quinta-feira, 25 de junho de 2015

Na confluência dos estados de RS e SC, o Cânion do Itaimbezinho é uma das maiores atrações turísticas da região





Itaimbezinho é um nome de origem Tupi-Guarani, ita significa pedra e Ai be afiada. Está localizado entre Cambará do Sul e Praia Grande, no Parque Nacional dos Aparados da Serra, a 18 Km da sede do município. O acesso ao parque é possível através da RS 429 ou pela SC 360, em uma estrada de chão batido

A Trilha do Vértice - de onde se visualiza a Cascata das Andorinhas, que caindo de uma altura de 700 metros em direção ao fundo do cânion, produz uma névoa antes de atingi-lo. A trilha permite uma ótima vista das cascatas das Andorinhas e Véu da Noiva. Tão impressionante quanto as cascatas é a sensação de caminhar na borda do cânion. A trilha começa no Centro de Visitantes, e em menos de 1 hora pode-se percorrer 1,4 km pelas bordas do cânion.

O Cânion do Itaimbezinho está localizado entre as cidades de Cambará do Sul e Praia Grande, sendo considerado como o mais famoso dos cânions que compõem os Aparados da Serra. Estende-se por cerca de 5.800 metros com uma largura máxima de 2.000 metros, onde as paredes rochosas erguem-se a uma altura máxima de 720 metros, cobertas por uma vegetação baixa e pinheiros nativos sobre o Planalto dos Campos da Serra Geral. Para quem nunca esteve à beira de um cânion, a sensação é realmente indescritível. O nome do cânion tem sua origem no Tupi-Guarani, onde Ita significa pedra e Aí'be significa afiada.

O rio Perdizes desce as paredes rochosas para formar a cascata "Andorinhas", de grande beleza. No fundo do cânion o Rio do Boi se move preguiçosamente entre as pedras formando uma série de caprichosas cachoeiras, que deslizam para o vizinho Estado de Santa Catarina.

O Cânion do Itaimbezinho, assim como o Parque Nacional dos Aparados da Serra, é administrado pelo IBAMA, o qual mantém sua sede na estrutura do Parque, compondo uma infra-estrutura com centro de informações, sala de áudio visual, espaço cultural, estacionamento, lancheria e guias de ecoturismo.

A entrada do Parque situa-se a cerca de 18 km da cidade de Cambará do Sul, pela rodovia CS-360 (em estrada de terra) e cerca de 22 km da cidade de Praia Grande (SC), através das rodovias SC-450 e a mesma SC-360, num belíssimo trajeto em estrada de terra através da borda sul do Cânion através da Serra do Faxinal, onde, na divisa RS/SC um mirante natural a 1.007 metros de altitude permite visualizar a cidade de Torres e todo o litoral da região.

Trilhas: 

Existem 3 trilhas dentro dos limites do parque, sendo que cada uma delas deve ser feita com o acompanhamento de um guia:

A Trilha do Cotovelo - vista imperdível dos paredões do Cânion Itaimbezinho. Caminhada fácil por estrada até um mirante com a maior visão geral do cânion, percurso de 6,3 quilômetros que leva em torno de 3 horas. Atenção: o último horário para fazer a trilha é às 15:00 hs.

A Trilha do Rio do Boi - por dentro do abismo, para aqueles que gostam de atividades mais radicais esta trilha é a mais indicada.

Paredões

Caminha-se por dentro dos paredões de 700 m formados pelo cânion, seguindo o leito do Rio do Boi. São 8 km (ida e volta) que podem ser percorridos em 7 horas. Trilha longa e cansativa, com muitas pedras e diversas travessias do rio do Boi (dependendo do nível do rio a água pode estar acima do joelho), com ótimas piscinas naturais para um banho gelado. É a única de acesso liberado ao interior do cânion, saindo de sua porção basal, a partir da cidade de Praia Grande.

Os Parques Nacionais dos Aparados da Serra e Serra Geral, pertencem ao Rio Grande do Sul e Santa Catarina, visto que 1 metro abaixo da borda dos cânions já é Santa Catarina, e os parques englobam também as encostas, rios e matas abaixo das serras, e o visual pela parte de baixo dos cânions é de rara beleza.

Geologicamente o Cânion do Itaimbezinho está posicionado sobre a mesma unidade geológica encontrada no Cânion Fortaleza, composta por um conjunto de derrames de composição ácida (riolitos, riodacitos) relacionados ao período de vulcanismo ocorrido durante o período Cretáceo, datado entre 135 a 120 milhões de anos, idade esta correlacionável ao período de rompimento do continente Gondwânico e abertura do oceano Atlântico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!