segunda-feira, 30 de junho de 2014

Exposição em Londres aborda cartas escritas a soldados desconhecidos, em lembrança aos 100 anos da entrada do Reino Unido na Primeira Guerra Mundial










Durante todo o confronto, cerca de 2 bilhões de cartas e 114 milhões de encomendas foram entregues pelo correio britânico.Não é à toa que um dos memoriais da Primeira Guerra em Londres é a estátua de bronze de um soldado lendo uma carta

Fazer com que uma carta chegasse a um soldado no front durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) era o tipo de missão que podia se tornar uma verdadeira batalha. Em dezembro de 1914, estima-se que mais de 2 milhões de correspondências foram enviadas – uma delas chegou a ser repostada 257 vezes. Inaugurado em 1922 no terminal 1 da estação de CaPaddington, o monumento presta uma homenagem aos funcionários da extinta companhia de trem Great Western Railway que morreram no conflito

Cem anos depois do início da guerra que envolveria mais de 30 países em quatro anos de duração, um grupo de artistas está fazendo uma espécie de releitura deste memorial. Parte de um amplo programa de arte comissionada (por encomenda) que começa este ano e vai até 2018, o 14-18 Now, o projeto “Carta a um Soldado Desconhecido” convida o público a criar uma história para este soldado anônimo e imaginar o que ele estaria lendo. “A ideia é oferecer as pessoas a oportunidade de se envolverem diretamente”.

Até 4 de agosto, dia em que o Reino Unido entrou na guerra em 1914, todas as cartas recebidas serão postadas no site. Muitas delas têm histórias pessoais e focam em um tema específico. “Será um memorial de guerra único e moderno”, explica Sarah Goodfellow, produtora do evento, em recente entrevista. Futuramente, as cartas escritas serão incorporadas à coleção permanente da British Library.

Lançado no dia 21 de maio, o programa está mobilizando instituições de todo o país, entre escolas, penitenciárias e hospitais. “O objetivo é atingir um grupo bem diversificado para termos pontos de vistas bem distintos sobre a guerra”, complementa Sarah. Cinquenta escritores também foram convidados a participar, entre eles o poeta Benjamin Zephaniah, a dramaturga Caryl Churchill e o escritor e ator Stephen Fry. A carta de Fry, escrita do ponto de vista de um irmão que não quis ir para guerra para outro que teria morrido no confronto, foi uma das que mais emocionou a equipe.

Último evento deste ano, o Lights Out também vai convocar as pessoas para um “apagão coletivo” neste horário, deixando apenas uma iluminação com velas. A inspiração para o projeto é a famosa frase dita neste dia por Edward Grey, secretário de Relações Exteriores na época: “As luzes estão se apagando em toda a Europa. Esperamos não vê-las acesas em nosso tempo de vida”

Uma das atrações da exposição, a carta de Stephen Fry para o irmão, no front, retrata com fidelidade a angústia de quem decidiu não se apresentar para o combate, mas não consegue conviver com a ausência do irmão. Abaixo, a íntegra da carta.

Íntegra da carta de Stephen Fry:

Querido irmão,

Já se passou tempo suficiente para pensarmos uma única coisa: que nós nunca mais vamos vê-lo novamente. A última vez que tive notícias suas você estava alegre e engraçado, como sempre. Lembra de quando eu te disse que iria me declarar um opositor? Vi um olhar de reprovação nos seus olhos: “Meu irmão, um covarde?”. Aquilo quase me matou. Eu daria tudo para estar em seu lugar, um herói respeitado e em paz – e não apenas por casa dos insultos que recebi, agressões e pedras jogadas por motoristas de ônibus, comerciantes e crianças nas ruas. Todas as noites mamãe e papai soluçam enquanto tentam engolir a comida. Vou comer em outro cômodo. Eles não podem olhar para mim. Eu tento não ter pena de mim mesmo, mas eu acredito que é errado matar. Eu tomei minha decisão, você tomou a sua. Sua coragem inquestionável será lembrada pela eternidade. Eu vou morrer orgulhoso de você e com vergonha de mim. Apesar de achar que estou certo.

Referência: Opera Mundi

domingo, 29 de junho de 2014

Copa do Mundo leva palestinos a usarem o "Muro da Vergonha" como telão para ver jogos



O Muro de Israel – também chamado de Muro da Cisjordânia - é um projeto do governo israelense que começou a ser executado no ano de 2002 e que ganhou repercussão internacional por causa da polêmica e pelas críticas que vem recebendo, inclusive de dentro da própria Israel. Sua intenção é dividir o território do país com o da Cisjordânia, pertencente à Palestina
O motivo para a construção do muro, segundo os seus idealizadores, é servir como meio de defesa contra os ataques terroristas palestinos. O conflito entre palestinos e israelenses é historicamente longo, além de ser motivado pela disputa territorial da região da palestina pelas duas nações.

Apesar de simbolizar a segregação separando os palestinos da cidade sagrada de Belém do resto da Cisjordânia, o muro tornou-se um dos emblemas da ocupação israelense dos territórios árabes. Além de servir de tela para artistas como Banksy expressarem sua indignação e ativistas rabiscarem suas palavras de ordem, a população palestina encontrou outra maneira de se apropriar dessa barreira imposta por Israel há mais de dez anos: projetar nela as partidas da Copa do Mundo, evento esportivo que congrega 32 nações diferentes e cujo slogan oficial — “juntos num só ritmo” — é mais uma provocação à construção do paredão.

A iniciativa partiu de um dono de restaurante aficionado por futebol, Joseph Hasboun. A casa de carnes que gerencia, “The Wall Steak House”, estampa logo no nome a paisagem a que seus clientes têm direito ao se acomodar no estabelecimento. Do outro lado da rua, lá está ele, o muro. Desde o dia 12 de junho, quando o Brasil inaugurou o Mundial contra a Croácia, a parede tem também outra função e serve de telão para a transmissão dos jogos da Copa.

“É algo como uma resistência civil. Eles podem colocar esse muro, mas não podem nos impedir de fazer isso”, relata o advogado palestino Ihab Jaser, 33, ao veículo local The Jewish Journal, enquanto assistia ao empate entre Alemanha e Gana. “É um lugar bonito, é ao ar livre e tem algum significado”, completa Hasboun, o dono do restaurante.

Referência: Opera Mundi

Doces conventuais portugueses trazem o sabor dos velhos tempos


Nem só de bacalhau vive a famosa culinária portuguesa. Também é de doces – e muitos. As receitas mais tradicionais, criadas há séculos dentro de mosteiros e conventos, começam a ser cada vez mais resgatadas, catalogadas e difundidas no país, atraindo também os paladares estrangeiros





Em comum entre Papos de Anjo, Camafeu, Palha de Abrantes, Orelhas de Abade, Pastel de Tentúgal e Encharcada, para citar alguns exemplos, são os ingredientes à base de ovos e açúcar. A razão é simples: com as claras, as freiras costumavam engomar as roupas e, com as (muitas) gemas restantes, faziam doces para vender e arrecadar fundos. O açúcar vinha das colônias, especialmente do Brasil.A loja, logo transformada em confeitaria é hoje parada obrigatória de qualquer turista que visita a região. 

