, à beira-mar, além de possuir alguns prédios de arquitetura militar e religiosa, como o Forte de São Lourenço e Igreja Matriz do Santíssimo Sacramento.

Outra localidade que impressiona é a ilha dos Frades, localizada a menos de 20 km de Salvador. A região abriga belas praias como a de Paramana e é um dos destinos mais requisitados nos passeios de escuna pela baía de Todos os Santos.

Com apenas oito quilômetros de extensão, a ilha tem a forma de uma estrela de 15 pontas, cada uma delas com uma praia propícia para mergulho. Com uma profundidade máxima de 11 metros o local possui formações de corais e recifes, tal qual a vizinha, ilha de Maré, onde o artesanato em renda de bilro e os doces feitos na palha da bananeira são a atração principal.

As águas mornas da maior baía tropical do Atlântico e os ventos constantes se estendem por mais de mil quilômetros quadrados, na Bahia

Salinas da Margarida


De aspecto interiorano, Salinas da Margarida possui um importante manancial de belezas naturais. Entre os principais atrativos estão a Barra do Paraguaçu, a Ponta do Dourado e a Praia da Ponte. Na cidade, todos os anos é realizado o Festival do Marisco, evento em que são feitas moquecas e outros pratos à base de frutos do mar. Uma das iguarias da culinária local é a mariscada, em que mariscos, lagostas, camarões e siris são cozidos no azeite de dendê, ingrediente muito utilizado na cozinha baiana.

Outra parada na baía de Todos os Santos é a ilha de Cajaíba, no município de São Francisco do Conde. Repleto de manguezais, lagos e enseadas, o lugar seduz visitantes e investidores. O local vai receber, nos próximos cinco anos, o maior empreendimento hoteleiro privado da história da Bahia. Um grupo estrangeiro pretende aplicar US$ 600 milhões na construção de um resort de luxo no local.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!