terça-feira, 25 de setembro de 2012

Lucas da Feira: herói ou bandido, ele permeia a história de Feira de Santana


Personagem ambíguo, Lucas da Feira, o líder que se tornaria famoso entre os escravos que se revoltaram contra sua condição e que fugiram dos engenhos da região, é visto por muitos como um facínora atroz e sanguinário e por outros como herói, como se fora um Robin Hood do sertão

Lucas da Feira, alcunha pela qual era conhecido Lucas Evangelista, nasceu em 18.10.1807, em Feira de Santana (BA) na fazenda Saco do Limão, hoje bairro da Pedra do Descanso. Há controvérsias sobre a data sua morte: algumas publicações dizem que foi em 02.02.1849, outras afirmam que foi em 25.09 daquele ano.

Como filho de escravos, pertenceu, a princípio, a D. Anna Pereira do Lage e após o falecimento dela, passou ao domínio do Padre José Alves Franco, vindo mais tarde a caber, em nova partilha, ao pai deste, Alferos José Alves Franco. Durante esta última transição de senhor, ele fugiu para as matas da cidade de Feira, em meados do ano de 1828, se juntando a uma quadrilha em conjunto com Flaviano, Nicolau, Bernardino, Januário, José e Joaquim, sendo ele preso em 23.01.1848 após ser alvejado com um tiro no braço.
Em 2010, houve um projeto para homenagear Lucas da Feira nomeando uma rua com seu nome, mas o projeto foi rejeitado, visto que existem também imagens negativas dele entre os historiadores. Foi argumentado que não se podia esquecer os assaltos que ele cometeu durante vinte anos aos moradores da cidade de Feira de Santana.
Franklin Maxado: poeta e historiador feirense
Como um Lampião em menor escala, há correntes de pensamento que veem em Lucas um herói que lutou pelas classes menos favorecidas. Outros enxergam no personagem um reles bandido que roubava e praticava inúmeros outros crimes. Assim, alguns historiadores argumentam que Lucas lutou contra a escravidão e foi um  bandido nos moldes de Robin Hood, na tendência como teria sido o Zumbi dos Palmares. Já outros historiadores como Franklin Maxado, Monsenhor Renato Galvão e Hugo Navarro relatam uma vida criminosa atribuída à vida de Lucas.
Monsenhor Renato Galvão: "Lucas nunca foi um herói"
 Há um consenso, entretanto que Lucas Evangelista ajudou a formar um dos primeiros grupos considerados como cangaço na primeira metade do século XX. Como herói ou como bandido, é impossível falar da história de Feira de Santana dissociando-a da imagem de Lucas da Feira.

Euriques Carneiro

Um comentário:

  1. Muito legal, gosto do tema e gostaria de ter mais informações.
    Abraço.
    Tarcísio Neto

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!