Construção - Reforma - Manutenção

Construção - Reforma - Manutenção
Clientes encantados é a nossa meta!

terça-feira, 30 de julho de 2013

Correspondência amorosa de Fernando Pessoa e Ofélia Queiroz compilada em livro



O livro com a "correspondência amorosa completa" entre Fernando Pessoa e Ofélia Queiroz, mantida de 1919 até à morte do poeta, em 1935, foi apresentado em junho passado na Casa Fernando Pessoa (CFP), em Lisboa

O organizador do volume, Richard Zenith, assinalou que "mais de metade das cartas de Ofélia Queiroz eram inéditas, até à presente publicação". No total, são publicados 348 documentos, transcritos integralmente, dos quais 156 são inéditos. 

Entre os inéditos de "Fernando Pessoa & Ofélia Queiroz - Correspondência amorosa completa", estão os últimos bilhetes trocados, como o derradeiro, enviado pelo poeta a Ofélia, datado de 14 de junho de 1935, em que agradece os parabéns enviados na véspera, de forma cordial: "Muito obrigado e identicamente com saudades".

A obra reproduz cada um dos documentos, permitindo ao leitor apreciar a caligrafia do poeta. Parte deste manancial epistolar foi adquirido pelo casal brasileiro Bia e Pedro Corrêa do Lago, num leilão em Londres, "sem disputa, na época, com qualquer instituição ou colecionador privado", como afirmam os próprios, no texto de introdução que assinam. A outra parte foi também comprada, tempos mais tarde, por este casal de colecionadores e divulgadores culturais.

No texto de apresentação da obra, Zenith afirma que esta publicação "revela factos inéditos" e "permite-nos traçar uma cronologia precisa" deste relacionamento, que qualifica como "linhas cruzadas, sem estratégia".

Ofélia, escreve Zenith, era "alegre, transparente, direta, crente (...) quase o oposto" de Fernando Pessoa, todavia, quando se encontram, "atraem-se logo". Conheceram-se em outubro de 1919, estava Pessoa de luto carregado pela morte do padrasto e, em novembro, já "trocam bilhetes e ele trata-a por 'bebé'".

"Fernando Pessoa & Ofélia Queiroz", publicado pela editora brasileira Capivara, inclui um texto de Eduardo Lourenço, "Amor e Literatura", um relato de Ofélia Queiroz, registado em 1978 pela sua sobrinha, Maria da Graça Queiroz, acerca da relação com o poeta, no qual recorda a promessa de Pessoa em lhe ensinar melhor o inglês, "depois de casados", um testemunho da sobrinha, que atesta que, "na morte do Fernando, a Ofélia apagou-se ao mundo", e recusou sempre dar qualquer entrevista.

Num dos documentos até agora inéditos, Fernando Pessoa trata Ofélia por "Querida Nininha pequena" e dá-lhe conta de que estará no Largo do Conde Barão 1/8em Lisboa 3/8, à espera dela, "no recanto da padaria Inglesa". O tratamento entre os dois é mimado e ternurento. Fernando Pessoa envolve até, na relação, um dos seus heterónimos, o engenheiro Álvaro de Campos, que se dirige a Ofélia de forma cerimoniosa e refere-se a Fernando Pessoa como "abjeto e miserável indivíduo".

Ofélia e Álvaro de Campos telefonaram-se, assim como Fernando e Ofélia, até que, em fevereiro de 1931, "'um cavalheiro anunciando-se Ricardo Reis' lhe telefona para participar que Fernando Pessoa estava incomunicável e não aparecia antes de março", escreve Zenith que questiona se seria esta uma "forma suave e desculpabilizadora" de Pessoa pôr um ponto final na relação amorosa. Ofélia insistirá em escrever para o seu "Nandinho" ou "Fernandinho", como se dirigia ao poeta, mas em resultado de reatamento.

A obra "Fernando Pessoa & Ofélia Queiroz" foi apresentado em junho, na CFP, em Campo de Ourique, no âmbito do Festival Desassossego, com a presença do ensaísta Eduardo Lourenço, o investigador Richard Zenith e os editores Bia e Pedro Corrêa do Lago.

No último dia 13 de junho comemorou-se os 125 anos do nascimento de Fernando António Nogueira Pessoa, na freguesia dos Mártires, em Lisboa.






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!