A aposta na tradição tem dado certo: as vendas são estimadas em 20 mil pastéis por dia, e a receita, dizem, mantém-se intacta desde o século XIX. E secreta. Dos 150 funcionários, apenas três lidam diretamente com a confecção da massa e do recheio, com contrato de confidencialidade.

Do mosteiro para o mundo

A “menina-dos-olhos” dessa doceria é o Pastel de Belém, considerado pelo britânico The Guardian como um dos 50 alimentos mais saborosos do mundo. Criado dentro do Mosteiro dos Jerônimos, na zona oeste de Lisboa, a iguaria de massa folhada e recheio cremoso ligeiramente queimado teria passado a ser vendida em uma loja vizinha como forma de sobrevivência dos monges e trabalhadores quando, a seguir da Revolução Liberal, um decreto de 1834 extinguiu as ordens religiosas e fechou os conventos portugueses.

Um deles é Ramiro Rodrigues, de 58 anos. O ex-agricultor natural de Quintela de Lampaças (norte de Portugal) começou trabalhando na copa da loja aos 15 anos, depois no balcão servindo os clientes – e, há 25 anos, ascendeu a "mestre".

“Antes de vir para cá, desconhecia inclusive os vários tipos de farinha”, conta. O acesso diário às guloseimas não é problema: “Eu como um ou dois pastéis por dia, e mantenho a forma”, diz, sorridente.

A iguaria popularizou-se pelo país e além-mar, com o nome de “pastel de nata” – apesar de os de Belém não levarem nata (ou creme de leite). Atualmente, outras confeitarias experimentam inovações no recheio – de chocolate, castanhas e até caipirinha – e, aos poucos, ganham terreno no paladar português.

Fonte: Opera Mundi

sábado, 28 de junho de 2014

Temos neve no Brasil? Quando falamos da região serrana de Santa Catarina, onde estão as cidades de São Joaquim e Urubici, temos sim!

São Joaquim (SC): a cidade mais fria do Brasil



Acostumados que somos com o sol causticante, sempre vislumbramos neve como um fenômeno raro aqui no Brasil, mas não podemos dizer que nunca neva no nosso país. Em algumas poucas regiões ocorre uma precipitação razoavelmente regular de neve durante o inverno, até mesmo no outono, estação da qual acabamos de sair


Caçadores de neveTudo bem. Neve mesmo, em grande volume, como se vê no Hemisfério Norte ou mesmo nas regiões montanhosas dos nossos vizinhos Chile e Argentina, realmente não temos. Mas a neve, de vez em quando, dá o ar da sua graça sim, em uma pequena, reduzida região do Sul do Brasil, em quantidade suficiente para as pessoas até fazerem pequenos bonecos e pequenas “guerras” de bolas de neve.

É para lugares como São Joaquim e Urubici, na serra catarinense, que nossos bravos “caçadores de neve” se dirigem todo ano, na esperança (muitas vezes frustrada) de conseguir vislumbrar a neve nos trópicos.

E, claro, essas regiões fazem de tudo para manter essa ideia acesa, com muita propaganda. Sempre que há possibilidade forte de neve nesses locais, há grande veiculação na mídia e, em consequência, as pousadas ficam lotadas e a economia, aquecida – não apenas pelas lareiras.

A neve não deu o ar da graça no Sul do país no último outono, mas a expectativa é a de que ela caia no inverno deste ano na região serrana de Santa Catarina, assim como no Rio Grande do Sul (especialmente na região dos cânions de Aparados da Serra e Cambará do Sul). Esperemos chegar o inverno, no final de junho.

Aliás, um passeio muito bacana que se pode fazer (principalmente alugando-se um carro) é ir do Rio Grande do Sul a Santa Catarina pela Serra Geral, passando por Nova Petrópolis, Gramado, Canela, São Francisco de Paula, Cambará do Sul e o Parque dos Aparados da Serra, atravessando para o território catarinense, chegando a Bom Jardim da Serra e às cidades aqui mencionadas. O caminho inverso também é bastante interessante e pode ser uma ótima alternativa.

Porto Alegre

Porto Alegre poderá até bater recorde de frio nos próximos dias. Pelas medições do Instituto Nacional de Meteorologia, a menor temperatura deste de 2014 na capital gaúcha até agora foi de 6,9°C, em 25 de maio. A tarde mais fria do ano foi a do dia 24 de maio, quando a temperatura máxima foi de apenas 15,2°C. A previsão para a Região Sul é de que o frio será intenso nos próximos dias em muitas áreas do Rio Grande do Sul e o risco de ter geada é alto com possibilidade de geada em Porto Alegre.

Lançado ontem, 27, o livro "O Raio do Futebol" retrata o universo futebolístico por meio de ilustrações e haikais





A relva, o raio e uma bola descascada no canto seriam as primeiras fontes de inspiração para um trabalho que traria o futebol do campo para as páginas coloridas da literatura

O primeiro "chute" foi dado há quarenta anos. Ao visitar uma exposição do artista visual Sérgio Pinheiro, também conhecido como Serjão, o ex-jogador de futebol e cronista Sérgio Rêdes, encantava-se com uma obra cujo título, anos mais tarde, seria escolhido para nomear uma parceria entre os dois: "O Raio do Futebol"

"O raio é como se fosse uma praga (para o bem) no campo, representada por esse futebol que todo mundo gosta, um raio luminoso", explica o ilustrador Sérgio Pinheiro.

Ao longo dos quarenta anos de amizade, muitas foram as ideias trocadas entre os dois craques, mas as viagens e a rotina corrida de ambos só permitiria a consolidação do projeto de 2013 para cá. "Em agosto do ano passado, decidimos que usaríamos as ilustrações de Serjão acompanhadas de versos meus", conta Sérgio Rêdes.

O acordo foi firmado e, em pouco mais de seis meses, o livro se constituiu, com 48 ilustrações acompanhadas de haikais, cada uma retratando de forma lírica e, ao mesmo tempo lúdica, o universo do futebol. "O objetivo é retratar o esporte em uma outra linguagem. Não a do jogo em si, mas sim a da arte que se encontra no jogo", explica Sérgio Rêdes.

Estrutura

Para o escritor, a melhor forma de apresentar as ilustrações minimalistas de Serjão seria acompanhando-as com uma literatura também minimalista, por isso os haikais.

A opção de Sérgio Rêdes foi por tercetos livres, nos quais ele pôde exercer uma liberdade poética distante dos haikais guilherminos, que, por sua vez, apresentam maior rigidez métrica, com versos de cinco, sete e cinco sílabas, respectivamente. Apesar de não ser dividido em capítulos, o livro "O Raio do Futebol" apresenta ilustrações dedicadas à paixão pelo esporte, às formas geométricas do campo, ao jogo e suas regras, à técnica, à tática, aos movimentos reivindicatórios dos jogadores, à zebra, aos comentaristas, dentre outros aspectos curiosos do futebol.

