Construção - Reforma - Manutenção

Construção - Reforma - Manutenção
Clientes encantados é a nossa meta!

domingo, 24 de novembro de 2013

Miguel Bosé é o homenageado como Personalidade do Ano da Academia Latina da Gravação



No evento Personalidade do Ano 2013, alguns dos grandes nomes da música latina se unem para celebrar a Personalidade do Ano 2013 da Academia Latina da Gravação, Miguel Bosé

O cantor e compositor Miguel Bosé, homenageado como Personalidade do Ano da Academia Latina da Gravação na quarta-feira (20) à noite no South Seas Ballroom do Mandalay Bay Resort and Casino em Las Vegas, exemplifica essas qualidades. O reconhecimento à Personalidade do Ano da Academia Latina da Gravação procura celebrar não apenas os logros artísticos de um artista, mas também seus esforços filantrópicos, seu compromisso com a comunidade e seu trabalho social.

Bosé não apenas traçou uma longa carreira marcada pela inovação, como também se envolveu com esforços tão nobres e díspares como promever a paz como direito universal com a fundação Paz Sin Fronteras, com seu colega e amigo Juanes; buscando melhorar o futuro das crianças indígenas no México, protegendo os mares com seu trabalho junto à organização sem fins lucrativos Oceana; ou apioando a luta pela erradicação da AIDS.

“Miguel é um artista profundamente generoso com os demais”, disse Gabriel Abaroa Jr. Presidente/CEO da Academia Latina da Gravação em sua introdução. “Ele é um convencido – e muito convincente com suas ideias”.

Mesa posta, desde a canção inicial, “Linda”, interpretada por Gian Marco, Alex Cuba e Santiago Cruz o programa musical se moveu com grande ritmo e coerência.

Ricky Martin recriou “Bambú”, música que cantou no disco Papito. “Eu o admiro, o respeito, o quero e é uma pessoa muito importante em minha carreira”, disse dirigindo-se a Bosé no final de sua atuação. “Como me influenciou!”

O show mudou de tom com Laura Pausini, que cantou uma elegante, porém forte, versão de “Te Amaré”. Pausini terminou dizendo, improvisadamente,“… sempre te amarei, Miguel Bosé”.

Julieta Venegas e Juan Compodónico, do grupo Bajofondo, cantaram “Amante Bandido”, enquanto que Alejandro Sanz interpretou com dramaticidade a “Si Tú No Vuelves”. Já Ximena Sariñana e Draco Rosa apresentaram uma versão angular e potente de “Júrame”.

Pablo Alborán e Jesse & Joy contribuíram com um medley de “Olvídame Tu/ El Hijo del Capitán Trueno/ Como un Lobo”, e Juanes escolheu “Nada Particular”, dando um carinhoso abraço no final em seu amigo e sócio Miguel Bosé para encerrar seu número.

Natalia Lafourcade e Illya Kuryaki ofereceram um contraponto sensacional de elegante sensualidade e rap (com um acento de ska) com “Morena Mía”. A noite chegou a seu ápice com a versão afro-colombiana de “Amiga”, por Carlos Vives e o incomparável Carlos Santana – mas, por incrível que possa parecer, este não foi o ponto alto do espetáculo.

O evento incluiu vários testemunhos em vídeo, como o de uma das crianças da primeira Aldea Musical patrocinada por Bosé em Oaxaca, México. Depois a apresentação do prêmio à Personalidade do Ano da Academia Latina da Gravação chamou ao palco Sanz, Juanes, Abaroa, Luis Cobos, Presidente do Conselho Diretivo e Neil Portnow, Presidente/CEO da The Recording Academy®.

“Você merece este prêmio por muitos motivos,” disse Sanz. “Te quero, te admiro, sou teu fã e sempre serei teu amigo”. Juanes, com quem Bosé já dividiu momentos importantes e difíceis, falou que “é um privilégio ser teu amigo e ser teu fã também. Você é um exemplo para todos.” “O que vocês me presentearam esta noite é fantástico”, disse Bosé, já com a presença de sua mãe Lucía no palco.

“Este prêmio é importante por várias razões”, explicou Bosé. “Se premia a parte da música, mas também o cidadão Miguel. Miguel e Bosé se odeiam, mas vivem neste corpo e não têm mais remédio que se aguentar. Este prêmio reconhece a ambos. Por isso mesmo é um prêmio extraordinário”.

E como não podia deixar de ser, esta noite foi Miguel Bosé que também ofereceu o momento musical mais memorável. Com “Nena” e depois como um generoso extra para uma platéia que não o queria deixar ir embora, uma densa, perigosa e romântica versão de “Sevilla”, com o público já todo de pé.

Já haviam saudado o artista e o filantropo, agora desfrutavam de Miguel Bosé, o intérprete, músico, bailarino e muito mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!