Construção - Reforma - Manutenção

Construção - Reforma - Manutenção
Clientes encantados é a nossa meta!

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Exposição em Londres aborda cartas escritas a soldados desconhecidos, em lembrança aos 100 anos da entrada do Reino Unido na Primeira Guerra Mundial










Durante todo o confronto, cerca de 2 bilhões de cartas e 114 milhões de encomendas foram entregues pelo correio britânico.Não é à toa que um dos memoriais da Primeira Guerra em Londres é a estátua de bronze de um soldado lendo uma carta

Fazer com que uma carta chegasse a um soldado no front durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) era o tipo de missão que podia se tornar uma verdadeira batalha. Em dezembro de 1914, estima-se que mais de 2 milhões de correspondências foram enviadas – uma delas chegou a ser repostada 257 vezes. Inaugurado em 1922 no terminal 1 da estação de CaPaddington, o monumento presta uma homenagem aos funcionários da extinta companhia de trem Great Western Railway que morreram no conflito

Cem anos depois do início da guerra que envolveria mais de 30 países em quatro anos de duração, um grupo de artistas está fazendo uma espécie de releitura deste memorial. Parte de um amplo programa de arte comissionada (por encomenda) que começa este ano e vai até 2018, o 14-18 Now, o projeto “Carta a um Soldado Desconhecido” convida o público a criar uma história para este soldado anônimo e imaginar o que ele estaria lendo. “A ideia é oferecer as pessoas a oportunidade de se envolverem diretamente”.

Até 4 de agosto, dia em que o Reino Unido entrou na guerra em 1914, todas as cartas recebidas serão postadas no site. Muitas delas têm histórias pessoais e focam em um tema específico. “Será um memorial de guerra único e moderno”, explica Sarah Goodfellow, produtora do evento, em recente entrevista. Futuramente, as cartas escritas serão incorporadas à coleção permanente da British Library.

Lançado no dia 21 de maio, o programa está mobilizando instituições de todo o país, entre escolas, penitenciárias e hospitais. “O objetivo é atingir um grupo bem diversificado para termos pontos de vistas bem distintos sobre a guerra”, complementa Sarah. Cinquenta escritores também foram convidados a participar, entre eles o poeta Benjamin Zephaniah, a dramaturga Caryl Churchill e o escritor e ator Stephen Fry. A carta de Fry, escrita do ponto de vista de um irmão que não quis ir para guerra para outro que teria morrido no confronto, foi uma das que mais emocionou a equipe.

Último evento deste ano, o Lights Out também vai convocar as pessoas para um “apagão coletivo” neste horário, deixando apenas uma iluminação com velas. A inspiração para o projeto é a famosa frase dita neste dia por Edward Grey, secretário de Relações Exteriores na época: “As luzes estão se apagando em toda a Europa. Esperamos não vê-las acesas em nosso tempo de vida”

Uma das atrações da exposição, a carta de Stephen Fry para o irmão, no front, retrata com fidelidade a angústia de quem decidiu não se apresentar para o combate, mas não consegue conviver com a ausência do irmão. Abaixo, a íntegra da carta.

Íntegra da carta de Stephen Fry:

Querido irmão,

Já se passou tempo suficiente para pensarmos uma única coisa: que nós nunca mais vamos vê-lo novamente. A última vez que tive notícias suas você estava alegre e engraçado, como sempre. Lembra de quando eu te disse que iria me declarar um opositor? Vi um olhar de reprovação nos seus olhos: “Meu irmão, um covarde?”. Aquilo quase me matou. Eu daria tudo para estar em seu lugar, um herói respeitado e em paz – e não apenas por casa dos insultos que recebi, agressões e pedras jogadas por motoristas de ônibus, comerciantes e crianças nas ruas. Todas as noites mamãe e papai soluçam enquanto tentam engolir a comida. Vou comer em outro cômodo. Eles não podem olhar para mim. Eu tento não ter pena de mim mesmo, mas eu acredito que é errado matar. Eu tomei minha decisão, você tomou a sua. Sua coragem inquestionável será lembrada pela eternidade. Eu vou morrer orgulhoso de você e com vergonha de mim. Apesar de achar que estou certo.

Referência: Opera Mundi

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!