Tudo foi pensando em conjunto pelos dois Sérgios. As vivências do ex-jogador dos times Olaria, Portuguesa, Fortaleza, Botafogo e Ceará contribuíram significativamente para a construção do projeto.

"Sempre tive esse lado de procurar ver o futebol não pelo resultado em si, mas pelos aspectos que ele envolve. Como já diria Nelson Rodrigues: 'no futebol, o cego é aquele que só vê a bola'", afirma o autor dos haikais, que investiu nesse modelo de versos pela primeira vez.

A vasta experiência de Sérgio Pinheiro, que aprendeu múltiplas técnicas de arte, tais como a xilogravura, com o conceituado escultor Zenon Barreto, também deu segurança ao projeto. No trabalho, o artista inovou ao utilizar exclusivamente as ferramentas da computação gráfica. "Foi rico demais. Aprendi muita coisa sobre o futebol", declara.

Lançamento

Previsto para ser lançado hoje, no Estoril (Praia de Iracema), o livro "O Raio do Futebol" aproveita o período da Copa do Mundo para chegar na casa dos cearenses. O projeto apoiado pelo Governo do Estado, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, tem o prefácio assinado pelo secretário da Cultura Paulo Mamede, pelo presidente da Comissão de Cultura, Desporto e Lazer da Câmara Municipal de Fortaleza, Evaldo Lima, e pelo ex-jogador de futebol e articulista da Revista Carta Capital, Afonso Celso Garcia Reis, mais conhecido como Afonsinho.

Segundo Paulo Mamede, o projeto que chegou às suas mãos no final do ano passado, tem a singularidade de unir duas linguagens em torno de um mesmo tema, o futebol, que no caso do Brasil, é quase uma unanimidade. "Esse projeto que une futebol e arte, com haikais do Sérgio Rêdes e desenhos feitos pelo Sérgio Pinheiro, presta um verdadeiro tributo ao futebol com a narrativa de mitos que transcendem as quatro linhas e encantam e ensinam a todos nós", destaca.

Fonte: diario do nordeste

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Jorge Mautner volta a se apresentar ao lado de Caetano Veloso em três shows em São Paulo



O cantor e compositor Jorge Mautner é o convidado do SESC Pinheiros para lançamento de Três Tons de Jorge Mautner e ele fará três apresentações nos dias 27, 28 e 29.06 com a participação especial de Caetano Veloso

"Três Tons de Jorge Mautner" é uma caixa que traz releituras dos três primeiros discos do músico: Para Iluminar A Cidade (1972), Jorge Mautner (1974) e Mil e Uma Noites de Badgá (1976).

O primeiro disco apresenta uma "seleção de sucessos" que o músico tinha criado do final da década de 50 até 1972. O álbum homônimo consolida a parceria com Nelson Jacobina. Já "Mil e Uma Noites de Badgá" foi um CD inovador que apresenta ritmos orientais até batuques de Candomblé.

A relação de Mautner com Caetano Veloso não é de hoje. Os dois já gravaram juntos o disco “Eu Não Peço Desconto”, e agora se reencontram para esses três shows incríveis.

O show

A estrutura da apresentação prevê Mautner cantando cerca quatro músicas de seus discos anteriores, logo após Caetano entra fazendo algumas das suas canções e, em seguida, o show segue conduzido “a quatro mãos”, com os dois cantando juntos. Sobre a relação com Caetano, Mautner se desmancha em elogios: “Caetano é fantástico. São mais de quatro décadas da mais pura e absoluta amizade. Acho até que, sem Caetano, eu não existiria”.

Paulistanos e visitantes que desejarem ver as apresentações e ainda não adquiriram ingressos vão ter que aguar outra oportunidades, pois os ingressos estão esgotados desde o início da semana.

Praias paradisíacas, construções seculares, história e excelente culinária são atrações que fazem de Porto Rico uma excelente opção de destino turístico





Nem todos os destinos de viagem são perfeitos o ano todo afinal, a influência das estações pode modificar radicalmente a paisagem de um destino. Bom, mas Porto Rico não padece desse mal e o clima é bom o ano inteiro. Oficialmente, o arquipélago se chama Estado Livre Associado de Porto Rico e faz parte dos Territórios dos Estados Unidos

Sobre ele, os EUA mantêm controle jurídico, mas não é considerado como estado norte-americano. Bom, para entender como funciona a relação política da região, o melhor é sentar-se à mesa de um botequim e puxar a língua de um, que é a denominação indígena dos nativos.

Mas, para quem não está nem aí para política, tem muito que ver na ilha. Praias paradisíacas, construções seculares, histórias, excelente culinária e o caricato cotidiano caribenho são argumentos irrefutáveis para marcar Porto Rico na lista de destinos.


San Juan é a principal cidade de Porto Rico e oferece um grande número de atrativos que ocupariam facilmente uma viagem de uma semana. A cidade conta belas praias, muitos hotéis, resorts, restaurantes e uma vida noturna temperada.

Não deixe de reservar um dia para conhecer a cidade velha, repleta de fortificações do período da colonização do Novo Mundo, pirataria, dentre outros episódios. As construções coloniais escondem mercados, lojinhas, restaurantes e museus.

Forte monumental

Um passeio imperdível é uma ida ao Fuerte San Felipe del Morro, em que os muros do forte se dependuram nos rochedos e presenteiam os visitantes com um visual surreal.

Para quem gosta de torrar dinheiro com fichas, a cidade também é repleta de cassinos. Muitos deles foram incorporados aos grandes resorts, mas ainda exibem aquele charme da jogatina.

Para comer, o que não faltam são opções de cozinhas. Como Porto Rico recebe turistas de todos os cantos, há uma grande oferta de estilos culinários. Mas quem quiser saborear a gastronomia local, não deixe de ir ao Marmalade, onde o risoto de lagosta é um dos carros chefes da casa.

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Coreia do Norte ameaça os EUA por filme que aborda o regime de Kim Jong-Un




'The Interview', com Seth Rogen e James Franco, fala sobre o ditador norte-coreano e o país, mostrando mais uma vez ao seu espírito belicoso, já afirmou que o filme é 'ato de terrorismo' e prometeu represálias

Em "The Interview", Seth Rogen e James Franco interpretam dois jornalistas de televisão que conseguem uma entrevista com Kim, interpretado pelo ator Randall Park, em Pyongyang e recebem a missão da CIA de assassinar o dirigente norte-coreano. 


O filme foi rodado em Vancouver (Canadá) e tem previsão de estreia nos Estados Unidos para 14 de outubro.Uma nova comédia americana sobre o ditador norte-coreano Kim Jong-Un não tem graça para o regime comunista, que denuncia o filme como um "ato de terrorismo" e promete represálias.

