quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Centro de Artesanato de Pernambuco – CAPE, abrirá suas portas nesta terça, 25 de setembro




Em área que era marcada pelo abandono, o Marco Zero ganha Centro de Artesanato de Pernambuco – CAPE. O espaço foi aberto nesta terça-feira (25), às 16h, com acervo de 16 mil peças de 500 artesãos do Estado.


O que era área degradada agora é centro de artesanato e cultura, com espaço para souvenires, cestaria, trabalhos manuais e artesanato contemporâneo e, bem ao estilo do ufanismo pernambucano, já está sendo considerado o maior do gênero em todo o país
À beira das águas que emolduram o centro histórico do Recife, o mesmo Armazém 11 que por anos deu à região um clima estranho de abandono agora reabre sua portas, com ar bem mais moderno. O local, onde se estocava açúcar no passado, se transformou no Centro de Artesanato de Pernambuco (Cape), que enfim ficou pronto, depois de três anos de reforma e seis meses de atraso. Nesta terça-feira, 25, a partir das 16h, está sendo entregue à população e aos turistas, repleto de objetos do artesanato da terra de Gonzagão.

O centro, - que já sendo considerado o maior do segmento no Brasil, - tem um acervo de 16 mil peças, de 500 artesãos, entre trabalhos feitos com couro, madeira, cerâmica, barro, além de produtos têxtil. No espaço, mestres tradicionais como Dila, Ana das Carrancas, J. Borges e Manoel Eudócio dialogam com trabalhos mais contemporâneos que bebem da fonte da cultura popular. Lá também poderão ser encontradas as famosas peças dos descendentes e seguidores do maior ceramista de todos os tempo, o Mestre Vitalino de Caruaru.
 
Qualquer peça pode ser adquirida, pois todo o acervo está à venda. As peça tem preços variando de R$ 1 a R$ 3 mil, divididas entre as seções mestres, suvenires, artesanato contemporâneo, cestaria, têxtil, trabalhos manuais e brinquedos populares. O centro faz parte de um complexo cultural que está sendo erguido na área portuária do Recife. No dia 13 de dezembro, - quando Gonzagão completaria 100 anos de vida, - a expectativa do governo do Estado é abrir o Cais do Sertão Luiz Gonzaga.
EXPOSIÇÃO - Na inauguração do Centro de Artesanato de Pernambuco acontece também a abertura de uma exposição temporária na galeria de artes, coordenada por Márcio Almeida, da Secretaria de Cultura do Estado. Tradição/Tradução, aberta até 25 de novembro, reúne obras dos artistas plásticos contemporâneos Marcelo
 
Euriques Carneiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!