segunda-feira, 23 de março de 2015

Com “Culinária Nordestina - encontro de mar e sertão”, Raul Lody faz uma viagem pelos sabores do Nordeste, do sertão ao litoral



A culinária nordestina é fortemente influenciada pela suas condições geográficas e econômicas ao longo da história, assim como pela antiga mistura das culturas portuguesa, indígena e africana 

A influência africana se estende principalmente pela costa de Pernambuco à Bahia. No restante da costa e no interior, há menos influência da culinária africana. 
Na costa, são comuns os mariscos e os variados frutos do mar.

As comidas quase sempre têm como ingredientes produtos vegetais - muitas vezes cultivados pelos índios desde muito antes da colonização portuguesa -, carnes de gado bovino e caprino, peixes e frutos do mar, variando bastante de região para região, de acordo com suas características peculiares.

“Culinária Nordestina - encontro de mar e sertão”

Toda a riqueza de sabores da culinária nordestina, do sertão ao litoral, que marca a cozinha típica de oito estados nordestinos está à disposição do público no ensaio antropológico de Raul Lody, que conta com o prefácio do chef francês Claude Troisgros. 

O livro traz 398 receitas de pratos originais e dos famosos doces nordestinos, ricamente ilustradas com fotografias a cores de ótima qualidade. Enfocando e associando alguns aspectos da história da região com seus pratos típicos, a obra faz parte da série A Formação da Culinária Brasileira e mostra uma infinidade de receitas oriundas daquela região brasileira, ricas em sabores, cores e aromas indescritíveis.

Vejam abaixo algumas dos pratos descritos na obra de Lody:

Baião-de-dois; variações de baião-de-dois,
Maria-isabel; paçoca; variações de paçoca,
Carne-de-sol frita; farofa de bolão,
Carne-de-sol com macaxeira; lingüiça do sertão,
Feijão-verde com manteiga do sertão; feijão de coco,
Buchada de bode, cabrito ou carneiro; bode no leite de coco,
Chambaril com pirão; cabrito guisado,
Cozido do sertão com pirão; farofa molhada de cuscuz,
Arrumadinho de charque; sarapatel,
Espinhaço torrado, espinhaço; feijoada pernambucana,
Arroz com queijo de coalho; arroz de coco verde,
Galinha à cabidela; farofa matuta; capote com arroz,
Mão-de-vaca; panelada,
Rabada,
Maxixada com charque; caruru; canjica de milho verde,
Caldinho de peixe; caldinho de sururu; caldinho de feijão; caldinho de camarão,
Carne de caju; mingau pitinga,
Caldeirada; caranguejada; patinhas de caranguejo; casquinha de caranguejo,
Guaiamunzada com pirão,
Arroz de cuxá,
Torta de sururu; cuxá,
Lagosta nordestina; lagosta Maurício de Nassau,
Peixada nordestina, bagre do Pilar,
Sururu de capote; fritada de aratu; moqueca de arraia,
Doces,
Mungunzá; cuscuz de milho; bolo de pé-de-moleque; canjica,
Pé-de-moleque,
Variação de pé-de-moleque; bolo de macaxeira; variação de bolo de macaxeira; pamonha de milho verde; pudim de macaxeira,
Bolo de bacia; manauê sergipano; siricaia,
Manuê; cuscuz de tapioca,
Chouriço,
Doce-de-espécie,
Bolo de rolo,
Quadrinhos de maracujá; sequilho; bolo de milho; raiva; tapioca,
Grude; biscoito de goma,
Bolo Souza Leão,
Bolo de carimã,
Filhós de carnaval;
Variação de filhós; bom-bocado simples,
Doce de bacuri; doce de bananas em rodelas; compota de mamão laminado; compota de bacuri,
Doce de buriti; doce de queijo,
Doce de coco vede; alfinim; pastilhas; derresó,
Doce de jaca; doce de jenipapo cristalizado; doce de batata-doce; doce de jerimum com coco,
Doce de caju; doce de caju ameixa; caju seco; doce de limão azedo,
Licor de jenipapo, licor de tangerina; licor de pitanga,

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!