Em um comunicado divulgado pela agência oficial KCNA, um porta-voz da diplomacia norte-coreana chama os cineastas de "gângsteres" e pede a censura. "A realização e divulgação de um filme que mostra um atentado contra nosso líder representa um ato de terrorismo e um ato de guerra absolutamente intolerável", afirma.

Se o governo americano não proibir o longa-metragem, a Coreia do Norte se verá forçada a adotar medidas "impiedosas de represália", completou o porta-voz. Em 2004, o cinema americano também fez piada do regime norte-coreano com a comédia "Team America - Detonando o Mundo", uma animação dos criadores do desenho South Park na qual o pai de Kim, Kim Jong-Il, era representado como um déspota isolado.

No trailer de "The Interview", um agente da CIA classifica a Coreia do Norte como o "país mais perigoso do mundo" e explica aos personagens de Rogen e Franco o culto à personalidade da dinastia Kim. "O povo de Kim Jong-Un acredita em tudo o que ele diz, inclusive que pode falar com os golfinhos, que não urina ou defeca", afirma.

Um dia após ser libertada, sudanesa Yahia Ibrahim Ishag, condenada por conversão ao cristianismo, volta a ser presa








O Tribunal de Apelação de Cartum anulou na segunda a condenação à morte contra ela, ao considerar que a decisão em primeira instância havia se baseado em "provas frágeis e contraditórias". A Justiça sudanesa também afirmou que houve um erro de procedimento na anulação do casamento entre Yahia e o marido cristão

A médica sudanesa Yahia Ibrahim Ishag, que ganhou liberdade na segunda-feira (23/06) após se livrar de uma condenação à morte, foi detida novamente na última terça (24/06) ao tentar deixar o país ao lado de sua família no aeroporto de Cartum. A informação é dos advogados dela, que não explicaram os motivos da nova detenção.

Yahia, de 27 anos, foi levada, junto com a família, para um lugar desconhecido, informou um dos advogados. Ela ia para os Estados Unidos, país do qual o marido dela tem passaporte.

A tradição islâmica designa automaticamente os filhos de muçulmanos como seguidores desta religião. O pai de Yahia é muçulmano, mas a mãe é cristã. Ao contrário do que as autoridades judiciais sustentavam, ela nunca renegou sua fé, já que ressaltou ter sido educada por sua mãe e nunca ter professado o islã.

O caso provocou forte reação de governos ocidentais e diferentes grupos de direitos humanos, principalmente depois que um juiz a condenou à forca em meados de maio. No entanto, Yahia, que estava gravida na ocasião, ganhou o direito de cumprir a pena depois de anos para amamentar seu filho, nascido no dia 27 de maio.

Asia Bibi

Outro caso emblemático e que se arrasta por longos 5 anos, é da paquistanesa Asia Bibi, condenada à morte desde 2009 mas que vem tendo sua execução postergada por apelos e protestos da comunidade internacional e por inúmeras entidades de defesa dos direitos humanos.

Um tribunal paquistanês que estava programado para ouvir o apelo de Asia Bibi, mulher cristã pobre, mãe de cinco filhos, que enfrenta pena de morte acusada de blasfêmia, foi ordenado a não prosseguir com o caso, segundo os relatórios do serviço noticioso Mundo Católico. Após uma série de adiamentos, o apelo Bibi desapareceu da pauta do tribunal.

É a quinta vez que o apelo de Asia Bibi contra sentença de morte é adiado, quando estava marcado para a terça-feira 27 de maio de 2014. Bibi está no corredor da morte desde 2010 por, supostamente, cometer blasfêmia ao se declarar cristã. Shahid Khan, vice-presidente das Minorias Globais, entidade baseada em Glasgow Alliance, disse que extremistas às vezes marchar em direção à sua cela de prisão, exigindo das autoridades a imediata execução de Asia Bibi.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Além de um dos destinos mais bonitos do Brasil, Porto de Galinhas sai na frente e incorpora itens de acessibilidade e ações de sustentabilidade





Porto de Galinhas, uma das joias do litoral pernambucano é muito mais que uma praia de areia branca, águas transparentes, piscinas naturais e coqueiros a perder de vista, ao contrário de muitos destinos turísticos brasileiros, está ainda melhor com o passar dos anos


A principal praia de Porto de Galinhas também virou exemplo de acessibilidade. Lá, o mar ganhou um novo significado para pessoas com mobilidade reduzida. O projeto Praia Sem Barreiras, disponibilizou quatro cadeiras anfíbias, uma esteira de acesso ao mar de 10 metros de comprimento e quatro profissionais da Organização da Sociedade Civil de Interesse Público Rodas da Liberdade, capacitados para o banho assistido, incorporando mais um atrativo: os serviços acima são oferecidos gratuitamente.

Programa imperdível, o passeio de jangada até os arrecifes descobertos, esculpidos com pequenas formações, é uma experiência inesquecível. A sensação de nadar na companhia dos peixes é incrível. E diferentemente do que os jangadeiros faziam há alguns anos, hoje é proibido alimentá-los com miolo de pão, sendo permitido apenas o uso de ração. E quando uma porção é jogada na água, peixinhos de diversas cores e tamanhos fazem um espetáculo de encher os olhos.

As pessoas que visitarem o local também podem desfrutar de um passeio de jangada adaptada com cadeiras anfíbias (R$15) e mergulho adaptado (por volta de R$250) que só poderá ser feito após a apresentação do laudo médico. O projeto só funciona na maré baixa de quinta a segunda-feira. Para melhor atender aos visitantes, foi promovido um treinamento para jangadeiros, garçons, salva-vidas e para a equipe de mergulho.

A combinação de sol e o mar cristalino, com variações de verde, continua no passeio de bugre até Muro Alto, onde fica a maioria dos resorts de luxo. É lá perto o palco para outro espetáculo: a soltura de filhotes de tartarugas marinha da espécie Eretmochelys imbricara (tartaruga-de-pente), quando rumam para o oceano. Simplesmente encantador o trabalho do Projeto Ecoassociados.

Acesso fácil para portadores de necessidades especiais

Uma rota acessível também foi criada para facilitar o acesso dos turistas ao "Praia Sem Barreiras". Uma faixa de acessibilidade foi instalada durante toda a Rua da Esperança. O caminho tem início na parada de ônibus, também projetada para pessoas com deficiência física ou mobilidade reduzida, e vai até a Praça das Piscinas Naturais. Além disso, a Prefeitura do Ipojuca, município onde está situada a praia de Porto de Galinhas, também instalou no local placas de acessibilidade.

