Construção - Reforma - Manutenção

Construção - Reforma - Manutenção
Clientes encantados é a nossa meta!

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Gravura japonesa do século 19 pode ser vista em exposição na capital paulista

As gravuras preservam traços fortemente ligados a tradição artística nipônica. “A gente nota que é uma elegância ímpar tudo, nas figuras femininas e masculinas. Há uma interação entre figura e paisagem muito forte. Essa construção é muito tradicional, pega fontes literárias dos séculos 10, 12”

Aberta no Museu Afro Brasil, no Parque Ibirapuera, zona sul paulistana, a exposição A Arte do Ukiyo-e traz gravuras japonesas da década de 1860 para a capital paulista. São 42 trípticos – conjuntos com três imagens – e um políptico – várias gravuras - pertencentes à coleção do artista visual Roberto Okinaka. Os trabalhos atendiam a uma demanda editorial de luxo da região de Edo, atual Tóquio. “Essas imagens são mercadorias. São estampas para serem veiculadas, como uma revista de arte e luxo”, explica a professora de arte e literatura japonesa da Universidade de São Paulo (USP), Madalena Hashimoto.

As obras, pouco conhecidas no Brasil, trazem uma influência ocidental que seria inesperada para um país que ainda era muito fechado à época. “Tem uma cor inesperada. Porque a cor que está trabalhada já é uma cor ocidental, com muitos tons anílicos. É o azul da Prússia, o carmesim, verde-esmeralda. São cores que não eram da paleta japonesa. Mas nesses anos, entre 1830 e 1850, começa a ter uma avalanche de pigmentos desse tipo”, destaca sobre as influências em pontos como a cor e a perspectiva usada nos desenhos.

Os elementos ocidentais foram introduzidos, de acordo com Madalena, pelos chineses e holandeses, que há mais de um século tinham conseguido penetrar no país. “Através deles, muitos livros e objetos são incorporados. Então, a gente nota que o Japão não estava tão fechado assim”, ressalta.

Por outro lado, as gravuras preservam traços fortemente ligados a tradição artística nipônica. “A gente nota que é uma elegância ímpar tudo, nas figuras femininas e masculinas. Há uma interação entre figura e paisagem muito forte. Essa construção é muito tradicional, pega fontes literárias dos séculos 10, 12”, acrescenta Madalena.

Apesar de terem sido feitas em um período de turbulência social e política, as gravuras ilustram temas amenos e cotidianos. “É a década em que está acontecendo tudo. Mas essas gravuras que são mostradas aqui são super-plácidas. Quem vê essas gravuras não imagina que o xogunato está desmoronando, tal a idealização desse universo de calma, arte e estabilidade”, analisa a professora lembrando o período histórico. A queda dos senhores feudais – xoguns – abriu espaço para a centralização do poder no imperador.

A exposição foi aberta ao público na quarta-feira (16) e se estenderá até o dia 15 de junho.

Fonte: EBC

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!