quarta-feira, 21 de agosto de 2013

O novo cinema Português se muda para o Ceará



23ª edição do Cine Ceará muda de foco e visita a nova geração do cinema português em sua programação que vai de 07 a 14 de setembro

O Ceará é o ponto no território continental brasileiro mais próximo ao Velho Mundo. Nada mais justo do que ser, graças à localização geográfica, a ligação entre europeus e americanos. No que se refere a audiovisual, o solo alencarino já é anfitrião tradicional do Cine Ceará, o Festival Ibero-Americano de Cinema. Chegando à sua 23ª edição, de 7 a 14 de setembro, o festival apresenta novidades conceituais e espaciais.

Deixando de lado as temáticas mais abrangentes que guiaram a programação dos anos anteriores do evento, a partir de 2013 o Cine Ceará se volta para as homenagens ao cinema contemporâneo de um país. "A gente resolveu dar uma guinada no foco do evento", explica Wolney Oliveira, diretor do festival. "A ideia é que o Cine Ceará pegue esse sangue jovem que está aí em vários lugares do mundo e concentre homenageando a cinematografia contemporânea desse país a cada ano".

A mudança, de acordo com Oliveira, também se deve à popularização gradual do fazer cinema, inclusive no Ceará, graças à evolução tecnológica e à presença de três cursos de realização audiovisual no Estado - dois dos quais são graduações.

O tributo que dá início a essa sequência é feito a Portugal, exibindo e discutindo filmes produzidos nos últimos 15 anos. Segundo o diretor, a escolha do país se justifica também pelo fato da cinematografia realizada em terras lusas ainda ser de difícil acesso aos cinemas comerciais brasileiros. A homenagem ao país ibérico se estende à atriz, cantora e cineasta portuguesa Maria de Medeiros, responsável pelo show de abertura do, cujos filmes serão exibidos em uma mostra especial. O cinema luso será tema do debate entre realizadores e público portugueses e brasileiros durante o Seminário Diálogos Visuais, na Casa Amarela Eusélio Oliveira.

Mostras competitivas

Oito produções foram selecionadas para concorrer ao Troféu Mucuripe, durante a Mostra Competitiva Ibero-Americana de Longa-Metragem. Destas, sete são completamente inéditas no Brasil. Os indicados são os brasileiros "Se Deus Vier Que Venha Armado", de Luis Dantas, "Olho Nu", de Joel Pizzini, e "Solidões", de Oswaldo Montenegro; o espanhol "Emak Bakia", de Oskar Alegria; o uruguaio-português "Rincón de Darwin", de Diego Fernández Pujol; o mexicano "El Paciente Interno", de Alejandro Solar Luna; o cubano "La Película de Ana", de Daniel Diaz Torres e o argentino "Mercedes Sosa, la voz de Latinoamérica", de Rodrigo H. Vila.
 As categorias da disputa são melhor filme, direção, fotografia, edição, roteiro, som, trilha sonora original, direção de arte, ator, atriz e prêmio da crítica. O prêmio ao vencedor é de dez mil dólares.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!