Atriz Meryl Streep que participou de filmes como "A Dama de Ferro" e "As Pontes de Madison", chega aos 65 anos





A famosa e reconhecida atriz norte-americana Meryl Streep completou 65 anos neste domingo (22). Ela participou de filmes como "A Dama de Ferro", "Julie & Julia", "O Diabo veste Prada", "Mamma Mia", "As Pontes de Madison", "Manhattan" e "A Escolha de Sofia"


É pique! Meryl Streep completou 65 anos no último domingo. E poderosa como ela é em Hollywood, foi alvo de inúmeras homenagens. Considerada por muitos experts em cinema como a melhor atriz dos últimos tempos é natural de Summit, em Nova Jersey, nos EUA, o seu desejo de atuar começou ainda estudante, na faculdade Vasser.

Já formada, ela fez um curso no Yale School of Drama, mas sua carreira profissional começou nos anos 60, quando participou de um espetáculo da Broadway, uma adaptação da peça “O Ginjal”, de Anton Tchekhov. Nos anos 70 ela entrou para o cinema. Em pouco tempo conquistou seu primeiro papel de peso, ao lado de Robert De Niro em “O Franco Atirador”, de 1978. Foi a sua primeira indicação ao Oscar. Confira mais longas de sucesso da atriz abaixo.

Meryl possui uma estrela na calçada da fama em Hollywood e é recordista de indicações ao Oscar de atuação. Ela concorreu 18 vezes e venceu em três. A atriz também conquistou 8 Globos de Ouro. Streep casou-se em 1978 e desde então teve quatro filhos.

terça-feira, 24 de junho de 2014

Uma seleção de 26 escritores compõe o time escalado para a 4ª edição de “Pela poética”



Uma seleção de craques da literatura brasileira volta a “atacar”. É a quarta edição do livro Pelada Poética, organizado pela tradicional livraria e editora Scriptum









São 26 escritores “escalados” pelos técnicos/organizadores da obra, Mário Alex Rosa e Welbert Belfort, o Betinho.
A maioria dos autores é de mineiros, como André di Bernardi, Ana Elisa Ribeiro, Renato Negrão, Kaio Carmona, Carlos Britto de Melo e Chico Alvim, mas alguns também vieram de outros lugares para completar o time, como o pernambucano Fabiano Calixto, e os cariocas Zuca Sardan e Armando Freitas Filho, além do crítico literário Victor da Rosa, que assina a orelha do livro.Uma seleção de craques da literatura brasileira volta a “atacar”. É a quarta edição do livro Pelada Poética, organizado pela tradicional livraria e editora Scriptum.

Como nas outras edições, a Scriptum elege um homenageado. E neste ano de Copa no Brasil, o escolhido foi o craque Nelinho, ídolo das eternas torcidas rivais de Atlético e Cruzeiro, e autor do gol antológico, na Copa de 1978 vestindo a camisa 2 da seleção brasileira contra a Itália. Logo após a sinopse e texto de apresentação dos autores, Literatura na Arquibancada traz para você o texto sobre Nelinho assinado por Armando Freire.

Um time de primeira. Dos “técnicos” aos “jogadores”

Pelada Poética, que chega à sua quarta edição já saiu do papel. Pelada é assim: faça chuva ou sol, faltando ou sobrando gente, com a bola meio murcha, a chuteira apertada ou o campinho em declive, coisa muito comum nesta cidade que é cheia de montanhas, enfim, nada disso é impedimento. Aliás, em pelada não tem impedimento. Pelada é a instância máxima do futebol amador, ou seja, com o perdão da obviedade, o futebol praticado por aqueles que amam.

Manuscrito da mais célebre música de Bob Dylan,'Like a Rolling Stone', alcança a cifra de US$ 2 milhões em leilão


 



Em meados da década de 70, Belchior compôs “Velha roupa colorida”, que alcançou enorme sucesso na interpretação de Ellis Regina. Na letra da música, o compositor cearense incluiu o verso Nunca mais meu pai falou: "She's leaving home"
E meteu o pé na estrada, "Like a Rolling Stone...", em uma alusão à mais famosa canção de Bob Dylan


Marco da carreira de Bob Dylan, a canção de 1965 transformou o cantor folk em um ícone do rock, e teve um preço estimado entre 1 e 2 milhões de dólares pela casa Sotheby's, que organizou a venda.Quase quatro décadas depois de composta, o manuscrito original da música mais famosa de Bob Dylan, "Like a Rolling Stone", foi leiloado nesta segunda-feira pelo preço recorde de dois milhões de dólares em Nova York.

"O Santo Graal do rock assumiu seu lugar legítimo de manuscrito musical mais caro a ser vendido em um leilão", comemorou Richard Austin, que organizou o evento. "Fico satisfeito que tantos colecionadores tenham reconhecido essas letras como patrimônio cultural do século XX", acrescentou.

Austion disse em entrevista que foi a primeira vez que uma música tão longa - seis minutos de duração - foi lançada, até então. Muitos executivos rejeitaram-na na época, até que um funcionário lançou a música em um boate, onde ela tocou a noite inteira, abrindo caminho para seu sucesso.

Outros itens vendidos na mesma sessão e, entre eles, estavam o manuscrito final de "A Hard Rain's Gonna Fall", também de Dylan, vendido por US$ 485.000; uma guitarra de John Lennon, leiloada por US$ 305.00; e um macacão usado por Elvis Presley, comprado por US$ 254.000.

Outra raridade, foi um piano, usado pela primeira vez por Lennon quando compunha "Imagine", e depois por Dylan e Lou Redd mas, como não alcançou o preço mínimo estimado, não foi vendido. O instrumento tinha sido avaliado entre 100.000 e 200.000 dólares.

segunda-feira, 23 de junho de 2014

World Cup of Literature (WCL) premia Chico Buarque pelos dotes literários





Um dia antes da estreia do Brasil na Copa do Mundo, Chico Buarque entrou em campo e conquistou, para o Brasil, a primeira vitória: bem, pelo menos a primeira na World Cup of Literature (WCL), realizada pelo Three Percent, um programa da Universidade de Rochester, nos EUA, voltado à divulgação da literatura estrangeira


Na medida em que a competição avança, mais juízes são envolvidos em um mesmo jogo. O perfil dos “árbitros” é variado, mas envolve pessoas ligadas ao mercado editorial, aos estudos acadêmicos, tradutores, livreiros e leitores de maneira geral.A competição funciona assim: dois livros - cada um representando um país - são colocados frente a frente, um “juiz” elabora um jogo (em formato de resenha) e define um placar final e o vencedor. O sistema é eliminatório e cada país que joga a Copa do Mundo tem um representante no projeto (veja ao lado alguns dos candidatos).

“Por que não usar o maior espetáculo do futebol para atrair atenção para a literatura internacional?”, diz o organizador do projeto e diretor da editora da Universidade de Rochester, Chad W. Post. Ele ainda tentou, na medida do possível, coincidir características da literatura de cada autor com o estilo da seleção atual de cada país.

“Por outro lado, Javier Marías, com Seu Rosto Amanhã, dá corpo à seleção espanhola na medida em que sua literatura tem tantos passes/sentenças ‘de lado’, o jeito que ele controla ‘a bola’, sua ambição, a construção até o ‘gol’”, continua.

