quinta-feira, 9 de abril de 2015

Waldonys, o garoto que aos 14 anos ganhou elogio de Gonzagão, sedimentou a sua carreira e se tornou um dos maiores músicos nordestinos





Em meados dos anos 80, Waldonys, ainda um garoto de 12 anos, conheceu Dominguinhos que o apresentou a Luiz Gonzaga e aos 14 teve seu talento reconhecido por Dominguinhos ao gravar o CD "Choro Chorado"


Ele não parou por aí e, em 1988 participou da gravação do LP "Aí tem", no qual tem uma participação na música "Fruta Madura", onde seu nome é citado por Luiz Gonzaga e carinhosamente chamado de "Garoto Atrevido".

“De Pai para Filho”

Se existe uma frase que defina o nome Waldonys, ela é a conhecida "Tal Pai, tal Filho". Ainda pequeno, vendo seu pai Eurides tocar, brotou no menino Waldonys a paixão pelo acordeom.

Hoje consagrado, o talentoso artista tem o aplauso da crítica e, como no dizer de Luiz Gonzaga continua atrevido. Já gravou oito discos próprios e consolidou seu nome junto a importantes cantores e compositores da MBP. Lançou em 1992 seu primeiro disco intitulado "Viva Gonzagão". Na seqüência, "Veleiros", "Quem não Dança, Dança", "Coração da Sanfona", "Waldonys Canta e toca sucessos nordestinos". E mais: "Aprendi com o Rei 1 e 2", "Anjo Querubim" e "Eterno Aprendiz", seu último lançamento.

Depois de muitos shows, incluindo uma temporada de seis meses nos Estados Unidos, Waldonys fez plateias na Europa, Estados Unidos e Cuba o aplaudirem de pé, após apresentações marcadas pela multiplicidade de seu repertório, abrangendo músicas clássicas e populares. Conjugação perfeita entre a versatilidade do acordeom e a genialidade do músico. Seu estilo é inconfundível, pois consegue aliar técnica a muito swing. 

Depoimentos

Waldonys transpira prazer e categoria ao cantar e tocar forrós e outros ritmos musicais, sempre com desenvoltura e simplicidade. Animar festas e "botar fogo" nos forrós pelo Brasil afora é a sua vocação. Hoje os elogios da elite da MPB ao trabalho de Waldonys transformam-se em diplomas de reconhecimento ao seu extraordinário talento: "Waldonys, este garoto é muito atrevido, com 15 anos tocando desse jeito...", Luiz Gonzaga. "Waldonys, Gonzagão falou e eu continuo falando, êta moleque atrevido! Como toca esse danado", afirmou Dominguinhos em entrevista. "Esse menino é o fenômeno da sanfona", Hermeto Pascoal. "Waldonys, você é um tradutor da sanfona", Zé Ramalho. "Waldonys, o mestre da Sanfona", Ricardo Chaves.

Tocar sanfona é uma arte que muitos músicos do Nordeste dominam com alguma habilidade, mas quando se fala em virtuose, aí a peneira da qualidade começa a fazer uma seleção onde só passam os melhores. Nesse grupo, temos Genaro, - que compôs por muitos o Trio Nordestino, - Cezinha e Oswaldinho, para citarmos apenas os mais estrelados.

O Waldonys brinca de tocar sanfona e extrai dos '120 baixos' sons e tons inimagináveis para os menos versados nos mistérios do instrumento que imortalizou Luiz “Rei do Sertão” Gonzaga. Ouvi-lo imitando o passarinho, um trem-de-ferro ou fazer sua acordeom interpretar música italiana, espanhola e até a música árabe é um deleite para os ouvidos de quem admira uma sanfona bem tocada. Coisa de gênio!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!