quarta-feira, 26 de junho de 2013

Inverno em Santa Catarina: paisagem suíça em pleno sul brasileiro



Nosso país é visto lá fora como a terra do sol e mar em quase todos os meses do ano, imagem essa fortemente impactada pelo clima do Nordeste, mas o sul do país pode chegar a temperaturas típicas do inverso europeu

A região denominada Serra Catarinense tem seu horizonte pontilhado pelas mais altas montanhas da região Sul do Brasil. Grande parte de suas cidades está a mais de mil metros de altitude, o que facilita a ocorrência de geada e até de neve. Sim, não é raro nevar nessa região. Nem sempre se sabe exatamente o dia em que o chão ficará coberto de branco (para alegria dos turistas , que brincam como se estivessem na Europa ou nos vizinhos Argentina e Chile), mas a possibilidade sempre existe.Um outro Brasil em que faz frio abaixo de zero e onde cânions e vales profundos marcam a paisagem ainda é pouco difundido pelo trade turístico. Ele fica no Sul , mais precisamente no sul do Estado de Santa Catarina, na divisa com o Rio Grande do Sul.

Nessa estação, o branco é a cor predominante, com a temperatura frequentemente atingindo marcas negativas. Aliás, o recorde nacional de temperatura negativa foi registrado na Serra Catarinense, mais precisamente no Pico da Igreja, em Urubici (cidade vizinha a São Joaquim): -17,8ºC, em 1996.

A Serra Catarinense e o potencial turístico

O Planalto Serrano catarinense é a região mais fria do Brasil. E é o único lugar no país onde a precipitação de neve é certa - todos os anos a paisagem verde-amarelada de araucárias, coxilhas (campos ondulados) e taipas (muros de pedra) torna-se branca, mesmo que por poucos dias, no inverno. Nestes dias, até as águas das cachoeiras congelam.

É uma região de campos de altitude, florestas e grandes cânions. Nos campos, ficam as fazendas, algumas com serviços de hospedagem. A região é ideal para o turismo rural. Lages, maior cidade do Planalto Serrano, há dois séculos era entreposto comercial no Caminho dos Tropeiros, no qual era feito o transporte de gado entre Rio Grande do Sul e São Paulo. Hoje, a cultura campeira, cujos ícones são o homem do campo, as fazendas e o cavalo, é predominante na Serra Catarinense. Algumas das fazendas que oferecem turismo rural são centenárias. O frio, as histórias de tropeiros contadas ao pé do fogo de chão, o pinhão, o chimarrão, o camargo (café misturado com o leite saído na hora, bebido ao pé da vaca) criam uma atmosfera especial, repleta de calor humano e hospitalidade.

Os 18 municípios que compõem a Serra Catarinense ocupam uma área de mais de 16 mil quilômetros quadrados. Sua população é de cerca de 280.000 habitantes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!