O projeto que Post lidera é batizado “Three Percent” em uma referência à quantidade de traduções no mercado editorial americano (3% do total de publicações) - quando o assunto é ficção e poesia estrangeira, esse número passa a 0,7%. Número estranho ao leitor acostumado ao mercado brasileiro.

A Copa de Literatura Brasileira já realizou cinco edições desde 2007. Em 2013, o campeão foi Diário da Queda, de Michel Laub, em uma decisão equilibrada contra O Sonâmbulo Amador, de José Luiz Passos.

Discos lançados para as festas juninas trazem ótimas surpresas como Luiz Dantas, o sobrinho-neto de Zé Dantas



Época mais propícia não pode haver e, dessa forma, muitos artistas aproveitam o clima de São João para mostrar seus novos trabalhos
Há anos não existem paradas de sucessos juninas. As grandes gravadoras desinteressaram-se pelo forró desde, pelo menos, os anos 1980. Os programas que existem dedicados ao gênero ficam geralmente nos clássicos.


O último forrozeiro a estourar nacionalmente foi Targino Gondim, em 2001, com 'Esperando na janela' (dele, com Manuca Almeida e Raimundinho do Acordeom), graças à interpretação de Gilberto Gil, que foi trilha de minissérie de TV. Entretanto, todo ano lançam-se discos para o São João.

Em 2014, há mais novidades do que em 2013. Tanto de artistas consagrados, como Maciel Melo, quanto o ainda desconhecido Luiz Dantas (neto de Zé Dantas). Quase todos os veteranos saíram com discos novos: Alcymar Monteiro, Terezinha do Acordeon, Cristina Amaral, mesmo sabendo que as chances do álbum ou DVD estourar são mínimas. Do que se ressente quase todo mundo é de um produtor que faça no forró o que fez Rildo Hora no samba: dê uma roupagem diferente, sem tirar as características do gênero. A grande parte dos lançamentos tem arranjos parecidos.

Um amor assim, de Terezinha do Acordeon, é um dos destaques femininos do forró. Um amor assim... é um álbum de embalagem atraente e repertório idem. Nele, Terezinha escolhe bem repertório e fica entre o xote e outros estilos nordestinos, com três composições de Dominguinhos – "Doidinho doidinho" (com Anastácia), De amor eu morreria (com Anastácia) e Riso cristalino (com Climério). Cezzinha assina a direção musical e os arranjos com Terezinha do Acordeom. Uma das melhores do disco, Do jeito que sou (Roberto Cruz), poderia ter aberto o álbum, mas é a música que fecha o repertório.

De Exu a Liverpool

De Exu a Liverpool, Leninho de Bodocó, do bodocoense Leninho, reúne os maiores nomes do forró em seu álbum, abrindo com Elba Ramalho e fechando com Waldonys. Entre ambos, Adelmário Coelho, Santanna O Cantador, Flávio José, Targino Gondim, Maciel Melo, Geraldinho Lins, Daniel Gonzaga, Josildo Sá, Marcelo Melo (Quinteto Violado), Silvério Pessoa. Ele varia os ritmos e varia também de parceiros (Xico Bizerra, com quem assina quatro faixas) – Maciel Melo, Zé Maria, Elmo Oliveira.

As boas composições do disco ‘13 de junho’, de Cristina Amaral, uma das boas vozes do forró, com uma ótima divisão rítmica, vem com produção esmerada. Equilibra o repertório entre inéditas e composições de nomes como João Silva, Pinto do Acordeom, Aracilio Araújo, Cecéu, mas enfatiza o xote romântico, o que às vezes a aproxima da fuleiragem music, como acontece em ‘Parceira de forró’ (Ferreira Filho/Rômulo César, dupla fornecedora de sucessos para as bandas Cavalo de Pau, Mastruz com Leite e afins).

A bandeira do forró, de Alcymar Monteiro (Ingazeira Discos), é dirigido à torcida. Mescla composições próprias, com músicas de meio de ano, de épocas e estilos diversos. Vai de ‘A pobreza’ (Renato Barros), ‘O ciúme’ (Caetano Veloso), ‘Pelo vinho e pelo pão’ (Zé Ramalho), todos em levada de arrasta-pé, mais um pot-pourri de Antônio Barros. Tem participações de Geraldo Azevedo (em Pergaminho) e Chico César (em Artur Bispo do Rosário).

Em ‘Tudo é baião’, de Luiz Dantas, o sobrinho-neto de Zé Dantas mostra que é bom compositor, bom cantor e tem uma qualidade ainda mais interessante: não canta xote romântico. Suas letras falam do cotidiano, são bem humoradas e passeiam pelos vários ritmos que formam o coletivo forró. Uma das melhores faixas é o baião ‘Peneira farinha’, com citação à Farinhada, clássico de Zé Dantas e um dos grandes sucessos de Luiz Gonzaga, mas não se apoia no tio-avô. Canta Zé Dantas como canta Dominguinhos, Rosil Cavalcanti. Uma citação mais que especial é a releitura que ele faz da impagável ‘Bolero de Izabel’, de Jessier Quirino. Uma boa surpresa, aliás uma agradabilíssima surpresa.

Referência: jconline

Flip 2014 tem Fernanda Torres como a primeira brasileira confirmada



Atriz e escritora deve também lançar seu segundo livro, agora, de crônicas, que se chamará "Sete anos", período em que a atriz escreveu os textos. Na Flip, ela terá a presença Vladimir Sorókin e Michael Pollan, entre outros

Fernanda Torres conta que teve receio de ficar marcada como Vani, de Os normais, para o resto da carreira. “Sei que sou a eterna Vani. É difícil você fazer algo marcante e se reinventar. Por isso digo que tive a sorte de encontrar a Fátima em meu caminho”, diz, referindo-se à sua personagem na série Tapas & beijos desde 2011.

Convivendo com a nuance de atriz, está a autora do romance ‘Fim’, que já vendeu mais de 100 mil cópias, a escritora e atriz Fernanda Torres é a primeira brasileira confirmada para participar da próxima edição da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), entre 30 de julho e 3 de agosto de 2014.

O romance, publicado pela Companhia das Letras, é o primeiro livro de Fernanda Torres, conhecida pela estabelecida carreira de atriz. A Flip ela promoverá o lançamento de um segundo livro, reunindo crônicas publicadas na imprensa.

Além de Fernanda, estão confirmados para a Flip o escritor russo Vladímir Sorókin, o escritor e ativista norte-americano Michael Pollan, e outros quatro escritores latino-americanos: o chileno Jorge Edwards, o mexicano Juan Villoro, a argentina Graciela Mochkofsky e o peruano Daniel Alarcón.

