terça-feira, 11 de junho de 2013

Forró da Capitá, recheado de axé e sertanejo, deixou o autêntico forró em segundo plano, no último fim de semana no Recife

Petrucio Amorim: uma das poucas atrações que
representaram o forró de raiz
Essa é para provocar infarto em Alceu Valença e outros defensores do forró tradicional: as principais atrações do Forró da Capitá, no Recife, em plena terra natal de Luiz "Rei do Sertão" Gonzaga, podem tocar tudo, exceto forró

Logo após o Carnaval, Alceu Valença publicou um artigo no Jornal do Commércio, bradando contra a invasão do espaço que seria do frevo, por músicas de outras plagas. Transcrevemos as palavras do músico pernambucano aqui no Artecultural, acrescentando a nossa opinião sobre o assunto. É chegado o São João, festa mais tradicional do Nordeste, mas verificamos que o Chevrolet Hall recebeu Luan Santana, Calypso e Chiclete com Banana como os grandes destaques.


Até teve a presença de um monstro sagrado como Petrucio Amorim, - o maior compositor vivo de forró, - além de Cezzinha, Nando Cordel e o estreante Chambinho do Acordeon, mas foram anunciados em paica 10, na lista da programação. Enquanto isso, os nomes de Luan Santana, Chiclete com Banana e até a decadente Calypso, foram manchete, em letras garrafais e destacadas em negrito.


E aí meu amigo Alceu Valença, o que fazer no restante do Nordeste se até na terra de Gonzagão o forró já é atração secundária?


Euriques Carneiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!