segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Museu do Pontal recebe “O Bunker” , a primeira obra permanente de OSGEMEOS

Um dos principais expoentes da arte contemporânea brasileira, a dupla de grafiteiros OSGEMEOS, esteve presente no último sábado (31/1), no Museu Casa do Pontal, no Rio. Na ocasião, foi inaugurada a exposição "OSGEMEOS no Museu do Pontal” a primeira obra permanente de OSGEMEOS

Por fora parece uma cápsula de sobrevivência em época de guerra. Quando a porta se abre, é exatamente isso: é revelada uma escultura em tamanho natural de um personagem melancólico pela situação em que se encontra, com suas anotações e desenhos nas paredes da cela. Em tempos de especulação imobiliária, faz um convite à reflexão para a resistência artística.

Essa é a obra O Bunker, da dupla Gustavo e Otávio Pandolfo, conhecida como OSGEMEOS, e reconhecida nacional e internacionalmente pelo trabalho colorido e expressivo do universo lúdico e imaginário iniciado com o grafite em São Paulo. Entre os trabalhos recentes dos irmãos estão a participação na Bienal de Vancouver e a pintura do avião que transportou a Seleção Brasileira durante a Copa do Mundo.

O Bunker é o primeiro trabalho de arte contemporânea instalado no Museu Casa do Pontal, no Recreio dos Bandeirantes, zona oeste do Rio, especializado em arte popular e com um acervo tombado pela prefeitura, que tem 8.500 peças de 200 artistas brasileiros.

A instalação d'OSGEMEOS no Museu do Pontal foi aberta ontem(1º). A obra O Bunker tem 20 toneladas de concreto e foi feita a convite da Casa do Pontal para integrar o acervo permanente do museu. De acordo com os irmãos, o trabalho deles tem muita ligação com a arte popular brasileira.

“Isso de trabalhar nas ruas, de pegar as tintas e ir fazer, se deparar com artistas que não têm nem nome, mas fazem a mesma coisa. O cara que tem a necessidade de se expressar, não por ser famoso ou estar em uma galeria. Nós vimos no museu essa energia que tem aqui, dessa necessidade espiritual de se expressar. A gente veio aqui e se sentiu em casa, a nossa casa parece esse museu, de tanta coisa que a gente coleciona”, disseram os artistas.

Sem identificar quem é Otávio e quem é Gustavo, os dois falam como se fossem um, “eu penso e ele fala”, brincam, da mesma forma que trabalham totalmente integrados em um fluxo criativo único. OSGEMEOS explicam que O Bunker foi pensado como forma de resistência artística em meio à tomada das redondezas por várias obras de enormes prédios residenciais, colados ao museu.

“A primeira vez que a gente veio não tinha esses prédios ainda, depois viemos e vimos os prédios, é assustador. Quando a gente se ligou no que estava acontecendo, o processo criativo, foi tudo muito rápido. A gente nunca viu bunker no Brasil, porque a gente não tem guerra, apesar de muitas vezes parecer que estamos em uma. Isso aqui [o Museu do Pontal] é uma história, muita criança não sabe quem foi Mestre Vitalino. É muito importante preservar isso aqui”, dizem.

Os irmãos dizem que não gostam de rótulos para a arte e separações entre, por exemplo, grafite e arte popular. Para eles, tudo é arte e a arte tem o poder de mudar a sociedade.

“Vocês [o museu] estão nessa guerra tentando preservar isso aqui, e vão conseguir. O Bunker representa isso. A arte tem o poder de mudar tudo, a gente acredita na força da arte para vencer a guerra. Não é possível que se construa um prédio a um metro do museu, rachando o museu inteiro. O Bunker é uma forma de alertar o que nós temos aqui. É como se fosse um templo que alertasse as pessoas para a reflexão sobre a arte popular brasileira, os artistas, a arquitetura, prédios históricos que ficam abandonados. É importante a gente entender que isso faz parte de uma cultura e marcou uma época”.

Obra exclusiva

OSGEMEOS criaram uma obra exclusiva para o acervo permanente do museu, chamada “O bunker”. “Quando o Museu Casa do Pontal nos convidou a fazer uma obra original para seu espaço, sentimos a necessidades de falar um pouco sobre a importância de voltarmos nossa atenção para a cultura popular. Nossa escolha foi trabalhar com um símbolo forte. ‘O bunker’ preserva, guarda, protege e serve como templo para reflexões. A arte engajada desperta e amplia o interesse por muitos assuntos às vezes esquecidos, e que precisam ser discutidos e respeitados”, dizem os artistas.

Com exposições e obras em diversos países, os irmãos participaram recentemente da Bienal de Vancouver e fizeram a pintura do avião que transportou a Seleção Brasileira durante a Copa do Mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!