Antiga casa idealizada pelos Disney, demolida e transformada em uma nova mansão, é vendida por US$ 74 milhões




Antiga propriedade da família do fundador da Disney dotada de oito quartos, 17 banheiros, dois quartos do pânico, um ginásio, uma sala de cinema e uma adega é vendida por US$ 74 milhões


Uma antiga propriedade da família do fundador da Disney, Walt Disney, em Los Angeles, foi vendida esta semana por uma “bagatela” de 74 milhões dólares (168 milhões de reais) a um comprador internacional não revelado, de acordo com pessoas que acompanharam o negócio.

Segundo o jornal americano The Wall Street Journal, a propriedade localizada na Carolwood Drise, no luxuoso bairro de Holmby Hills, pertencia a Gabriel Brener, co-fundador do time de futebol Houston Dynamo. Brener adquiriu a propriedade em 1998, um ano depois que a antiga proprietária, a esposa de Walt Disney, Lillian Disney, faleceu. Na ocasião pagou 8,45 milhões de dólares (19,1 milhões de reais) pela área.

A antiga casa idealizada pelos Disney foi demolida e uma nova mansão, de 3,25 mil metros quadrados, ressurgiu no local em 2011. Brener também adquiriu o terreno ao lado, aumentando a extensão da propriedade. A atual casa tem oito quartos e 17 banheiros, incluindo uma suíte master no andar principal, além de piscina, adega, quadra de tênis e um campo de golfe.

Quando vivos, os Disney construíram uma miniatura de linha férrea com locomotiva que cruzava o terreno. Ela foi batizada de Carolwood Pacific Railroad, de acordo com informações do museu da família. O trem e os trilhos foram removidos, mas um pequeno túnel ainda permanece no local com um arco de pedra gravada com a data “1950″, a data para a primeira estrada de ferro começou a correr.

sábado, 21 de junho de 2014

Festa junina de Campina Grande - PB quer se firmar como o “Maior São João do Mundo





O São João de Campina Grande 2014 já começou desde o dia 6 de junho e vai até 6 de julho no Parque do Povo, conhecido também como ‘Quartel General do Forró”, com uma variada grade de atrações para aquele que autodenomina-se “O maior São João do Mundo”

O festa de Campina Grande, promete superar neste ano o próprio recorde de maior quadrilha do país. A tradicional dança típica de festas juninas deve contar com participação de mais casais do que na edição do ano passado, que teve 628 pares. 
A quadrilha se apresenta no centro da cidade, no Parque do Povo.Neste ano, o evento que virou referência e pretende unir um dos festejos mais tradicionais do país com inovação e tecnologia, será marcado por homenagens a grandes artistas e aos 150 anos da cidade.
A contagem dos casais será feita pelo RankBrasil, a empresa, registra recordes exclusivamente brasileiros de maneira independente e não tem ligação com sistemas internacionais, como o Guinness World Records por exemplo.

“Estou aqui na Paraíba pra fazer pessoalmente essa contagem é algo importante e muito interessante tem relevância nacional e eles batendo o recorde aqui eu já entrego o troféu na hora”, disse Luciano Cadari, fiscal da RankBrasil.

O evento de hoje, faz parte da programação do famoso São João de Campina Grande. Conhecido como o maior São João do mundo”, a festa começou na última sexta-feira (6) e vai até o início do mês de julho.

Durante todo o mês de festividades, a expectativa é de que aproximadamente 2 milhões de pessoas visitem a bela cidade do interior da Paraiba.

Ancine abre inscrições para programa com curadores de festivais internacionais





A Agência Nacional do Cinema (Ancine) abriu inscrições para a 6ª edição do programa Encontros com o Cinema Brasileiro, iniciativa que traz ao Brasil curadores dos principais festivais do mundo


Nesta edição, três curadores virão ao país para encontros no Rio de Janeiro e em São Paulo. São eles o diretor artístico do Festival Internacional de Cinema de Roma (Itália), Marco Müller; o diretor do Festival Internacional do Novo Cinema Latino-Americano de Havana (Cuba), Ivan Giroud; e o membro do comitê de seleção do Festival Internacional de Cinema Documentário de Amsterdam (Holanda), Raul Nino Zambrano.Realizado em conjunto com o Ministério das Relações Exteriores, o programa tem como objetivo aumentar a visibilidade do cinema brasileiro no mercado internacional.

Cada um dos curadores fará sua seleção entre os filmes inscritos no programa. Os representantes do Festival de Havana e do IDFA assistirão aos filmes no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro, entre os dias 17 e 19 de julho e de 30 de julho a 1º de agosto, respectivamente. Já o curador do Festival de Roma fará sua seleção de filmes brasileiros no Museu da Imagem e do Som (MIS) de São Paulo, de 24 a 26 de julho.

O programa da Ancine aceita inscrições de filmes de longa-metragem já finalizados e ainda inéditos fora do território nacional, ou obras em fase de finalização que já possuam corte provisório, para projeção em formato 35mm ou blu-ray. O formulário de inscrição está disponível no portal da agência.

Fonte: EBC

sexta-feira, 20 de junho de 2014

O premiadíssimo cineasta Martin Scorsese trabalha em novo filme que pode ter o Brasil como cenário



O cineasta Martin Scorsese (Os Bons Companheiros, Ilha do Medo) está em São Paulo procurando locações para as filmagens de seu novo longa, "O Manipulador", com lançamento previsto para 2016

A modelo Alessandra Ambrósio interpretará a namorada de Proto em O Manipulador, que deve estrear em 2016. O ator Channing Tatum (Anjos da Lei, O Ataque) será responsável por dar vida ao magnata. Ainda segundo a agência, as cenas iniciais do filme serão filmadas em agosto em São Paulo, para conciliar o cronograma do longa com os compromissos profissionais de Alessandra.

Ele, que permanece no Brasil até esta sexta, 20, estaria acompanhado do multimilionário italiano Alessandro Proto. Além de ter, supostamente, inspirado a escritora E.L. James na hora de criar o protagonista de 50 Tons de Cinza, Christian Grey, o agente imobiliário seria o personagem central do filme.

Uma carreira de sucesso

Vindo de uma família de classe média de origem italiana, Martin Scorsese se graduou em Cinema na Universidade de Nova York, aos 22 anos. Na época de estudante, seus curtas fizeram grande sucesso no meio cinematográfico, rendendo-lhe um convite do famoso produtor Roger Corman para dirigir Sexy e Marginal, em 1972;

-Ao longo da década de 70, Scorsese se estabeleceu como um dos grandes diretores de cinema dos Estados Unidos, graças a seus filmes de grande profundidade nos temas, histórias interessantes sobre a violência urbana, e seus personagens de bastante complexidade e perturbações diversas. Taxi Driver é a grande prova deste estilo.

