sexta-feira, 22 de maio de 2015

Com o ‘O Diário da Esperança', János Szász mostra de forma crua o sofrimento de crianças na guerra





No final da Segunda Guerra Mundial, a Hungria está praticamente destruída e derrotada. Dois garotos gêmeos de 12 anos de idade são enviados pelos pais para a casa da avó, que não demonstra o menor afeto por eles. Durante um ano os irmãos tentam lidar com a nova realidade do país e da nação


“- Por anos você não me escreveu e agora quer que eu a ajude?” pergunta a mãe da mãe. A Segunda Grande Guerra foi palco de muitos dramas. Como em toda guerra, a humanidade do inimigo desapareceu ou quase, e viveu-se um dia a dia de busca de sobrevivência e medo. A história dos gêmeos de doze anos que são deixados no campo pela mãe, com a avó, que ela não vê há muito tempo, em si mesma já é dramática. Por que aquela filha se afastou assim dos pais? E para onde segue?

“- Só quero que você proteja meus filhos.”

“Será que pelo menos eles tem um pai? Não fui convidada para o casamento... Vou por os dois para trabalhar. Comida não é de graça.”

E aquela velha baixinha e mal vestida, que mora numa casa pequena e suja e é intratável, vai infernizar a vida dos gêmeos.

O pai deles dera aos filhos um caderno, antes de voltar para a guerra. E a mãe pedira que eles fossem fortes e continuassem os estudos.

Aquele diário será preenchido com relatos da vida dos meninos. Terá marcas e restos de penas, sangue e desenhos, retratando os horrores a que presenciam. Ouvimos em “off” a voz de um deles que vai narrando os acontecimentos registrados no diário.

O diretor János Szász adaptou o romance de Agota Kristof (1935-2011), com fotografia de Christian Berger, que deu uma beleza flamenga aos retratos da natureza, sob o sol ou a neve, sem que com isso se esconda a podridão que ronda e que vai transformar aqueles meninos em sobreviventes sem sentimentos ternos.

Para ficarem mais resistentes, os gêmeos resolvem treinar o corpo para não sentir dor. Todos batiam neles sem precisar de nenhuma razão. Então, eles vão endurecer, esquecer que tem mãe, pai ou que passam fome e sede.

“- Precisamos esquecer das palavras doces de mamãe porque aqui ninguém nos trata assim e porque recordá-las dói muito.”

O oficial alemão, comandante do campo de concentração além da fronteira e que mora numa outra casa da avó, pergunta:

“- Por que vocês batem um no outro?”

“- Para nos acostumarmos com a dor.”

“- Vocês gostam da dor?”

“Não. Só queremos vencer a dor, o frio, a fome.”

Colocando uma couraça invisível, os dois só tem um ao outro, para poder sobreviver naquele inferno. Mas até isso será tirado deles, por eles mesmos.

Resta alguma piedade nos gêmeos porque não são maus. São apenas duas crianças fazendo o que podem para enfrentar homens em guerra.

Haverá esperanças de dias melhores?

Nós, adultos, precisamos pensar no que fazemos com nossas crianças e o que ensinamos a elas com os nossos exemplos. “O Diário da Esperança” fornece um bom material para esse exame de consciência necessário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!