domingo, 15 de março de 2015

Em crise, cultura da Capital é debatida com humor ácido em documentário




'A Língua Preta no Wenceslau' é o primeiro longa-metragem do cineasta Cândido Alberto da Fonseca e, por acaso, retrata a crise na cultura, quando esta ainda era apenas fofoca entre comadres
 

Em confraternização entre amigos, fofoca sobre o círculo de convivência é normal. Gera risos em torno de críticas ácidas, o que não dói nenhum um pouco se acompanhadas de uma boa reflexão. Foi em um ambiente com toda essa descontração, acompanhada de pastel frito, cerveja gelada e rodeado de obras de artes genuinamente sul-mato-grossenses que nasceu o documentário A Língua Preta do Wenceslau, dirigido por Cândido Alberto da Fonseca.

Traçado ainda sem imaginar o rumo que a cultura tomaria na cidade, o documentário será lançado durante uma das maiores crises já vividas pelo setor. As gravações começaram em 2013 e vislumbraram de maneira displicente o cenário atual da cultura na Capital, marcado por inadimplência de órgãos público, que levou a um ano de recessão no setor e culminou com o abandono da direção da Fundac (Fundação Municipal de Cultura), pela então presidente, Juliana Zorzo, na última quarta-feira (11).

O pano de fundo da narrativa é bem mais ameno do que as intensas manifestações vistas nas últimas semanas. A casa de portões baixos e quadros expostos na varanda, localizada no Jardim São Bento, há 12 anos abriga o Wenceslau Molduras. Apesar da oferta de serviço singelo, o espaço acaba suprindo parte da carência de espaços públicos reservados para as manifestações culturais e se tornou reduto em Campo Grande reunindo artistas e colecionadores.

Ao sábado é reservado o dia mais movimentando do estabelecimento. As portas são abertas e o quintal ocupado para vendas de obras de arte. O encontro entre entusiastas e artistas rende debates acalorados. "É um espaço onde a cultura é abordada de maneira informal", afirma Cândido.

As cenas não fogem ao ambiente natural e têm como um dos fios condutores a própria figura do Wenceslau. Homem miúdo e de fala bem-humorada, Wenceslau Carlos de Oliveira, 47 anos é o criador do espaço e é a quem muitos atribuem ser o dono da língua preta. Sobre a carapuça de fofoqueiro ele se defende. "Na verdade é como chamamos os encontros aqui. É o lugar que se fala de tudo e de todo mundo um pouco, é claro, que no bom humor", afirma o empresário.

Rendendo mais que imagens


Muito mais do que conversa fiada, os encontros no Wenceslau Molduras renderam, além de um longa-metragem com tema pioneiro no estado, a criação do livro dedicado ao artista plástico Ilton Silva.

O livro resultou de uma conversa entre o cineasta e jornalista Cândido Alberto da Fonseca, o crítico cultural Gilberto Luiz Alves e o ex-assessor de governo Carlos Roberto de Marchi. Em 141 páginas, estão reunidas mais de 250 obras do artista, além de textos introdutórios assinados por Cândido e Gilberto.

As obras presentes nas páginas do livro fazem parte do acervo de colecionadores da Capital, entre eles, Marta Guizzo, Isaac de Oliveira, Wenceslau Carlos de Silveira, além dos responsáveis pela obra. Os direitos autorais da obra serão repassados a Ilton Silva.

Referência: top mídia news

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!