terça-feira, 14 de outubro de 2014

Vocabulário do Português Medieval pretende resgatar a identidade cultural brasileira





Foi lançado na manhã da última sexta-feira (10/10), no Rio de Janeiro, o Vocabulário do Português Medieval composto de dois volumes que traz verbetes do português atual para o medieval e vice-versa
 

O Vocabulário, que levou 35 anos para ficar pronto, é tido como uma das publicações mais relevantes deste século, no sentido de que uma nação se faz com a sua identidade cultural e, talvez, o mais importante para isso seja a língua, o domínio da língua e a origem da língua. O Brasil não tinha nada publicado com essa densidade. Desde 1979, a Fundação Casa de Rui Barbosa faz essa pesquisa, que passou por vários presidentes, sempre com acréscimos.

Os mil exemplares produzidos serão distribuídos em bibliotecas e universidades de Brasil, Portugal, Espanha e sul da França. Países de importância no âmbito da pesquisa, como os Estados Unidos e a Alemanha, também serão agraciados com edições para suas principais bibliotecas.

Além do tempo para ficar pronto, colaboradores enfrentaram outros desafios, como a integridade de reprodução dos caracteres originais. "Dado o aspecto peculiar da grafia do português medieval, desde o início do projeto, a grande preocupação do seu idealizador e coordenador, Antônio Geraldo da Cunha, seria como garantir a integridade de reprodução dos caracteres originais", explica a pesquisadora do Setor de Filologia da Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB), Ivette Maria Savelli. "Precisávamos ter a certeza de que a versão impressa seria bem executada em todos os aspectos: atualização da estrutura e revisão do conteúdo do banco de dados, projeto gráfico, editoração e impressão", completa.

Durante a solenidade, houve apresentação da Orquestra Barroca da UniRio (OBU), que interpretou composições de Antonio Vivaldi e de Giovanni Batista Pergolesi. Esta é a primeira apresentação da Orquestra Barroca da UNIRIO (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro) na Casa de Rui Barbosa, que nos acolheu com competência e carinho.

Há vários meses, temos ensaiado no auditório da CRB. Encontrar um local onde somos tão bem-vindos, que ainda por cima tem bela acústica, tranquilidade, silêncio e um jardim deslumbrante, nos faz bem à alma e ao raciocínio, observou a coordenadora da Orquestra Barroca da UniRio, professora Laura Ronai.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!