terça-feira, 11 de setembro de 2012

Bob Dylan comemora os 50 anos de carreira com o aplaudido disco "Tempest"




Bastante aguardado por fãs e críticos, “Tempest” será o primeiro álbum de canções originais de Dylan desde "Together through life", de 2009

Gravado no Brasil por Gilberto Gil e Diana Pequeno, entre outros, o alvo incansável de retrospectivas e homenagens, Bob Dylan prossegue, imperturbável, uma carreira iniciada há 50 anos com um novo álbum, o muito aguardado "Tempest".

O disco, que chega às lojas nesta terça-feira (11) nos Estados Unidos, é o primeiro álbum de canções originais de Dylan desde "Together through life", de 2009, mesmo ano em que lançou o disco com músicas de Natal "Christmas in the Heart". Robert Zimmerman, seu verdadeiro nome, 71 anos, convertido ao cristianismo em 1979, queria em um primeiro momento que o disco girasse ao redor do tema religião, mesmo ciente das implicações desta decisão.

"Mas não tinha canções suficientes. Era necessário muito mais concentração para conseguir 10 músicas sobre o mesmo tema que para o disco a que cheguei", afirmou à revista americana Rolling Stone. "Tempest" é, portanto, "uma curiosa compilação de tudo e nada da qual se deve esperar que saia algo", explicou.

Apesar de não citar diretamente a religião, "Tempest", cujas letras estão repletas de referência bíblicas, explora as profundidades da natureza humana, sua grandeza indignidade, a busca do amor e da vingança, a violência e a morte. O videoclipe do primeiro single do álbum, "Duquesne Whistle", inspirado no universo do diretor Quentin Tarantino, resume o espírito do disco, no qual uma aparente leveza esconde ambientes mais ameaçadores.

"Pago com sangue/Mas não o meu", adverte em "Pay in blood".

A longuíssima canção "Tempest" narra durante 14 minutos os últimos momentos do naufrágio do Titanic. Com uma música tradicional irlandesa, Dylan descreve momentos macabros e atos de coragem e bravura na luta pela sobrevivência no transatlântico.

Numa justa homenagem, "Roll on John"é também um dos momentos mais emotivos do álbum, onde Dylan lamenta o assassinato do amigo John Lennon, reproduzindo um trecho de "A day in the life" ("I heard the news today, oh boy") dos Beatles.

Críticos americanos e ingleses elogiaram de maneira unânime o 35º disco de estúdio de Dylan.

Robert Zimmerman, que tem a fama de fazer shows às vezes difíceis, apresenta com "Tempest" um álbum acessível e variado, baseado nas raízes dos gêneros musicais americanos: rock, blues, folk e jazz. O lançamento de "Tempest", 50 anos depois da gravação do primeiro disco de Dylan, foi celebrado na internet após uma campanha de divulgação da Columbia Records.

Desde o dia 05.09, dez canções foram disponibilizadas em streaming de forma gratuita, mas limitadas por um período não especificado, no iTunes, a plataforma musical on-line da Apple, que chamou "Tempest" de "notável". Mas tudo teve início em 27 de agosto, quando "Duquesne Whistle" foi apresentada na NPR Online, o site da rádio pública americana, cujo blog 'All Songs Considered' é muito conhecido por atuar como trampolim para artistas independentes pouco conhecidos. Dylan faz parte da safra de cantores setentões em plena forma e produzindo com nunca em suas carreiras.

Dois dias mais tarde, o vídeo da mesma música foi apresentado no site do jornal britânico The Guardian, que possui muitos leitores nos Estados Unidos.

O lançamento oficial acontece nesta terça-feira, 11 de setembro, o que obrigou a gravadora Columbia Records a desmentir qualquer relação entre o título do álbum, "Tempest", e a data de aniversário dos atentados de 2001 contra as torres gêmeas do World Trade Center em Nova Iorque e o Pentágono em Washington. O Mr. Dylan foi um dos artistas condecorados pelo Presidente Barack Obama, pela importancia da sua obra para a cultura americana.
 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após análise.
Obrigado!