segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Os escolhidos dos festivais de Veneza e Toronto em 2013



O Festival de Veneza, a mostra de cinema mais antiga do mundo, vai comemorar a 70ª edição de 28 agosto a 7 setembro com uma programação variada, que combina filmes de diretores veteranos e jovens promessas do cinema


Foram divulgadas ao longo da semana as programações dos festivais de Toronto, que acontece entre 5 e 15 de setembro, e Veneza, cuja 70ª edição começou hoje, 26 de agosto e vai até 7 de setembro. Quem acompanha o mundo do cinema sabe que são dois festivais estratégicos do calendário cinematográfico e que balizam a temporada de premiações do cinema americano. Toronto é a mais concorrida plataforma de lançamento de filmes que almejam fazer bonito no outono do hemisfério norte e Veneza, com o charme e a imponência de ser o festival mais antigo do mundo, é um oásis por si só.

Se Toronto com seus mais de 70 filmes e sem mostra competitiva (há apenas um prêmio do público concedido no fim do evento) volta a impressionar com uma gama de lançamentos do mais alto calibre, Veneza decepciona. Principalmente por se tratar da simbólica marca da 70ª edição do festival, que terá o júri presidido pelo cineasta italiano Bernardo Bertolucci.

Não há grandes nomes em Veneza. Apenas dois vencedores prévios do Leão de Ouro voltam ao lido e um deles fora de competição. Não obstante, a seleção americana – que como dita o recente hábito vem forte com seis títulos – não apresenta candidatos de alto pedigree. O americano mais ansiado é o filme de abertura, Gravity, também fora de competição.


O que vale é a festa

Veneza prepara uma série de comemorações por seu 70º aniversário e na ausência de uma mostra competitiva de incontestável categoria, promoveu à inédita marca de dois documentários integrarem a seleção oficial. O americano The unknown known: the life and times of Donald Rumsfeld, do premiado Errol Morris de Sob a névoa da Guerra(2003) e Procedimento operacional padrão (2008), e o italiano Sacro Gra, de Gianfranco Rosi. O filme de Morris é muito aguardado por se propor a investigar o ex-secretário da defesa dos EUA, Donald Rumsfeld que ocupava o cargo durante o início da guerra no Iraque em 2003.

A mostra competitiva promove ainda o primeiro filme de Xavier Dolan a não debutarem Cannes. Trata-se de Tom at the farm, primeiro roteiro não original de Dolan, sobre um homem que vai visitar a família de seu namorado que faleceu e entra em choque com figuras menos liberais do que ele imaginava. O último italiano a vencer o Leão de ouro volta a disputa com L´intrepido. Gianni Amelio venceu nos anos 90 e junto com Rossi compõe a esquadra italiana no festival.

Ao todo, 20 filmes competem pelo cobiçado Leão de Ouro, que será concedido por um júri liderado pelo exigente cineasta italiano Bernardo Bertolucci. Entre os diretores experientes escolhidos para a competição oficial está o britânico Stephen Frears, que entra na disputa com "Philomena", a história real de uma mulher que foi obrigada a vender o filho, enquanto o seu compatriota Terry Gilliam vem com "The Zero Theorem", que tem no elenco Christoph Waltz e Matt Damon.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!