quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Premiado documentário, “Cuba Libre” focaliza a guinada histórica em Cuba, mas também está falando do Brasil e do resto do mundo





Phedra de Córdoba é uma atriz transexual, nascida em Cuba, mas exilada no Brasil há mais de cinco décadas. As razões de sua partida foram a incompatibilidade com o regime de Fidel Castro e a profunda transfobia vigente na ilha, mas décadas depois, ela retorna a Cuba para descobrir as transformações do país, na época em que a filha de Fidel, Mariela, luta por uma maior aceitação dos GLTB


Nos primeiros anos da revolução cubana, os homossexuais eram confinados em campos de concentração, onde eram obrigados a cortar cana de sol a sol. Nos dias de hoje, foi criado um decreto pela filha de Raúl Castro, Mariela (diretora do Centro Nacional Cubano de Educação Sexual e uma ativista pelos direitos da comunidade LGBT), que obriga o respeito e a aceitação de todos os gays. Convidada pelos Satyros, a equipe do filme chegou a Havana no auge desse momento histórico em que os homossexuais estavam literalmente tentando “sair do armário”, e a presença da musa Phedra de Córdoba foi marcante nesse processo, tendo sido recebida até mesmo pelo ministro da cultura do país.

Através do retorno da atriz transexual cubana Phedra de Córdoba (do grupo teatral Satyros) à Havana depois de 53 anos sem pisar no seu país, o documentário Cuba Libre, de Evaldo Mocarzel (Do Luto à Luta), coloca em discussão a luta pelos direitos dos homossexuais num ambiente extremamente machista como a ilha governada durante décadas por Fidel Castro, hoje comandada por seu irmão Raúl.

Cuba Libre mostra ainda a decadência da ilha, que “parece estar sentada sobre um barril de pólvora”, como comenta em entrevista ao filme o dramaturgo Reinaldo Montero, autor da peça Liz, que foi encenada pelos Satyros, em Havana. O documentário foi rodado em locações ainda hoje clandestinas (apesar do decreto assinado por Raúl Castro), como boates gays na periferia da capital cubana, além de centros culturais que celebram datas como o dia do orgulho gay e denunciam a repressão na ilha, relembrando momentos históricos como Stonewall, em que muitos homossexuais, lésbicas e travestis foram reprimidos num bar de Nova York, em 1969.

Mudança radical 

Conduzido pelo carisma da musa dos Satyros, Phedra de Córdoba, Cuba Libre focaliza essa guinada histórica em Cuba, mas também está falando do Brasil e do resto do mundo. Um filme que acompanha os passos de uma artista transexual que, antes de entrar em cena, sempre se pergunta: “Será que eu sou essa imagem no espelho ou será que essa imagem é o meu verdadeiro eu?”. Phedra criou uma personagem para si mesma e moldou-a em carne e osso, com o próprio corpo.

Em Cuba Libre, Phedra, está em busca do próprio passado, apesar de seus entes queridos já estarem todos falecidos, e também de locais que marcaram sua vida, como o palco onde pisou pela primeira vez e descobriu a sua verdadeira vocação de artista. O filme é ainda um acerto de contas com um passado de repressões e discriminações, mas sem perder a ternura jamais.

Cuba Libre, premiado no Mix Brasil como melhor documentário, estreou nos cinemas em setembro. Vale a penas conferir!

Referência: Revista de Cinema

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!