segunda-feira, 9 de março de 2015

No ano em completaria 70 anos, Elis Regina terá sua trajetória contada em filme


 




Foi noticiado na última quarta-feira (4), que a cantora Elis Regina ganhará um filme em sua homenagem. A produção, no entanto, não tem maiores detalhes sobre o longa metragem, como quem será o diretor e os atores convidados
"

O longa-metragem será dirigido por Hugo Prata, com roteiro de Nelson Motta. O filho da cantora, João Marcelo Bôscoli, contou em entrevista que gostaria que uma atriz desconhecida interpretasse a sua mãe no cinema. "E
u gostaria que fosse interpretada por alguma atriz nova, com frescor. E Mateus Solano é um Bôscoli perfeito", confessou. Nascida em Porto Alegre (RS) em 1945, Elis, que é mãe de Maria Rita, morreu em São Paulo, em 1982

Polêmica e irreverente

Em pleno auge de Roberto Carlos, Erasmo Carlos & Cia, ela afirmou, no meio da década de 60 : “Esse tal de iê-iê-iê é uma droga: deforma a mente da juventude”, gerando protestos de toda ordem. Imaginem se ela estivesse entre nós e tivesse que conviver com ritmos execráveis como o 'funk' com suas letras de apelo sexual ou o 'arrocha', com vozes e melodias que criou um neologismo no mais puro estilo Antonio Rogério Magri: a “sofrência”. Elis já tinha enfartado...

Jogando no mesmo time de Gal Costa Elis era uma intérprete de recursos infinitos que despontou para o estrelato no fim da adolescência e passou a maior parte da vida sob os holofotes, sob a luz da ribalta. A morte prematura, contudo, causada por uma overdose de cocaína, acabou por mitificá-la — muito mais, possivelmente, do que ela gostaria que fosse.

Em meados da década 80, a jornalista Regina Echeverria encontrou dificuldades para compor um trabalho mais denso na biografia ‘Furacão Elis’. Já o jornalista Julio Maria foi beneficiado pelas três décadas decorridas e vem se debruçando sobre a vida e a obra da cantora, escancaradas nos discos que deixou, nos vários depoimentos que concedeu às rádios e televisões, e na memória dos que conviveram com ela.

Julio fez cerca de 130 entrevistas com pessoas que viram a artista de perto e o resultado está em Nada será como antes, biografia que será lançada no próximo dia 17, data em que Elis completaria sete décadas de vida. Ela morreu em 1982, aos 36 anos, deixando uma lacuna impreenchível na música brasileira.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!