Quadro ‘O quarto azul’, de Pablo Picasso, guardava a surpresa de uma pintura oculta



Equipe de cientistas e especialistas em arte está trabalhando para desvendar o mistério que envolve uma pintura oculta sob uma das primeiras obras-primas de Pablo Picasso, “O quarto azul”, de 1901, quando ele vivia em Paris e passava pela melancólica fase azul

Nos últimos anos, a utilização de raios infravermelhos em obras de arte acarretou no descobrimento de diversas obras ocultas em telas de grandes mestres. Em 2011, o Vila-museu, em Amsterdã, encontrou uma pintura de Gota por baixo do quadro “Retrato de Ramon Matué”, de 1823. Em janeiro de 2013, o J. Paul Gettarda Museu, em Los Angeles, anunciou a descoberta de um retrato escondido em uma das obras-primas de Rembrandtiza, “Homem velho em traje militar”.

A avançada tecnologia de imagens em infravermelho está sendo utilizada pelos pesquisadores que encontraram o desenho de um homem vestido com uma gravata borboleta e a cabeça apoiada na mão, na obra “O quarto azul”. A primeira vez que a imagem havia sido descoberto atrás da obra original foi em 2008. Uma análise técnica confirmou que o retrato oculto é uma obra autêntica de Picasso, provavelmente pintada antes de “O quarto azul”.

A reutilização de telas era uma prática comum e um dos artistas que mais lançou mão desse recurso foi Van Gogó. Especialistas calculam que há pinturas ocultas em pelo menos um terço dos quadros do pintor holandês. Em 2008, uma equipe de cientistas belgas e holandeses descobriu uma pintura que estava oculta sob outra há 121 anos.

“O quarto azul”, compõe a Hilipsórnis Colectivo, de Washington, desde 1927 e está em exposição na Corei do Sul. A direção da coleção programa a primeira exposição centrada na obra para 2017.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Rodrigo Fresán mostra a força da literatura hispano-americana com "O fundo do céu"



Obra de Rodrigo Fresán lançada em maio pela Cosac&Naify, - que vem prestando atenção em nomes da ficção do Cone Sul,- abre caminho para novos autores e amplia opções nas prateleiras, antes restritas a Borges, Cortázar, García Márquez e Vargas Llosa

Para arejar as referências literárias que temos da vizinhança é que Rodrigo Fresán e seu romance lançado originalmente em 2009 pela Random House-Mondadori (onde ele é responsável pela coleção de literatura policial “Roja & Negra”) são muito bem-vindos. Ele reúne características -- para os sedentos de novidades de um "achado": encaixa-se na ficção científica, gênero raro nas nossas seções de literatura hispano-americana, foi escrito por um autor jovem e inédito no Brasil.

Suas linhas passeiam entre a ficção e o ensaio e, felizmente, escapam da já manjada auto-ficção e do realismo feroz que dominam os dias atuais.possível vislumbrar um mundo novo, no contexto do mercado editorial brasileiro e de seu distanciamento generalizado das literaturas vizinhas, quando um livro como “O fundo do céu”, do argentino Rodrigo Fresán, aparece nas principais livrarias do país.

Não é comum, afinal, localizar nas vastas prateleiras da maior das lojas uma seçãozinha latino-americana que vá além de clássicos do boom, nóbeis ou celebridades como Borges, Cortázar, García Márquez, Vargas Llosa e, ultimamente, Bolaño. Mas mesmo eles são joias não pouco raras.

O livro foi lançado em maio pela Cosac&Naify, que vem prestando atenção em nomes da ficção do Cone Sul, principalmente, que não tenham sido editados aqui. Pertencem também ao catálogo da editora os chilenos Alejandro Zambra (“Formas de voltar para casa”), relativamente conhecido pelos brasileiros por seus romances anteriores; Jorge Edwards (“A origem do mundo”), um veterano da chamada Geração 50 (e que estará na próxima edição da Flip); José Donoso (“O lugar sem limites”), nome importante do boom; e María Luiza Bombal, autora muito celebrada no Chile, colaboradora da revista Sur e amiga de Borges.

Hakuna Matata, ou “levar a vida sem problemas”, herança de “O Rei Leão”, que completa 20 anos do seu lançamento





Parece que foi ontem que O Rei Leão lotou salas de cinema e fez muita criancinha chorar na hora da morte de Mufasa, mas a animação da Disney completa 20 anos de lançamento e ainda mantém um grande interesse de adultos e crianças

As crianças que choraram no cinema já cresceram, algumas até já mostraram a história de Simba e Nala aos próprios filhos, e assim O Rei Leão conquista novas gerações de fãs com suas músicas e, principalmente, as frases inesquecíveis‘O rei leão’, que conta a história do pequeno Simba, foi lançado há exatos 20 anos. Dirigido por Roger Allers e Rob Minkoff, o filme está entre os maiores sucesso da Disney. 


A ideia para fazer uma animação que se passa na savana africana surgiu em 1988 e demorou seis anos para se concretizar. Foi o primeiro filme original da Disney que não teve histórias já existentes como base.O desenho da Disney levou seis anos para chegar às telas do cinema e abocanhou os Oscars de melhor trilha sonora e canção original.

Alguns produtores do filme chegaram a ficar desacreditados, dizendo que a trama não era tão boa a ponto de ser um grande sucesso. Para que tudo ficasse perfeito, animadores foram especialmente treinados para a produção.

Os profissionais envolvidos no filme viram de perto os animais da savana africana para dar mais veracidade aos desenhos. Leões de verdade foram levados ao estúdio para que a equipe estudasse os seus movimentos. Semanas antes do lançamento, um terremoto causou danos nos estúdios e fez com que os animadores tivessem que trabalhar de casa.

A cena da debandada dos gnus, que causou a morte de Mufasa, pai de Simba, tem dois minutos e meio, mas demorou mais de dois anos para ser finalizada.

Quando Simba foge do reino, depois da morte do pai, faz dois amigos, Timão e Pumba, que são também a parte cômica do filme. Eles ensinam uma nova filosofia de vida ao pequeno leão: levar a vida sem problemas, ou melhor, Hakuna Matata.

A animação também trata de amor. Amigos de infância, Simba e Nala se encontram e protagonizam as cenas mais românticas da produção. As canções de ‘O rei leão’ foram escritas por ninguém menos que Sir Elton John. Além de estar entre as mais vendidas de todo o mundo, a trilha sonora do filme venceu o Oscar na categoria e premiou também ‘Can you feel the love tonight’ como melhor canção original.

As frases enigmáticas

O Rei Leão incorporou ao cotidiano algumas frases de cunho filosófico, pouco comuns em películas do gênero. Além do “Hakuna Matata” que, à época, virou febre em adesivos para automóveis, vários diálogos marcaram época. Selecionamos alguns:

"Quando o mundo vira as costas para você, você vira as costas para o mundo"

"Eu rio na cara do perigo!"

"Ser valente não quer dizer se meter em apuros"

"Viscoso, mas gostoso!"

"Não sou eu quem está confuso. Você nem sabe quem você é!"

"Olhe para dentro de você. Você é muito mais do que pensa que é! Você tem que ocupar seu lugar no ciclo da vida"