Construção - Reforma - Manutenção

Construção - Reforma - Manutenção
Clientes encantados é a nossa meta!

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

“Meteórico Fenômeno” conta a história do grupo Secos & Molhados, que marcou época na música brasileira



No ano em que o lançamento do primeiro disco do grupo Secos & Molhados completa 40 anos, Gerson Conrad presenteia fãs e leitores com recordações da época em que integrou, junto com João Ricardo e Ney Matogrosso, a banda de sucesso estrondoso. O livro Meteórico Fenômeno trata-se intencionalmente de uma fácil e breve leitura, onde são apresenta os episódios curiosos sobre os primórdios do grupo Secos & Molhados

Conduzido nos anos 70 pelo produtor Moracy do Val, o Secos & Molhados lotou ginásios e atingiu recordes de venda de discos de forma pioneira no Brasil. No início dos anos 70, o Secos & Molhados, trio formado por Ney Matogrosso, João Ricardo e Gerson Conrad, era o maior nome da música brasileira.

Os primeiros shows, a irreverência dos rostos pintados, e a sequência de acontecimentos que levou à dissolução daquela brilhante - porém curta - formação original são narrados sem aprofundamento, mas mostra a versão de um dos integrantes sobre o episódio.

O trio fez jus ao título do livro: lançou apenas dois álbuns, vendeu milhões e, a exemplo de muitos outros grupos musicais, se separou no auge. Ney Matogrosso se tornou superstar. Já João Ricardo e Conrad se mantiveram à margem do grande mercado musical. 

Em um período de muitas restrições e preconceitos no Brasil, o grupo marcou época e mostrou coragem ao se apresentar com roupas, adereços e pinturas algo andrógenas e que poderia chocar o público acostumado aos cantores certinhos da Jovem Guarda e da Bossa Nova. 

No relato nostálgico, o músico explica como o Secos & Molhados conseguiu ao mesmo tempo desafiar a censura feroz no governo militar e ainda assim conquistar um público que abrangia de netos a avós.

Agora, Conrad aproveita a ocasião para mostrar o lado dele da história. Mas não é uma biografia densa. É um livro leve, com pouco texto e recheado de recortes de jornal e fotos do acervo de Ary Brandi, que na época acompanhou as andanças do trio. 

Quem esperar revelações bombásticas ou escândalos de bastidores pode se decepcionar com uma narrativa que não se aprofunda na história do trio e tampouco traz muito além daquilo que já foi publicado anteriormente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!