Construção - Reforma - Manutenção

Construção - Reforma - Manutenção
Clientes encantados é a nossa meta!

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Usina Hidrelétrica de Itaipu chega aos 30 anos e, além de gerar energia, é uma ótima opção de turismo

Conhecer o “coração” da usina e sentir a sua “pulsação”. A visão panorâmica, do mirante central, é fascinante. Todavia, o gigantismo da Itaipu é ainda mais perceptível quando se percorre a barragem. Caminhar pelo alto do paredão de concreto rende uma vista privilegiada do reservatório

A Usina Hidrelétrica de Itaipu completa hoje (5) 30 anos de operação. Nesse período, gerou um total de 2.167.763.264 mega watts-hora (MWh) – energia suficiente para suprir o consumo de todo o Planeta por um mês, sete dias, 11 horas e 42 minutos. A produção acumulada do período poderia também abastecer a Região Centro-Oeste por praticamente 66 anos, o Brasil por quatro anos e oito meses ou a América Latina por mais de dois anos e cinco meses.

São números impressionantes, principalmente se levarmos em conta que os promotores da obra foram Brasil e Paraguai: dois países que, na época, eram considerados periféricos e sem capacidade para tocar um empreendimento de tal envergadura.

Ao longo dos 30 anos de operação, a usina não gerou apenas energia. “Geramos muito conhecimento. A inteligência que se acumulou para construir Itaipu, especialmente pelos profissionais das áreas de tecnologia da informação, cientistas e ambientalistas, foi aproveitada também no nosso parque tecnológico”, ressaltou o diretor.

Entre os projetos desenvolvidos no parque da usina estão o carro elétrico brasileiro e acessórios para esse tipo de veículo, como baterias para aproveitamento de energias solar e hidráulica. “Avançamos muito no desenvolvimento de técnicas de armazenamento e produção de energia por meio de hidrogênio”, lembrou Samek.

Itaipu gera também tecnologias sociais. Após constatar que o reservatório da usina e os rios da região haviam sido contaminados por fezes de gado e de porcos criados na área, os técnicos desenvolveram sistemas de aproveitamento energético a partir das fezes desses animais. Com equipamentos de geração e transmissão de energia, as fezes são transformadas em biogás para abastecer, de energia elétrica, fazendas da região.

Potencial turístico

Itaipu tem inúmeras vertentes turísticas que vão desde a contemplação até a exploração de túneis, passando por museus e parques. Dentre estas atrações, pode-se destacar:

Visita ao interior de Itaipu

Permite a visita ao interior da barragem. Dispõe de atendimento diferenciado, com monitores bilíngues, utilização de sala especial para a exibição de um filme sobre Itaipu e ônibus especial com água a bordo e roteiro para acompanhamento. Com duração aproximada de 2 horas e 30 minutos. O roteiro tem sete etapas e em todas elas é permitido fotografar e filmar:

Ecomuseu
Permite conferir a exibição inovadora do acervo do Ecomuseu, baseada na interatividade e em recursos de exposição incomuns, como cenários fiéis ao passado e maquetes. O visitante percorre um circuito dividido em módulos que apresentam desde a ocupação da região da usina na margem brasileira até os projetos de conservação ambiental da Itaipu. Dentro desse roteiro estão atrações como os espaços temáticos de água e energia. Há também uma réplica do eixo de uma turbina em atividade, com direito aos ruídos característicos do coração da usina. Um painel de fotos 3X4 homenageia as 40 mil pessoas que trabalharam na construção da hidrelétrica.

Zoológico Regional de Itaipu
Aqui, é possível apreciar a riqueza e a diversidade da fauna na margem paraguaia do entorno da Itaipu. O Zoológico Regional de Itaipu abriga espécies nativas em uma área de 12 hectares, com ambientes adequados para que os animais possam desenvolver seus hábitos. Pesquisadores trabalham na reprodução em cativeiro de espécies ameaçadas de extinção, como a onça-pintada e o jaguar. As instalações podem ser percorridas pelo visitante, que também participa de atividades de educação ambiental.

Turismo de aventura no Parque Nacional do Iguaçu
Entrar de cabeça em aventuras que afloram emoções e colocam os nervos à prova. O palco principal para as atrações radicais é o Parque Nacional do Iguaçu. O passeio mais consagrado é o Macuco Safari, uma ousada navegação pelo Rio Iguaçu. Ligeiros botes infláveis rasgam as corredeiras rio acima para levar os turistas a menos de cinco metros das quedas das Cataratas do Iguaçu. Quer mais emoção? A dica é praticar rafting em violentas corredeiras embaladas pelas Cataratas, em botes infláveis, impulsionados a remo.

Esportes radicais

Outra alternativa é o Campo de Desafios, circuito que oferece várias modalidades de esportes desafiadores, como arvorismo, escalada em rocha, escalada indoor , rapel e tirolesa. Uma sugestão aos aventureiros é escalar o cânion do Rio Iguaçu e praticar o rapel, com descidas de 40 metros de altura, tendo as Cataratas como pano de fundo. Para quem não é assim tão chegado a manobras radicais, as trilhas dentro do Parque Nacional do Iguaçu são um passeio seguro e deslumbrante. As sugestões são a Trilha da Bananeira e a Trilha do Poço Preto. No Paraguai, a atração é a edição anual do “Aventura Paraguay”, evento de eco aventura com três dias de duração realizado em setembro. Os atletas percorrem um circuito de 189 km ao longo do Complexo Turístico Itaipu, que inclui um rapel de 40 metros nos Saltos Monday, canoagem no lago de Itaipu, trekking e bikking.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!