segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Começou em 24.10 e vai até 28.11: performances cênicas, intervenções urbanas, oficinas e debates passam por diferentes bairros de Fortaleza e 10 cidades do interior, com toda a programação gratuita





A Bienal Internacional de Dança do Ceará vem se consolidando como um dos principais eventos de dança contemporânea do Brasil. Desde a sua 1ª edição, em 1997, o projeto traz novos ares para a cena cearense, recriando-se com inovação, qualidade e resgatando a arte de se expressar pela dança
 

Os palcos cearenses, durante esses anos, receberam grandes companhias locais, nacionais e internacionais da dança contemporânea. Diversos paradigmas foram quebrados, novas platéias foram criadas e novos profissionais foram formados. 

Paralelamente, temas como diversidade cultural, multiculturalismo, neocolonialismo e outros temas transversais à dança foram debatidos. Em outubro de 2014 a Bienal Internacional de Dança do Ceará/De Par Em Par chega à 4ª edição, consolidada como um importante espaço de difusão de distintas manifestações da dança cênica. 

A apresentação de criações configuradas na interface da dança com a performance, as artes visuais, o audiovisual, as intervenções urbanas, entre outras possibilidades, tem sido uma de suas das principais características. Com uma rica e diversificada programação, inteiramente gratuita, distribuída em dois programas.

Encontro Terceira Margem e CirculaDança, a Bienal De Par Em Par 2014 será realizada de 24 de outubro a 28 de novembro, passando por 10 cidades do Ceará, prosseguindo com a descentralização das ações de difusão e formação, política já adotada em edições prévias. 

Performances cênicas, intervenções urbanas, oficinas e debates vão acontecer em diferentes bairros de Fortaleza (Encontro Terceira Margem) e nas cidades de Sobral, Paracuru, Trairí, São Gonçalo do Amarante, Itapipoca, Crato, Juazeiro do Norte, Pacajus, Uruburetama e Tejuçuoca (CirculaDança).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!